17h32 - quinta, 12/01/2017

A propósito do Brexit, ou da União, ou não...


Hélder Guerreiro
"...É muito comum ouvir dizer que a impaciência é contra-revolucionária. talvez seja, talvez, mas eu inclino-me a pensar que, pelo contrário, muitas revoluções se perderam por demasiada paciência..."
José Saramago, em Uma espécie de ensaio sobre a esperança

Depois daquilo a que ousamos chamar de "Brexit", saída do Reino Unida da União Europeia, li um artigo do Vítor Bento que o define desta forma: "Iluminado o caminho e eliminado o papão que guarda a porta, à medida que o processo do Brexit vá transformando os monstros ideados em riscos concretos, o problema passará do campo da imaginação para o campo da razão..."
Este é, na minha perspetiva, o centro da questão: a porta de saída da União Económica e Política está aberta! Este facto fará, agora e para sempre, parte de todos os debates futuros sobre o futuro da União. Relevante questão...
Algum tempo depois veio o artigo do nosso Jorge Sampaio. Há ainda um editorial do David Dinis, um texto do Manuel Alegre, um artigo de resposta a todos os anteriores do Manuel Maria Carrilho e, finalmente, um texto de Ana Catarina Mendes.
Todos convergem na incapacidade da União Económica e Política em dar respostas adequadas às duas questões atuais: Uma crise financeira global; e a uma crise humanitária "regional". Alguns apontam diferentes pistas de soluções mas procuram, quase todos, colocar o dedo nas diferentes feridas.
Ainda que todos me tenham inspirado para o que escrevo de seguida, quero realçar três deles: O do Vítor Bento porque foi o "primeiro" e que enquadra muito bem a "nova" Europa no contexto global; O de Manuel Maria Carrilho, pela negativa, pois tem a presunção de trazer algo de inequivocamente novo mas sinto que, apesar de merecer uma leitura atenta e de ter pontos de enorme relevo, é pouco mais do que um autoelogio desnecessário; e o de Ana Catarina Mendes por centrar o problema na questão humanitária e por falar de esperança num futuro em que António Guterres se constitui como portador de um novo fôlego para o tão necessário multilateralismo.
Faltou, a todos, abordar como se comportará a União quando os atores do tabuleiro global estiverem a praticar (neste momento já estão a ensaiar) reequilíbrios de forças (económicas e militares) a nível global. Falo, naturalmente, das relações entre os blocos Estados Unidos da América, Rússia e China. Iremos falar muito deste assunto (unilateralismo) num futuro próximo.
Neste momento procuro respostas para qual pode ser a narrativa que, no século XXI, seja capaz de mobilizar os Europeus e, por conseguinte, a União Económica e Política no momento em que descobrimos que, na prática, nos podemos desintegrar!? Como é que construímos uma Europa de parceria e solidariedade entre Europeus e o resto do mundo? Como é que construímos o sonho de uma Europa entre iguais! Como é que mantemos a utopia europeia de Vítor Hugo do século XIX?
A resposta simples é afirmando o modelo social europeu em oposição aos modelos mais ou menos totalitários que acenam com as bandeiras da segurança interna e do patriotismo assente numa certa ideia de soberania que no fundo já não existe. Não sendo fácil, essa afirmação, julgo eu que, deve ser, nos mesmos domínios de necessidades das pessoas: Garantir que a segurança das pessoas e bens se faz melhor num sistema democrático; e que o crescimento económico e bem estar se faz, da melhor forma, com a participação de cada um e de cada uma no sucesso do global.
Na verdade a resposta é incrementar o sentimento de pertença europeu com base no fortalecimento do projeto democrático europeu, mesmo internamente, a partir das duas questões centrais (crise financeira e crise humanitária), abrindo espaço para o surgimento de novas instituições europeias representativas.
Aprofundar a democratização da União Económica e Politicas deve passar por duas opções distintas mas com o mesmo objetivo: por um lado considerar que as eleições para o parlamento europeu devem passar a constituir-se, também e da mesma forma proporcional, como o ato de constituição de uma câmara baixa (executiva) que funcione como um governo europeu; Por outro lado, atendendo a que nem todos os países estão na União Monetária (e isso pode ser importante), essa câmara baixa poderia ser constituída a partir dos parlamentos nacionais dessa União Monetária de acordo com o resultado proporcional, por pais e pelas diferentes representações partidárias.
Em qualquer dos casos, esse governo europeu, seria democraticamente eleito, o que faz toda a diferença, responderia perante o Parlamento Europeu e seria responsável por três da politicas fundamentais da União:
Política económica e fiscal comuns, que tenha como principal função harmonizar todos os 27 (ou 18) sistemas de impostos e de benefícios fiscais da união, bem como trabalhar o colocar em comum, totalmente ou parcialmente, as dividas soberanas de todos os países;
Política de Segurança Interna que permita uma continuada liberdade de circulação de pessoas, bens e capitais assente num sentimento de segurança que proviria de uma verdadeira articulação (comando, informação e ação) entre todas as forças de segurança da União;
Política Externa Única que seja capaz de agregar as diferentes pulsões e naturezas (continental versos atlântica) dos estados da União Económica e Política e construir uma verdadeira natureza europeia que seja capaz de defender o seu modelo social frente a todas as dificuldades sejam elas ambientais, humanitárias, económicas ou militares.
Em conclusão e para dar resposta às duas questões base, a democracia e a liberdade, não podem deixar o "terreno livre" para a demagogia, esperando que o bom senso prevaleça. Em tempos de incerteza e medo o bom senso não prevalece! As soluções coerentes, moderadas e equilibradas devem ser defendidas e promovidas com a mesma energia e as mesmas armas das propostas demagógicas!
A União e a Democracia são projetos verdadeiramente radicais que obrigam, mesmo, à sua permanente defesa e à permanente confrontação consigo próprios enquanto projetos livres!
E, sendo a União e a Democracia desafios maiores, obrigam a líderes com coragem política porque, o mais fácil... mesmo o mais fácil..., é sair porta fora!

"A Europa política é a ultima utopia, a única aventura política de monta...A hostilidade que criará o seu fracasso só terá paralelo com as esperanças... que nela foram depositados após 1945."
Dominique Wolton, em A última utopia – O nascimento da Europa Democrática



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quinta, 21/06/2018
Noites de música
na vila de Odemira
Do cante alentejano ao jazz, da world music à música clássica e à poesia, são vários os estilos (e os artistas) que vão passar pelo palco do Quintal da Música, em Odemira, nas noites de Verão.
07h00 - quinta, 21/06/2018
PSD "indignado" com
fecho da CGD em Colos
O PSD de Odemira garante estar "indignado" com o provável encerramento do balcão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Colos, considerando ser "uma injustiça que o Governo e os partidos que o suportam permitam que isto aconteça".
07h00 - quinta, 21/06/2018
Título de atletismo para
Casa do Povo de S. Luís
A equipa de atletismo da Casa do Povo de São Luís garantiu no passado sábado, 16 de Junho, o título distrital por equipas no campeonato distrital de juniores no sector masculino.
07h00 - quarta, 20/06/2018
CDS-PP questiona
Câmara de Sines
Quatro deputados do CDS-PP enviaram um requerimento à Câmara de Sines, no qual questionam o executivo liderado por Nuno Mascarenhas sobre o futuro Centro de Recolha Oficial para Animais de Companhia.
07h00 - quarta, 20/06/2018
ANAFRE reuniu com
autarcas em Milfontes
O provável encerramento da agência da Caixa Geral de Depósitos em Colos, no concelho de Odemira, vai ser discutido na próxima reunião do conselho directivo da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), que se realiza na sexta-feira, 22.

Data: 08/06/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial