12h35 - quinta, 15/06/2017

Um turismo
que vale a pena


Carlos Pinto
Os últimos meses têm trazido boas notícias para Portugal. Todos nos lembramos dos recentes triunfos conquistados nas áreas desportiva ou cultural/musical, mas bem mais importantes são os resultados alcançados pelo país no plano político-económico. E aí as razões para sorrirmos são mais que muitas: a economia nacional cresce como há muito não crescia, o PIB regista números inesperados, o desemprego anda pelo nível mais baixo da última década e até a Comissão Europeia já aprovou a saída de Portugal do procedimento por défice excessivo.
Ora a recuperação económica de Portugal está alicerçada, sobretudo, em dois pilares. Por um lado a política de recuperação de rendimentos seguida desde 2015, que permite aos portugueses terem mais confiança no consumo. E por outro lado deve-se, em grande medida, ao crescimento (sobretudo no plano externo) de alguns sectores, com o turismo no topo da lista. E é precisamente neste quadro que devemos olhar com muita atenção – e orgulho – para o que tem também acontecido nos últimos tempos no concelho de Odemira (e em todo o Alentejo Litoral).
Hoje em dia já não chegam apenas à região turistas à procura de sol e mar (apesar de este ser ainda um dos seus atractivos). É por isso já comum vermos visitantes portugueses e estrangeiros por cá noutras alturas do ano, seja em caminhadas ao longo da costa – sobretudo através da Rota Vicentina –, a fazer passeios de burro ou cavalo, a andar de BTT ou a praticar actividades aquáticas (com a canoagem à cabeça). Ou, muito simplesmente, a descansar do stress quotidiano numa das muitas unidades de turismo rural que, entretanto, foram surgindo enquanto usufruem da beleza natural e da gastronomia da região.
Este é, diga-se desde já, um turismo que vale a pena! Porque dinamiza a actividade económica local e acaba com a sazonalidade. Um turismo que cria riqueza e postos de trabalho sem as indesejadas enchentes de Verão, que transformam essa época do ano num autêntico pesadelo para residentes e não só. Estão, portanto, de parabéns todos os agentes do sector, de empresários a autarcas e promotores, que fizeram do Alentejo Litoral um caso exemplar!



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 25/09/2018
"Sonoridades & Sabores"
regressa em Novembro
O roteiro "Sonoridades & Sabores" regressa ao interior do concelho de Odemira no próximo mês de Novembro, no sentido de valorizar e promover as tradições do cante ao despique e baldão e da viola campaniça ao longo de tardes culturais com muita música e petiscos.
07h00 - terça, 25/09/2018
"Street art" na zona
desportiva de Grândola
O artista STYLER (nome artístico de João Cavalheiro) está a realizar um grafitti na fachada sul do Complexo Desportivo Municipal José Afonso, em Grândola, no âmbito da quinta edição do "Arte na Rua".
07h00 - terça, 25/09/2018
Rácio para pessoal auxiliar
em Odemira é insuficiente
O novo ano escolar no concelho de Odemira começou com todos os agrupamentos a cumprirem o rácio legal em matéria de pessoal auxiliar, mas este acaba por ser insuficiente para as necessidades do território, reconhece a vereadora da Educação na Câmara Municipal local.
07h00 - segunda, 24/09/2018
CM Grândola também rejeita
transferência de competências
A maioria CDU na Câmara e Assembleia Municipal de Grândola aprovaram não aceitar a transferência de competências da administração central para a autarquia no próximo ano de 2019.
21h34 - domingo, 23/09/2018
Odemirense e Milfontes
entram a perder na época
Odemirense e Praia de Milfontes entraram de "pé esquerdo" na Taça de Honra da 1ª divisão distrital de Beja, ao perderem os seus jogos na ronda inaugural da nova prova do calendário de 2018-2019.

Data: 21/09/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial