00h00 - sexta, 21/04/2017

A paixão do ciclismo
segundo José Poeira

A paixão do ciclismo segundo José Poeira

Quando na tarde deste sábado os ciclistas saírem para a estrada na Zambujeira do Mar, na etapa inaugural do grande prémio com o seu nome, José Poeira irá certamente recordar os dias em que calcorreava as ruas de Odemira a pedalar na bicicleta do irmão mais velho.
Era na altura um jovem com a ambição de ser alguém no ciclismo português. Um sonho que quase todos condenavam ao insucesso, mas que José Poeira concretizou à custa de muito "sangue, suor e lágrimas" derramados no alcatrão.
"Fiquei muito satisfeito com o consegui", admite ao "SW" o antigo ciclista e actual selecionador nacional de estrada, para quem a modalidade foi sempre uma paixão. Mesmo em Odemira, onde a tradição do ciclismo era pouca (ou nenhuma). "Não sei porquê esta paixão… Mas acho que as pessoas nascem para isto ou para aquilo e eu comecei a gostar de ciclismo. E como não havia nada em Odemira fui para Almodôvar e de lá segui em frente", acrescenta José Poeira, hoje com 57 anos.
José Poeira nasceu em Odemira a 20 de Maio de 1959 e começou a sua carreira de ciclista em 1977, ao serviço do Almodôvar, conquistando de imediato o título de campeão regional do Algarve. Depois foi sempre a "subir", passando pelas equipas do Pinheiro de Loures, Coimbrões, Lousa/Trinaranjus e Sicasal/Acral. Participou em dez edições da Volta a Portugal e esteve quatro vezes na "Vuelta" (Volta a Espanha), além de em algumas corridas de renome em França.
"Estive sempre em boas equipas e quando não ganhava tentava ajudar os meus colegas a ganhar. E muitos ganharam corridas com a minha ajuda", lembra o antigo ciclista, para logo acrescentar: "Sinto-me realizado pela minha carreira de 15 anos".
José Poeira "estacionou" a bicicleta já na década de 90, mas não abandonou a modalidade. Primeiro foi treinador na Sicasal/Acral e desde 1997 que lidera a Selecção Nacional de Estrada nas categorias de Elite, Sub-23, Juniores e Cadetes.
No seu currículo conta com uma medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 2004 (obtida por Sérgio Paulinho) e um título de campeão do mundo em 2013 (através de Rui Costa). Os resultados falam por si, mas ainda assim José Poeira garante não ter nenhum "segredo" para os alcançar.
"Como ciclista trabalhava sem olhar para mim, mas olhando sempre para o colectivo. Desempenhei um trabalho honesto e agora transportei isso para este cargo. E se calhar é por este trabalho honesto e pelos resultados alcançados que me mantenha num cargo como este", afirma o técnico odemirense, que tem três máximas de que nunca abdica(rá): "Humildade, perseverança e proximidade com os atletas".


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - segunda, 25/06/2018
Comboios vão voltar a
parar em Amoreiras-Gare
Cinco de Agosto: é esta a data definida pela empresa Comboios de Portugal (CP) para o início das paragens do Intercidades na estação Amoreiras-Odemira, em Amoreiras-Gare.
00h00 - segunda, 25/06/2018
FACECO está
de volta em Julho
Falta pouco menos de um mês para mais uma edição da FACECO–Feira das Actividades Culturais e Económicas do Concelho de Odemira.
00h00 - sexta, 22/06/2018
Memória(s) em palco
com "Desembosnar"
Anos atrás a expressão "desembosnar" era muito utilizada nos montes e aldeias do interior de Odemira quando se fala em desenvolver ou desencalhar.
00h00 - sexta, 22/06/2018
Vila de Colos
celebra São João
A vila de Colos recebe neste fim-de-semana, 22 a 24, mais uma edição da Feira de São João, promovida pela Associação para o Desenvolvimento da Freguesia de Colos com o apoio da Câmara de Odemira e da Junta de Freguesia de Colos.
00h00 - sexta, 22/06/2018
Canoístas do concelho de
Odemira em bom plano
Três canoístas do concelho de Odemira alcançaram no passado fim-de-semana o segundo lugar nas provas que disputaram no Campeonato Nacional de Maratona, em Ponte de Lima.

Data: 22/06/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial