16h08 - quarta, 23/03/2016

Tabernas, tascas, vendas e botequins


António Martins Quaresma
Nada foge à acção do tempo. As palavras também. Evoluem na forma, carregam-se de novos sentidos, mudam de residência, morrem, enfim possuem história. Sem ir muito longe, em busca da etimologia, vejamos algumas palavras e sua história mais recente, exemplificadas no Litoral Alentejano.
"Taberna", ou "taverna" como consta no conhecido dicionário de Morais e Silva (ed. de 1813), é, segundo este autor, "casa onde se vende por miúdo o vinho, azeite e alguma cousa de comer". Quanto a "venda", surge com o mesmo significado. Já "tasca" e "botequim" não estão contemplados no dicionário, mas aparecem palavras como "tasquinhar", forma popular de "comer", e "botica" enquanto "loge onde está a fazenda a vender", "casa de jogo" ou "casa onde se vendem remedios e drogas medicináes".
Taberna e venda acabaram por ganhar sobretudo o sentido de estabelecimento onde se vendia vinho a retalho e onde ele era consumido. Nela se podia também comer, geralmente sob a forma de petisco. Tasca ou tasco e botequim e sua variante botequinho, designações, reconheça-se, sem grande tradição por estes lados, também assumiram a função de estabelecimento onde se vendia comida e vinho. Em qualquer dos casos, eram lugares socialmente modestos, frequentados pelas classes populares, e, como é corrente, assumiram um sentido frequentemente depreciativo.
A taberna passou a andar associada à ideia de consumo desregrado de álcool e até ao alcoolismo, onde uma clientela masculina perdia o seu tempo, portanto ligada à ideia de lugar pouco recomendável, de embriaguez e frequentemente de desordens. O aparecimento dos cafés, dos clubes e das sociedades, onde a convivência social era mais distinta, sublinhou esse estigma das tabernas.
Hoje, face às mudanças da vida, as velhas tabernas/vendas, as tascas e outros estabelecimentos congéneres praticamente extinguiram-se. No entanto, ressurgiram as designações, agora aplicadas a restaurantes, muitas vezes de referência, frequentados por quem tem dinheiro. No Litoral Alentejano, o restaurante de maior nomeada ostenta a designação de "tasca" e ocorrem algumas "tabernas" que muito pouco têm a ver com a antiga realidade por elas designada.
A conotação vexatória desvaneceu-se, erodida pelo tempo, e os nomes foram recuperados num ambiente em que os conceitos de tipicismo e de tradição se associam a genuinidade, face à insípida padronização dos espaços e das ementas, que caracteriza boa parte da oferta gastronómica das áreas turísticas. Em boa medida, as antigas designações servem agora realidades diferentes, emprestando-lhe um capital simbólico que lhes confere uma imagem social tida como positiva.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 23/05/2018
Secretária de Estado inaugura
novas extensões de Saúde
A secretária de Estado da Saúde, Rosa Valente de Matos, inagura nesta quarta-feira, 23, as novas extensões de Saúde das localidades de Torrão (no concelho de Alcácer do Sal) e de Alvalade-Sado (Santiago do Cacém).
07h00 - quarta, 23/05/2018
Alcácer do Sal cria
rede de bibliotecas
Criar uma estrutura de cooperação com todas as bibliotecas do concelho de Alcácer de Sal é o principal objectivo do protocolo assinado esta terça-feira, 22, que oficializou a Rede de Bibliotecas de Alcácer do Sal (RBSal).
07h00 - quarta, 23/05/2018
Câmara de Santiago
estabiliza talude
A Câmara de Santiago do Cacém está a proceder a trabalhos de estabilização do talude situado na rua Professor Egas Moniz, na sede de concelho, num investimento avaliado em 10 mil euros.
07h00 - terça, 22/05/2018
Odemira: PS e Bloco contestam
prospecção de petróleo no Sudoeste
As concelhias de Odemira do Partido Socialista e do Bloco de Esquerda manifestaram-se publicamente contra a decisão da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que na passada semana permitiu o avanço do projecto do consórcio GALP/ ENI para a prospecção de petróleo na costa alentejana sem estudo de impacte ambiental.
07h00 - terça, 22/05/2018
Pequenos "chefs" no
concelho de Odemira
Quem tem filhos e netos cedo se acostuma a lidar com a "falta de apetite" dos mais novos para frutas, legumes e sopa.

Data: 11/05/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial