09h45 - quinta, 22/12/2016

O Natal


António Martins Quaresma
Ao aproximar-se o 25 de Dezembro, a minha neta Joana escreveu uma carta ao Pai Natal, com residência conhecida na Lapónia. Vai entregá-la ao cuidado da estação dos CTT, de Milfontes, que se responsabilizou, prometeram-lhe, por fazê-la chegar ao destinatário.
Como é sabido o Pai Natal é uma figura lendária, que, por altura do Natal, traz presentes às crianças, especialmente àquelas que se portam bem. É bem conhecida a sua figura rotunda, de longa barba branca, de casacão e barrete vermelhos, muitas vezes representada num trenó puxado por renas. Como também é comumente conhecido, o Pai Natal, inspirado na lenda de São Nicolau, é uma tradição natalícia originária da Europa do Norte, de onde passou aos Estados Unidos da América e a outros países. O próprio casacão vermelho é uma invenção de marcas americanas de água mineral e de refrigerantes.
O avô da Joana ainda conheceu o tempo em que o Natal era sobretudo figurado pelo presépio, um cenário representativo do nascimento de Cristo. Era uma tradição medieval difundida na Europa, que se inculcou nos hábitos de muitas famílias portuguesas. Tinha o estábulo, a Sagrada Família, os Reis Magos, a estrela, os pastores, bem como outras figuras, mais ou menos anacrónicas, que a imaginação popular agregou à paisagem.
O próprio pai da Joana, embora o Pai Natal já tivesse entrado no hábito dos portugueses, também conheceu o presépio, que aliás, juntamente com o tio da Joana, durante anos ajudou a confeccionar. Era a altura em que se ia ao "Bosque" buscar musgo e azevinho, para o efeito. As peças do presépio, em cerâmica colorida, tinham sido compradas de propósito e serviram Dezembro após Dezembro.
Nos tempos que correm, o Pai Natal (e a Árvore de Natal) afirmou-se de forma patente. Ainda continuam a fazer-se presépios, mas, dir-se-ia, institucionalmente, pois enquanto tradição familiar praticamente extinguiu-se. No mundo global em que vivemos, a cultura dominante – anglo-saxónica, mercantilizada e imbuída da "lei" do espectáculo – impõe-se avassaladoramente, sobretudo em sociedades de pouco "músculo" cultural, como a nossa. Sob a pressão dos órgão de comunicação, em especial da televisão, e da escola, que interpretam e assumem, reverentes, os pacotes "culturais" recebidos sobretudo através dos media internacionais, em poucos anos os portugueses mudaram os seus costumes.
A hegemonia cultural – alguém já falou em "imperialismo cultural" –, sempre unidirecional, é uma forma de domínio, embora, no plano que estamos a observar, uma forma "benigna", consentida e mesmo desejada. Não é de espantar a importação de elementos culturais estranhos, pois isso sempre aconteceu; ela é, afinal, vulgar, resulte ou não da submissão de uma cultura por outra, e, ademais, é natural que uma cultura não fique imóvel no tempo, como que "fechada numa redoma".
Neste quadro percebe-se que as crianças deste País escrevam ao Pai Natal, cujo exótico imaginário de neve, trenós e renas contém apelativos elementos de um mundo de fantasia. Porém, sobretudo na escola, o fomento acrítico de "pais-natal", "halloweenes" e "sanvalentins" afigura-se contraditório com a sua missão de fomentar a capacidade de entendimento do mundo.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 25/09/2018
"Sonoridades & Sabores"
regressa em Novembro
O roteiro "Sonoridades & Sabores" regressa ao interior do concelho de Odemira no próximo mês de Novembro, no sentido de valorizar e promover as tradições do cante ao despique e baldão e da viola campaniça ao longo de tardes culturais com muita música e petiscos.
07h00 - terça, 25/09/2018
"Street art" na zona
desportiva de Grândola
O artista STYLER (nome artístico de João Cavalheiro) está a realizar um grafitti na fachada sul do Complexo Desportivo Municipal José Afonso, em Grândola, no âmbito da quinta edição do "Arte na Rua".
07h00 - terça, 25/09/2018
Rácio para pessoal auxiliar
em Odemira é insuficiente
O novo ano escolar no concelho de Odemira começou com todos os agrupamentos a cumprirem o rácio legal em matéria de pessoal auxiliar, mas este acaba por ser insuficiente para as necessidades do território, reconhece a vereadora da Educação na Câmara Municipal local.
07h00 - segunda, 24/09/2018
CM Grândola também rejeita
transferência de competências
A maioria CDU na Câmara e Assembleia Municipal de Grândola aprovaram não aceitar a transferência de competências da administração central para a autarquia no próximo ano de 2019.
21h34 - domingo, 23/09/2018
Odemirense e Milfontes
entram a perder na época
Odemirense e Praia de Milfontes entraram de "pé esquerdo" na Taça de Honra da 1ª divisão distrital de Beja, ao perderem os seus jogos na ronda inaugural da nova prova do calendário de 2018-2019.

Data: 21/09/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial