07h00 - sexta, 12/04/2019

Gente da Barragem:
Rita & Ricardo

Gente da Barragem: Rita & Ricardo

Há na barragem de Santa Clara dois pequenos barcos à vela, na zona do centro náutico, ancorados à espera das pessoas que hão-de chegar ao deck de acostagem e neles entrar, soltar as velas e, como num sonho de criança, simplesmente navegar. Foi assim que conheci a Rita e o Ricardo. Primeiro os barcos, depois os seus proprietários.
Rita Norberto tem 34 anos e é bióloga. Formou-se nos Açores, onde estudou, viveu e trabalhou durante 12 anos. Deu aulas na universidade, fez investigação, trabalhou num centro de educação ambiental e foi skipper num barco de whalewatching, entre outras coisas.
Ricardo Vaz é arquitecto e tem 48 anos. Estudou em Lisboa, formou-se em arquitectura e exerceu a profissão quase durante 20 anos. Fez uma pausa para ser professor de vela. São de Lisboa, mas vivem em Luzianes-Gare.

A MUDANÇA
Rita: Decidimos vir para o campo um dia. Viemos de férias para aqui e decidimos começar a procurar um espaço para nós. Procurámos terrenos aqui à volta, mas acabámos por nos decidir por um monte em Luzianes que tinha as condições que procurávamos e que na altura pudemos aceitar. Há muito que tínhamos este desejo de vir. Por várias razões: tínhamos estado fora de Lisboa a trabalhar dois anos como skippers num barco à vela no Pacífico e começámos a pensar em voltar a terra, ter um pedaço de terra firme que pudéssemos dizer que era nosso, construir algo para nós, viver numa comunidade.
Ricardo: Não foi uma necessidade premente vir para aqui. Podíamos ter continuado a viver o resto das nossas vidas no mar, há quem o faça e seja feliz.
Rita: Embora a experiência estivesse a ser muito boa, outras questões começaram a preocupar-nos. A ligação à terra por exemplo. Queríamos ser auto-suficientes, produzir a nossa própria comida, deixar de ser apenas consumidores, viver esta ligação à natureza de uma forma mais intensa. Produzires a tua própria comida já é uma riqueza em si.
Ricardo: O meu ponto era que, no barco, o ambiente era confortável e conhecíamos outros casais que viviam as mesmas experiências. Mas a determinada altura o exótico torna-se vulgar, ouves as pessoas dizer que estão fartas dos peixes coloridos e já não sentes a mesma coisa, parece que começa tornar-se fútil esta coisa de andar aqui de ilha em ilha. Foi uma experiência inesquecível, que modificou as nossas vidas e que acho que toda a gente deveria ter. Mas para nós tornou-se uma rotina que deixou de fazer sentido a certa altura.
Rita: Sim esse tempo passou rapidamente, e na verdade acabávamos sempre por ter um contacto um pouco superficial com as comunidades locais, nunca ficávamos o tempo suficiente para estabelecer uma ligação mais profunda. As pessoas eram sempre maravilhosas e começámos a sentir isto, que são eles que produzem e nós consumimos. Não estávamos tempo suficiente para dar algo em troca. Qual é afinal a nossa contribuição para a sociedade? Pensámos que seguir essa linha era suficientemente motivador para nós.
Ricardo: Estávamos do outro lado do mundo, mas atentos. Como é que podemos contribuir? Não é uma questão fácil, se te puseres a pensar nisso. Queres contribuir de uma forma positiva e não sabes bem como… As coisas às vezes não estão preparadas para aquilo que queres dar, o processo não é leve, pelo menos para nós.
Rita: De alguma forma isto já vem de antes, em Lisboa. O ritmo da cidade, a desconexão aparente de tudo, correr ao ritmo de outros e não respeitar o teu próprio.

A VELA
Ricardo: O trabalho em atelier de arquitectura começou a tornar-se muito desgastante, trabalhava-se fins-de-semana, sempre com deadlines a cumprir. E se queres ser muito bom naquilo que fazes acabas por só fazer aquilo, obsessivamente, deixas de ter tempo para na realidade viver. E então apareceu a vela, talvez como escape, mas que de repente me pôs a pensar: afinal! Primeiro comecei a dividir o tempo entre a vela e a arquitectura, depois comecei a dar aulas de vela e passado algum tempo fiz uma pausa na arquitectura e passei só a dar aulas de vela numa escola em Belém.
Rita: Entretanto tinha-me conhecido...
Ricardo: Conhecemo-nos num evento de vela, a Rita também tinha aulas na mesma escola, e descobrimos que tínhamos uma grande afinidade e apaixonámo-nos. Pode-se dizer que o nosso destino estava traçado!
Rita: Tinha voltado dos Açores, tinha aulas nessa escola de vela, comecei a fazer eventos com eles e já vivíamos juntos há um ano quando surgiu esta oportunidade de fazer trabalho num barco no Mediterrâneo, onde estivemos dois verões como equipa. Começámos a pensar que se calhar poderíamos fazer isso de forma mais permanente. Acabámos por ir trabalhar para um catamaran de 57 pés e depois concorremos para uma posição num de 80 pés, no Pacífico, onde estivemos esses dois anos de que falámos.

O ALENTEJO
Rita: Quando nos mudámos para o Alentejo trazíamos um ideal também de viver de uma forma mais monástica, refiro-me a viver da terra, sem a preocupação constante do dinheiro, pensar de forma diferente. Mas ao fim de quatro anos aqui começámos também a aceitar que a realidade é uma coisa diferente do que aquilo que às vezes pensamos. Durante este tempo temos de ir fazer os eventos em Lisboa para conseguirmos estar depois aqui. Então começámos a transferir este desejo também para cá, porque é aqui que queremos viver. Concorremos ao programa "Odemira Empreende" para a compra destes dois barcos. São dois raqueros de cinco metros, concorremos com duas propostas diferentes. Na nossa perspectiva podem preencher uma certa lacuna de oferta de experiências às pessoas, combater a interioridade, neste sentido de sub-desenvolvimento tão protelado e, por outro lado, contribuir em parceria com outros agentes turísticos da região para o aumento da oferta qualitativa.
Ricardo: Agora olhamos para o futuro, queremos estar aqui enquanto estivermos bem. Continuamos em simultâneo a reconstruir o nosso monte. É em taipa e isso é muito bom e está de acordo com a nossa filosofia de vida. Temos os materiais na própria terra à nossa disposição. Temos pedra, talisca que podes utilizar.

A BARRAGEM
Rita: Esta morfologia da barragem é muito parecida com Lastovo, na Croácia, onde tínhamos passado à saída do Mediterrâneo e, de repente, ao começar a olhar para estes recantos e a ver a paisagem a desdobrar-se, cada vez mais bonita, começámos a falar no imenso potencial, e deste plano de água gigante, e de uma característica fundamental, é que tem vento, ao contrário por exemplo do Alqueva. Acreditamos que isto aqui até se poderia tornar, com os devidos apoios do Turismo e da autarquia, num pólo de vela, até poderia ser o melhor em águas interiores.

A INTEGRAÇÃO
Ricardo: Sobre a nossa integração nesta comunidade sempre cada vez mais alargada, o tempo que já aqui passámos também já nos modificou. Tratamos as pessoas de igual para igual, vizinhos, amigos. Apresentamos propostas para melhorar a nossa freguesia, estamos agora a apostar nesta proposta da vela. É progressivo. Ao mesmo tempo gostamos de manter o nosso espaço, na nossa privacidade.
Rita: Às vezes é complicado. Ouves dizer: 'tu aqui serás sempre um estrangeiro'. Mas o que pensamos é que isso não é um problema nosso, mas de quem pensa assim. Eu considero que estou no meu país e onde quer que esteja faço sempre por dar o melhor para também tornar este lugar num sítio mais apetecível e bonito, não só para nós como também para os outros. Não acho que o Alentejo seja só dos alentejanos da mesma forma que Lisboa não é só dos lisboetas. É mundo e este pertence a todos. Aqui vivemos a paisagem, mas também vivemos a nossa história, as nossas tradições. E não há palmeiral numa ilha exótica no mundo que possa substituir esta sensação de pertença que precisamos. Para nós Portugal é o melhor sítio do mundo para se viver!

Parceria "Jornal Sudoeste" & Asscociação ZUT!
Texto: Hélio Mateus | Foto: Endar Can


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 06/12/2019
"Natal no Largo"
no centro de Sines
O centro histórico da cidade de Sines recebe neste fim-de-semana, 6 a 8 de Dezembro, mais uma edição do "Natal no Largo", com um mercado tradicional, actividades culturais e animação para toda a família associada à época natalícia.
07h00 - quarta, 04/12/2019
Glossário de "dizeres"
de Sines já disponível
Já está disponível online o novo glossário dos "dizeres" de Sines, projecto do Arquivo Municipal de Sines, em parceria com a Biblioteca Municipal, que pretende registar e divulgar as expressões típicas das comunidades locais.
08h00 - terça, 03/12/2019
FMM Sines e Meo SW nomeados
para os Iberian Festival Awards
Os festivais Músicas do Mundo (FMM) de Sines e Meo Sudoeste, que decorre anualmente na Zambujeira do Mar (Odemira) estão entre os nomeados para os Iberian Festival Awards 2020, que irão premiar as edições de 2019 dos festivais realizados em solo ibérico.
07h00 - segunda, 02/12/2019
Vereador do SIM
renunciou em Sines
José Ferreira Costa, vereador do movimento SIM-Sines Interessa Mais na Câmara de Sines, renunciou neste sábado, 30 de Novembro, ao seu mandato, tendo sido substituído por Paulo Beliche, que foi em segundo nas listas do SIM à autarquia em 2017.
07h00 - quinta, 28/11/2019
Bilhetes à venda para o
Músicas do Mundo 2020
A Câmara Municipal de Sines já tem à venda os bilhetes para a edição de 2020 do Festival Músicas do Mundo (FMM), que vai decorrer entre os dias 18 e 25 de Julho.

Data: 29/11/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial