07h00 - sexta, 19/05/2017

Utentes reuniram com
administração da ULSLA

Utentes reuniram com administração da ULSLA

Existem 30 mil utentes no Alentejo Litoral sem médico de família, número que poderia ser bem superior não fosse o protocolo do Ministério da Saúde com o Governo de Cuba.
Esta é uma das conclusões da Coordenadora das Comissões de Utentes do Litoral Alentejano após a reunião da passada quarta-feira, 17, com a administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA).
Em comunicado, os utentes sublinham igualmente que "as obras das futuras extensões de Saúde de Alvalade-Sado, no concelho de Santiago do Cacém, e do Torrão, no concelho de Alcácer do Sal, encontram-se a decorrer a um ritmo muito lento". E que as obras nas extensões de Saúde de Milfontes, Sabóia, Vila Nova de Santo André e Alcácer do Sal "só poderão ser realizadas se existir fundos comunitários".
No documento, os utentes frisam ainda que os tempos de espera no serviço de Urgência do Hospital do L.itoral Alentejano "são enormes" e que existem "enormes listas de espera" nas consultas e nas cirurgias de Fisiatria, Gastroenterologia, Oftalmologia e Urologia.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

Data: 16/02/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial