07h00 - quarta, 16/05/2018

Maravilha Farms
apoia projectos sociais

Maravilha Farms apoia projectos sociais

A empresa Maravilha Farms, com sede na freguesia de Sâo Teotónio (Odemira), tem a decorrer a terceira edição do prémio que vai distinguir dois projectos sociais, um dos quais no concelho de Odemira.
Uma iniciativa que o director-geral, Luís Pinheiro, justifica ao "SW" com a missão da empresa. "Estamos em Portugal há 11 anos e sempre tivemos programas pontuais de ajuda e protocolos com algumas entidades. E há três anos decidimos formatar este projecto para desafiar as associações, públicas e privadas, a lançar projectos que possam fazer a diferença", revela o gestor.

O "Prémio Maravilha Farms" vai na terceira edição. O que leva a empresa a avançar com uma iniciativa do género?
Faz parte da filosofia do grupo [RAC] e da empresa. A nossa estratégia e missão assenta em três pilares: os trabalhadores, a quem procuramos dar as melhores condições de trabalho e a melhor preparação; os consumidores, que são a nossa razão de existência; e as comunidades onde estamos inseridas, fazendo parte delas e retribuindo um pouco aquilo que delas recebemos. E é esta filosofia que nos levou a lançar este prémio há três anos! Estamos em Portugal há 11 anos e sempre tivemos programas pontuais de ajuda e protocolos com algumas entidades. E há três anos decidimos formatar este projecto para desafiar as associações, públicas e privadas, a lançar projectos que possam fazer a diferença.

É esse o grande objectivo do prémio…
Exactamente! Não limitamos os prémios a nenhuma área específica, por isso podem ser projectos na área da Saúde, da Educação, na área social, na área da integração, apoio aos migrantes, na Cultura, no Desporto… O que procuramos é que as associações possam, com este prémio, ter ideias, ter projectos que façam a diferença nas comunidades e ter meios – neste caso financeiros – para os poder desenvolver.

Sendo esta a terceira edição da iniciativa, que balanço fazem dos dois prémios anteriores?
Ainda há pouco tempo fizemos o acompanhamento das instituições que apoiámos e constatámos que os projectos foram 100% executados e têm estado ao serviço das comunidades. O nosso balanço é bastante positivo, daí esta terceira edição [do prémio]. E iremos, com certeza, continuar a cimentar a nossa intervenção nas comunidades.

Em que medida é importante haver, da parte das empresas, esta lógica de "responsabilidade social"?
Em primeiro lugar é uma visão de longo prazo, que demonstra que as empresas estão para estar integradas nessas comunidades e estão para dar e receber. E internamente, dentro das próprias empresas, é importante este tipo de projectos, porque ajuda muito a desenvolver a consciência social dos nossos próprios quadros na sua relação com a comunidade.

É por esse entendimento que a Maravilha Farms surge associada a projectos como, por exemplo, o CLAIM – Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes, em Odemira?
O apoio à integração de migrantes diz-nos muito, pois somos responsáveis pela chegada de alguns desses migrantes ao território. Portanto, achamos que é nossa responsabilidade estar presentes e ajudar a resolver os problemas que são inerentes à própria chegada desses migrantes.

Em Maio de 2017, perante o primeiro-ministro António Costa, apresentaram o projecto "Ambição 2021", que estimava um investimento de 19 milhões de euros ao longo de cinco anos para duplicar a vossa área produtiva. Qual o ponto de situação?
Dentro do nosso plano para o ano de 2018 contamos implementar uma parte desse programa. Temos um projecto que está a ser avaliado em sede de projecto PIN pelas entidades competentes, que tem que ver com o acolhimento de trabalhadores migrantes, ou seja, alojamentos. Queremos criar melhores condições para podermos receber estas comunidades que vêm trabalhar para Portugal. Estamos à espera que esse projecto venha a ser aprovado, para podermos avançar com a construção desses alojamentos.

Dos 19 milhões de euros previstos, quanto já investiu a empresa no âmbito da sua "Ambição 2021"?
Entre Maio de 2017 e este momento investimos 3,5 milhões de euros. E nos próximos cinco anos contamos fazer o investimento nesse montante que referiu, que, no fundo, será o que nos permitirá duplicar a nossa capacidade produtiva.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h01 - segunda, 20/05/2019
Inscrições abertas
para as Brisas 2019
A Câmara de Odemira tem abertas até ao próximo dia 6 de Junho as inscrições para mais uma edição da "Brisas do Atlântico", evento desportivo multidisciplinar que vai decorrer a 10 de Junho entre o Almograve e a Zambujeira do Mar.
07h00 - segunda, 20/05/2019
Jornada sem vitórias
para equipas de Odemira
A 21ª jornada do campeonato distrital da 1ª divisão de Beja, realizada na tarde deste domingo, 19, teve um sabo amargo para as equipas do concelho de Odemira, sendo que nenhuma logrou somar os três pontos.
07h00 - quinta, 16/05/2019
Regadio no Mira com
taxa de utilização de 60%
Meio século após a construção da barragem de Santa Clara, estão a ser utilizados 60% dos cerca de 12 mil hectares abrangidos pelo Aproveitamento Hidroagrícola do Mira (AHM).
07h00 - quarta, 15/05/2019
Praias de Odemira com
mais três bandeiras azuis
No Verão de 2019 serão 12 as praias do concelho de Odemira a ostentar a Bandeira Azul, símbolo de qualidade e excelência ambiental atribuído pela ABAE-Associação Bandeira Azul da Europa.
07h00 - quarta, 15/05/2019
Vitacress vai usar
algas como fertilizante
A empresa Vitacress, com sede na freguesia de Boavista dos Pinheiros (Odemira), está a trabalhar num projecto de investigação que prevê a utilização de microalgas como fertilizante orgânico na agricultura.

Data: 10/05/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial