18h07 - quinta, 29/09/2016

O que uns escondem e outros ignoram!


Cláudia Silva
Nos últimos anos temos assistido a um crescimento do número de equipamentos sociais para idosos, quer no setor público, quer privado. Nas novas construções, à primeira vista é notória uma preocupação com os acabamentos, com a estética e o conforto. Num olhar mais profundo nota-se um investimento na privacidade e tentativa de promoção da autonomia dos idosos, nomeadamente, através da construção de quartos de menores dimensões, incluindo individuais, e casas de banho adaptadas. Contudo, os conceitos de mobilidade, autonomia, qualidade de vida e felicidade parecem ainda pouco presentes no dia-a-dia de alguns lares.
A partir do momento que o idoso vai para uma instituição porque, de alguma forma, já não lhe é possível permanecer no seu domicílio, seja por uma questão física ou cognitiva, aquele espaço passará a ser a sua casa. Como em todas as casas, existem regras próprias que devem ser respeitadas em prol da convivência em grupo. Contudo, o que se verifica na prática é que os cuidados são centrados na cultura organizacional e nos funcionários, em detrimento das pessoas e dos cuidados individualizados.
Mudemos de perspectiva: como se sentiriam a ser acordados todos os dias às sete da manhã para tomar banho? Ou a permanecer numa sala de convívio, não organizada por tipologias, em frente a uma televisão com um qualquer programa da tarde? Terão os idosos todos as mesmas necessidades, de forma a que sejam projectados espaços de lazer despersonalizados e actividades em massa? Por necessidades não se entende só as necessidades fisiológicas, pois a pessoa quando vai para o lar deveria poder aspirar mais do que apenas a satisfação das necessidades de higiene e alimentação! Refiro-me às necessidades de segurança, sociais, de status-estima e auto-realização!
Ainda temos um longo caminho a percorrer se queremos proporcionar qualidade de vida aos nossos idosos. É urgente que as entidades competentes não ignorem esta realidade e repensem a forma como é projectado o apoio social aos idosos e que envolvam as ordens profissionais no seu planeamento. O POSSÍVEL É O FUTURO DO IMPOSSÍVEL!



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quinta, 27/04/2017
GNR fiscaliza caravanistas
e campistas no Alentejo Litoral
A GNR elaborou um total de 19 autos de contra-ordenação pela prática de campismo ou caravanismo irregular e por pernoita em local não autorizado durante uma operação no Alentejo Litoral.
07h00 - quinta, 27/04/2017
Fábio Costa e José Sousa
vencem Troféu José Poeira
Os jovens Fábio Costa e José Sousa estiveram em grande plano no último fim-de-semana, vencendo as duas corridas do Troféu José Poeira 2017, que decorreu no concelho de Odemira e contou para a Taça de Portugal de Juniores em ciclismo.
07h00 - quinta, 27/04/2017
Cavaleiro vence
Taça da Amizade
A equipa do CDC Cavaleiro, do concelho de Odemira, foi a grande vencedora da Taça da Amizade na época 2016-2017, organizada pela Delegação de Beja da Fundação Inatel.
07h00 - quarta, 26/04/2017
Odemira fortalece
dinâmica económica
O objectivo é ver nascer empresas mais depressa e facilitar a afirmação de ideias inovadoras com projectos "strat up" no concelho de Odemira.
07h00 - quarta, 26/04/2017
Bombeiros de Milfontes com contas positivas
A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Milfontes fechou o exercício de 2016 com um resultado líquido positivo de 34400,17 euros positivo, o que contrasta com o resultado negativo de 7897,27 euros registado em 2015.

Data: 21/04/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial