07h00 - sábado, 17/11/2018

Odemira recorda a
greve nacional de 1918

Odemira recorda a greve nacional de 1918

O ano de 1918 deixou na história de Portugal a memória de tempos conturbados. Desde logo pela presença de soldados portugueses na I Grande Guerra Mundial, a par da carestia que afectava grande parte da população, sobretudo a que vivia nas zonas rurais. Havia revolta entre as pessoas e tudo redundou, em Dezembro, no assassinato do então Presidente da República, Sidónio Pais. Não sem que antes, a 18 de Novembro, se tenha registado a primeira greve geral nacional, convocada pela União Operária Nacional e que teve fortes repercussões no concelho de Odemira.
Esta greve "teve forte impacto no concelho de Odemira, não tanto enquanto paragem de actividades económicas, mas como um momento em que, acossada pela fome, boa parte da população camponesa, alguma organizada em associações, se agita e, simultaneamente, os detentores do poder e da riqueza, amedrontados pelo que classificavam como a subversão da ordem social, de influência anarquista, se mobilizam, armados e com o apoio policial e do exército", recorda ao "SW" António Martins Quaresma.
Este historiador é um dos três convidados do colóquio que a associação GESTO – Grupo de Estudos do Território de Odemira vai organizar neste fim-de-semana, 17 e 18 de Novembro, em Odemira e Vale de Santiago para assinalar o centenário da greve nacional de 1918.
Segundo António Martins Quaresma, estes foram meses tumultuosos para Portugal, onde o "sidonismo" representou "uma nova bipolarização na sociedade portuguesa, que abriria o caminho para uma outra República e, finalmente, para o Estado Novo". Mas antes da morte de Sidónio e da greve nacional já o concelho de Odemira tinha estado no "olho do furacão" meses antes, com a revolta dos trabalhadores rurais em Vale de Santiago.
"Na sequência dos acontecimentos verificados no concelho, dezenas de homens, acusados de pertenceram a um grupo anarquista e de planearem uma insurreição foram presos e deportados para Angola, sem julgamento, alegadamente por ordem pessoal de Sidónio Pais", lembra António Martins Quaresma.
Por isso mesmo, continua o historiador, "o clima de 'guerra civil' e a repressão que se abate sobre, principalmente, os trabalhadores rurais caracterizam o panorama social em algumas das áreas do concelho de Odemira".
É por tudo isto que a greve nacional de 1918 acaba por ser "muito marcante no Alentejo e, em particular, no concelho de Odemira". "A crise das subsistências continuou e as tensões sociais também, mas estava-se a entrar num ciclo em que a revolta popular era mais severamente reprimida", nota António Martins Quaresma.
Só após a morte de Sidónio Pais e de dominadas as revoltas monárquicas de Janeiro de 1919 é que esses homens regressaram a casa. "Mas na aldeia de Vale de Santiago, a Comuna da Luz, criada pelo anarquista libertário António Gonçalves Correia, que nada teve a ver com as ocorrências, acabou por ser 'varrida' pela repressão", remata o historiador.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
11h40 - sexta, 15/02/2019
Quatro bombeiros de Odemira
ficaram feridos em acidente
O capotamento da viatura em que seguiam provocou ferimentos ligeiros a quatro bombeiros de Odemira na tarde desta quinta-feira, 14 de Fevereiro.
07h00 - sexta, 15/02/2019
Igualdade ensinada nas escolas de Odemira
"O que é ser homem e ser mulher? E será que os brinquedos têm género?": estas foram algumas das reflexões feitas ao longo dos últimos meses nas salas de aula do pré-escolar no concelho de Odemira, no âmbito do projecto "Biblioteca Itinerante IG0+", da TAIPA.
07h00 - sexta, 15/02/2019
TAIPA quer "lançar sementes"
Na opinião da vice-presidente da TAIPA, são projectos como o "IG0+" que promovem "um despertar de consciências".
07h00 - sexta, 15/02/2019
Milfontes campeão
do Alentejo de voleibol
em Iniciados Femininos
Lágrimas nos olhos, sorrisos estampados no rosto e muitos saltos de alegria: assim foi a festa da equipa feminina de voleibol do Praia de Milfontes, que no último sábado, 9, garantiu o título regional do Alentejo e Algarve na categoria de Iniciados.
07h00 - sexta, 15/02/2019
PSD vai a votos
e quer crescer no
concelho de Odemira
Reforçar o "peso" do PSD no concelho de Odemira é a grande meta definida por Luís Bernardo Freitas, que se recandidata à liderança da Concelhia laranja.

Data: 15/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial