17h37 - quinta, 23/02/2017

Milfontes (im)providente


António Martins Quaresma
Há dias imaginei o meu neto António, que tem quatro anos, a ameaçar, ainda articulando mal os "r", que ia requerer uma "providência cautelar" para suspender a ordem materna de comer a sopa. Isto de "providências cautelares" está completamente divulgado e é uma questão de tempo até passar dos adultos para os nossos precoces putos. Hoje em dia, há-as para todos os gostos e feitios, requerem-se em diversas circunstâncias, por homens e mulheres, por doutores e analfabetos, e, brevemente, em todas as idades, desde a mais tenra à mais longeva.
É o resultado da popularização do discurso jurídico e da ideia vulgarizada da existência de um recurso expedito para fazer parar decisões das entidades que administram o território, e, de alguma forma, suspender qualquer resolução que atinja os interesses ou a sensibilidade do requerente. As obras do Pólis também, ao que se diz, suscitaram, a propósito e a despropósito, clamores em que, inevitavelmente, tem surgido a expressão "providência cautelar".
Não estranhei, por isso, quando os dirigentes do Polis ficaram paralisados, face à ameaça (de um único morador, é certo, mas de verbo poderoso), de que, no meio de chispas e ribombos, lançaria uma providência cautelar contra a demolição do murete, que, há algumas dezenas de anos, divide em duas a Barbacã. Murete que, recorde-se, foi construído cerca de 1960, por iniciativa de outro morador, procurando evitar a total ocupação da Barbacã pelos carros, cada vez em maior número. Transfigurava, é verdade, a lógica do espaço, desde sempre organizado em função do castelo, mas entende-se a preocupação.
O certo é que o Pólis tinha disposto devolver à Barbacã a sua antiga e natural integridade, mas, casuístico e flexível nas decisões, rapidamente tomou, creio que em ambiente de solidariedade corporativa, providência para evitar a providência. Apesar de os tempos agora serem outros, o murete afinal vai ficar, de pedra e cal, alçado indevidamente à dignidade dos restantes muros da Barbacã e com direitos de cidade, isto é, de pólis.
Curiosamente, embora se tivesse prestado a muito maior número de críticas, o passadiço entre o Cais e as escadas da Barbacã, na margem do rio, não foi alvo, que eu saiba, de qualquer ameaça de providência cautelar, muito menos da própria providência. No passadiço, cujo critério desprezou a discrição, que muitos achavam o único apropriado, optou-se por uma implantação e uma construção impositivas, mas os protestos, conquanto mais numerosos, têm sido inconsequentes.
Como se vê, as providências nem sempre são providentes, e a falta de providências nem sempre providenciais.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - domingo, 20/08/2017
CM Sines conclui obras
no bairro 1º de Maio
Estão concluídas as obras da primeira fase da reabilitação do espaço público do Bairro 1º de Maio, na cidade de Sines, promovidas pela autarquia local e avaliadas em cerca de 158 mil euros.
00h00 - domingo, 20/08/2017
Aldeia do Pico vai ter
Centro Comunitário
A Aldeia do Pico, no concelho de Grândola, vai ter um novo Centro Comunitário, obra da Câmara Municipal da "vila morena" que está avaliada em cerca de 270 mil euros.
00h00 - sábado, 19/08/2017
STAL assina ACEEP
com CM Santiago do Cacém
A Câmara de Santiago do Cacém e o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) assinaram na passada semana a alteração ao Acordo Colectivo de Entidade Empregadora Pública (ACEEP).
00h00 - sábado, 19/08/2017
Aldeia da Comporta
vai ter nova ETAR
Já foi publicado em Diário da República o concurso público da empreitada de concepção e construção da nova Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Comporta, o concelho de Alcácer do Sal.
00h00 - sábado, 19/08/2017
Arte urbana para
ver em Grândola
O filantropo António Inácio da Cruz, falecido em 1955, foi homenageado pela Câmara de Grândola através de uma obra de arte urbana concebida pelo conceituado Samina.

Data: 11/08/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial