07h00 - segunda, 13/05/2019

Odemira exige medidas para
novas instalações agrícolas

Odemira exige medidas para novas instalações agrícolas

A Assembleia Municipal de Odemira exige ao Governo que sejam tomadas medidas preventivas imediatas "quanto a novos investimentos em instalações agrícolas no território" até que seja produzida decisão definitiva sobre as propostas apresentadas pelo Grupo de Trabalho do Mira para o sector. A exigência surge na moção apresentada pelo PS e aprovada na Assembleia Municipal de Odemira no passado dia 30 de Abril, com os votos favoráveis das bancadas do PSD, CDU e Bloco de Esquerda e a abstenção do PSD.
De acordo com a moção, esta tomada de posição nasce da "necessidade imediata de acção por parte das autoridades competentes no que diz respeito aos actuais constrangimentos gerados pelos investimentos agrícolas dentro do Perímetro de Rega do Mira (PRM)", a necessidade de compatibilização deste "com o plano de ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNASACV)" e "o forte impacto do fenómeno migratório nos aglomerados urbanos do litoral do concelho e a consequente perturbação causada nos serviços públicos ao nível de vários sectores como a saúde, finanças, tribunal, segurança social e forças de segurança".
Segundo os socialistas, desde 2016 que um grupo informal de iniciativa da Câmara Municipal tem vindo a trabalhar sobre a questão da intensificação da actividade agrícola no concelho, tendo a Inspecção-Geral da Agricultura, do Mar e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) recomendado, já em 2018, aos ministros do Ambiente e da Agricultura "a urgente conclusão dos trabalhos já iniciados".
Para a IGAMAOT, era importante "encontrar soluções de compromisso transversais, no sentido deste território conseguir um desenvolvimento económico e social equilibrado, sustentável e inclusivo, havendo, assim, que promover a compatibilização dos diferentes interesses em presença, nomeadamente da actividade agrícola de regadio, e outras actividades económicas, com a protecção dos valores ambientais".
Neste contexto, afirma a moção, "passou a ser urgente a formalização do Grupo de Trabalho, alargado a outras entidades, para responder às questões e problemas emergentes" na área do PRM inserido no PNSACV e no Sítio de Importância Comunitária e Zona de Protecção Especial da Costa Sudoeste.
O Grupo de Trabalho do Mira, sob coordenação da CCDR do Alentejo, acabou por ser criado em Agosto de 2018, juntando diversas entidades públicas e privadas na discussão de uma solução que permitisse dar resposta a questões como os "alojamentos para trabalhadores agrícolas (permanentes e temporários) no contexto do território dos municípios de Aljezur e de Odemira" ou a "compatibilização dos valores naturais constantes do PNSACV e da Rede Natura 2000 com a actividade agrícola de regadio", ponderando "uma eventual revisão da delimitação do PRM e ou da área abrangida pelo PNSACV".
A clarificação "de definições, regras e conceitos, consubstanciados em proposta de regulamento que terá que conter a sistematização da totalidade da informação necessária para apoio à decisão" por parte dos principais organismos públicos, "no âmbito das suas competências no que respeita ao desenvolvimento da actividade agrícola no PRM", foi outra das matérias abordadas pelo Grupo de Trabalho do Mira.
A moção do PS lembra que cerca de cinco meses depois, a oito de Novembro de 2018, a Câmara de Odemira aprovou, por unanimidade, uma tomada de posição "com um conjunto de propostas a serem desencadeadas pelas autoridades competentes". E que no dia 12 desse mês a CCDR do Alentejo deu como concluídos os trabalhos do Grupo do Mira, "tendo sido produzido relatório de conclusões e propostas, remetido superiormente".
"Do relatório, consta o quadro geral actual, preocupações de todas as partes e propostas, tendo em conta a sensibilidade do território (PNSACV, Rede Natura, REN, rio Mira e orla costeira), outras actividades económicas na região e a sua apetência agrícola (PRM e RAN)", acrescenta a moção, sustentando que já em Janeiro de 2019 houve uma tomada de posição conjunta sobre o assunto por parte dos partidos com assento na Assembleia Municipal de Odemira e que, em Março, o primeiro-ministro, António Costa, garantiu, na Assembleia da República, que até final desse mês "seriam tomadas decisões quanto as acções a desencadear no seio do que foi proposto no Grupo de Trabalho do Mira".
É neste contexto, "e tendo em conta a ausência de quaisquer decisões por parte do Governo referentes a esta matéria", que os eleitos do PS na Assembleia Municipal propuseram, através da moção aprovada, que sejam tomadas, por parte do Governo, "medidas preventivas imediatas quanto a novos investimentos em instalações agrícolas no território, até que seja produzida decisão definitiva". É ainda pedido que "seja tomada uma decisão quanto a acções a desencadear com base no que foi proposto no Grupo de Trabalho do Mira num prazo não superior a 30 dias".


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quinta, 18/07/2019
FACECO 2019 apoia
pescadores da Azenha
A FACECO terá um cariz solidário em 2019, uma vez que metade do valor resultante da venda de entradas reverterá para a campanha solidária que está a decorrer em favor dos pescadores da Azenha do Mar afectados pelo incêndio de 6 de Maio.
07h00 - segunda, 15/07/2019
Balcão Único de Odemira
assinala nove anos de existência
O Balcão Único (BU) da Câmara de Odemira assinalou, na passada sexta-feira, 12 de Julho, nove anos de existência, sendo que actualmente conta com uma média de 10 mil atendimentos a munícipes por ano.
07h00 - segunda, 15/07/2019
Um derrame hoje?
"Consequências seriam
maiores", diz ARH
O director da Administração Regional Hidrográfica (ARH) do Alentejo, ligada à Agência Portuguesa do Ambiente (APA), admite que um acidente como o ocorrido, em 1989, com o petroleiro "Marão" nos dias de hoje teria consequências económicas e ambientais bem maiores na zona do Alentejo Litoral.
07h00 - sexta, 12/07/2019
Jogadora de Milfontes
nas campeãs da Europa
A concretização de um sonho: é desta forma que a futebolista Jéssica Silva, natural de Vila Nova de Milfontes, descreve a sua transferência dos espanhóis do Levante para os franceses do Olympique Lyon, actuais campeões da Europa de futebol feminino.
07h00 - sexta, 12/07/2019
E se houvesse novo derrame
de crude na costa de Odemira?
Na madrugada de 19 de Julho de 1989 a praia do Almograve e algumas zonas a norte e a sul do areal "tingiram-se" de negro.

Data: 05/07/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial