00h00 - segunda, 09/07/2018

Maria de Belém: "Temos de garantir a todos as mesmas condições de vida"

Maria de Belém: "Temos de garantir a todos as mesmas condições de vida"

Para a coordenadora-geral da Associação Dignitude, Maria de Belém Roseira, o Programa ABEM-Rede Solidária do Medicamento é essencial para apoiar as franjas mais carenciadas da comunidade.

Qual a importância da Rede ABEM chegar aos territórios do interior?
O país é uno e indivisível e nós temos de tentar garantir a todos os portugueses as mesmas condições de vida. Neste caso concreto o acesso a um bem essencial do qual as pessoas não devem ficar privadas por razões de natureza económica. Temos realmente indicadores de saúde muito bons em Portugal, indicadores que nos orgulham, mas tamos também uma grande carga de doenças crónicas que necessitam de medicamentos para poderem ser controladas. Sobretudo num concelho como este, em que o envelhecimento também é uma marca. Ora este protocolo permite que as pessoas com menores rendimentos deste concelho, através da parceria que o programa estabelece com a Câmara, possam ter acesso aos medicamentos que lhes são prescritos.

Este programa acaba por ser ainda mais importante fora dos grandes centros urbanos, onde o envelhecimento é mais acentuado?
Quando o programa se iniciou pensávamos que o número de beneficiários mais velhos ia ser o principal. Mas depois verificámos que face à crise, ao impacto do programa da "troika", ao desemprego – que subiu imenso – e à desestruturação que aconteceu em muitas famílias, cerca de um quarto dos beneficiários são crianças, o que é muito chocante. Portanto, actuamos em função das necessidades de cada concelho. E num concelho como Odemira, em que o envelhecimento é uma marca, é natural que venham a ser identificados beneficiários com idades mais avançadas. Mas este programa tem a plasticidade de se adaptar ao contexto.

Importa é chegar ao terreno e a quem dele necessita…
Evidentemente! Importa é chegar a quem necessita e que as pessoas não deixem de controlar a sua diabetes, a sua tensão arterial e aquilo que o médico considera indispensável para que o seu estado de saúde não seja agravado porque não têm os euros que necessitam para encaixar mais essa despesa mensal.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sábado, 17/11/2018
PS celebra 20 anos
de gestão em Odemira
A Concelhia de Odemira do Partido Socialista promove neste sábado, 17 de Novembro, ao fim da tarde, um jantar para assinalar duas décadas de gestão autárquica no concelho.
07h00 - sábado, 17/11/2018
Inclusão debatida
em São Teotónio
A Quinta do Craveiral, na freguesia de São Teotónio, recebe neste sábado, 17 de Novembro, a quarta edição do Encontro de Educação Inclusiva "Oportunidades de Inclusão".
07h00 - sábado, 17/11/2018
Teatro para bebés na
Biblioteca de Odemira
A Biblioteca Municipal José Saramago, em Odemira, recebe neste sábado, 17 de Novembro, o espectáculo de teatro para bebés "Artur", por Albina Petrolati e Remi Gallet.
07h00 - sábado, 17/11/2018
Colóquio e exposição na agenda
O centenário da greve nacional de 1918 é o mote do colóquio que a Associação GESTO-Grupo de Estudos do Território de Odemira promove neste sábado, 17, no auditório do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, em Odemira.
07h00 - sábado, 17/11/2018
Odemira recorda a
greve nacional de 1918
O ano de 1918 deixou na história de Portugal a memória de tempos conturbados.

Data: 16/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial