07h00 - segunda, 19/03/2018

"Caixa de S. Teotónio
teve resultado bastante
agradável em 2017"

"Caixa de S. Teotónio teve resultado bastante agradável em 2017"

A Caixa Agrícola de São Teotónio registou em 2017 um resultado líquido positivo acima de 1,7 milhões de euros. Números que o presidente da administração justifica, em entrevista ao "SW", com a confiança que os clientes depositam na instituição bancária sediada em São Teotónio. "Temos uma quota de mercado local de 50%, tanto em depósitos como em crédito. Isso é importantíssimo e demonstra que a instituição está bem enraizada e que as pessoas têm confiança em nós", sublinha António Louçã.

Em 2016 a Caixa Agrícola de São Teotónio (CAST) obteve um resultado líquido positivo na ordem dos 457 mil euros. Qual foi o resultado no exercício de 2017?
Mais de 1,7 milhões de euros…

Um aumento significativo.
Sabe que a partir de 2008, com a crise financeira que se instalou, têm-se vivido tempos difíceis, apesar da CAST ter atravessado toda a crise sempre com resultados positivos. Um bocadinho mais modestos que o costume, mas sempre positivos! Este ano as coisas correram melhor, porque foi possível suster um pouco o crédito vencido. Isso é sinal de que as dificuldades que as pessoas passaram têm vindo a ser atenuadas, o que é fundamental para a rentabilidade de qualquer instituição bancária. Depois, o nosso dinamismo a nível comercial também tem permitido crescer constantemente.

Qual a vossa quota de mercado actual?
Temos uma quota de mercado local de 50%, tanto em depósitos como em crédito. Isso é importantíssimo e demonstra que a instituição está bem enraizada e que as pessoas têm confiança em nós.

A par da diminuição do crédito vencido, a CAST cresceu nas outras áreas?
Sim! Crescemos mais de cinco milhões [de euros] no crédito e mais de sete milhões [de euros] em depósitos.

2017 foi o melhor ano de sempre para a CAST em termos de resultados?
Não, não… Já tivemos anos melhores! Antes da crise conseguimos resultados ligeiramente acima dos dois milhões. No entanto, o que acontece de novo é que, como consequência da crise, o aperto regulamentar foi bastante grande e hoje em dia aquilo que são as exigências de provisionamento dos activos das instituições bancárias são bastante pesadas e não permitem que os resultados sejam muito vultuosos. Há a acrescentar a isso há a questão das taxas de juro, que estão historicamente muito baixas e não permitem que haja margem financeira suficiente para ter grandes resultados. Mas temos que nos lembrar que abrangemos os concelhos de Odemira e de Aljezur, que juntos têm apenas 31 mil habitantes. Portanto, aquilo que conseguimos já é bastante satisfatório. Não há hipótese de crescer muito mais! Por isso digo que este resultado obtido em 2017 é bastante agradável.

A CAST também cresceu na área dos produtos não financeiros, nomeadamente nos seguros?
Também. Aliás, crescemos em todas as rubricas e nos seguros também.

Que peso tem o sector agrícola na actividade da CAST?
Naturalmente tem um peso enorme. Aqui não temos indústria, mas sim comércio e serviços ligados à agricultura. Portanto, há muita coisa ligada à agricultura.

Que metas tem a Caixa de São Teotónio definidas para 2018?
O nosso grande objectivo é continuar a registar resultados positivos, de forma a consolidar a nossa posição financeira e poder ter excedentes que permitam cumprir aquilo que é a missão essencial do Crédito Agrícola: o apoio ao desenvolvimento local e às nossas comunidades.

Em que medida?
A CAST é de 1911 e não esquecemos os valores com que fomos criados. Portanto, o que aqui fazemos é pegar nos recursos da comunidade, rentabilizá-los via crédito e devolver os lucros à comunidade. É uma força enorme que temos, porque todos os lucros que obtemos além de um determinado montante mínimo são para devolver à comunidade. Ainda neste ano de 2017, além dos apoios que concedemos a todo o tipo de associações, foi-nos possível atribuir uma ambulância a cada uma das associações de bombeiros do nosso território: Odemira, Vila Nova de Milfontes e Aljezur. Foram 150 mil euros que canalizámos para isso e fizemo-lo com toda a naturalidade, pois foi para isso que fomos criados.

Porquê esse apoio aos bombeiros?
Percebemos ao longo do ano que iríamos ter um resultado positivo com alguma expressão e começámos logo a distribuir [esses dividendos]. E como 2017 foi um ano muito marcado pela questão dos fogos e dos bombeiros, também nos juntámos a esse sentimento geral de agradecimento. E dentro das nossas possibilidades contribuímos para que eles possam ter os meios que precisam para estarem preparados.

Há novos projectos a implementar em 2018?
Vai ser um ano de transição na parte dos processos contabilísticos, que ainda estão a ser ensaiados e não sabemos que reflexo isso vai ter nos resultados. Estamos confiantes que será um resultado sempre bastante positivo, mas estamos a viver uma experiência nova à qual nos estamos a adaptar.

A actual rede de sete balcões é para manter?
A nossa ideia é manter esta rede.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
21h34 - domingo, 23/09/2018
Odemirense e Milfontes
entram a perder na época
Odemirense e Praia de Milfontes entraram de "pé esquerdo" na Taça de Honra da 1ª divisão distrital de Beja, ao perderem os seus jogos na ronda inaugural da nova prova do calendário de 2018-2019.
20h35 - domingo, 23/09/2018
Vitórias checas na Taça
do Mundo de Orientação
Os checos Kryztof Bogar e Martina Tinkovska foram os grandes vencedores da ronda final da Taça do Mundo de Orientação em BTT, que terminou neste domingo, 23, na vila de Odemira, depois de três dias muita competição e adrenalina.
07h00 - domingo, 23/09/2018
Odemirense e Milfontes
na Taça de Honra de Beja
As equipas do Odemirense e do Praia de Milfontes iniciam às 17h00 deste domingo, 23, a sua participação na nova Taça de Honra da 1ª divisão de Beja com a ambição de fazer o melhor possível, mas sem a "obsessão" de querer chegar a todo o custo à final a quatro da competição.
07h00 - domingo, 23/09/2018
Taça do Mundo de Orientação
em BTT chega ao fim em Odemira
Termina neste domingo, 23, a ronda final da Taça do Mundo (WMTBO), que decorre desde sexta-feira, 21, em Odemira com a participação de cerca de duas centenas de atletas vindos de 15 países.
07h01 - sexta, 21/09/2018
Normalidade no arranque das aulas em Odemira
Normalidade! É com esta expressão que a vereadora Telma Guerreiro descreve o arranque do novo ano lectivo de 2018-2019 no concelho de Odemira, destacando o facto de o número total de alunos, do pré-escolar ao ensino secundário, se manter estabilizado face ao ano anterior e haver aumento de estudantes nos agrupamentos de Odemira e de São Teotónio.

Data: 21/09/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial