12h35 - quinta, 15/06/2017

Um turismo
que vale a pena


Carlos Pinto
Os últimos meses têm trazido boas notícias para Portugal. Todos nos lembramos dos recentes triunfos conquistados nas áreas desportiva ou cultural/musical, mas bem mais importantes são os resultados alcançados pelo país no plano político-económico. E aí as razões para sorrirmos são mais que muitas: a economia nacional cresce como há muito não crescia, o PIB regista números inesperados, o desemprego anda pelo nível mais baixo da última década e até a Comissão Europeia já aprovou a saída de Portugal do procedimento por défice excessivo.
Ora a recuperação económica de Portugal está alicerçada, sobretudo, em dois pilares. Por um lado a política de recuperação de rendimentos seguida desde 2015, que permite aos portugueses terem mais confiança no consumo. E por outro lado deve-se, em grande medida, ao crescimento (sobretudo no plano externo) de alguns sectores, com o turismo no topo da lista. E é precisamente neste quadro que devemos olhar com muita atenção – e orgulho – para o que tem também acontecido nos últimos tempos no concelho de Odemira (e em todo o Alentejo Litoral).
Hoje em dia já não chegam apenas à região turistas à procura de sol e mar (apesar de este ser ainda um dos seus atractivos). É por isso já comum vermos visitantes portugueses e estrangeiros por cá noutras alturas do ano, seja em caminhadas ao longo da costa – sobretudo através da Rota Vicentina –, a fazer passeios de burro ou cavalo, a andar de BTT ou a praticar actividades aquáticas (com a canoagem à cabeça). Ou, muito simplesmente, a descansar do stress quotidiano numa das muitas unidades de turismo rural que, entretanto, foram surgindo enquanto usufruem da beleza natural e da gastronomia da região.
Este é, diga-se desde já, um turismo que vale a pena! Porque dinamiza a actividade económica local e acaba com a sazonalidade. Um turismo que cria riqueza e postos de trabalho sem as indesejadas enchentes de Verão, que transformam essa época do ano num autêntico pesadelo para residentes e não só. Estão, portanto, de parabéns todos os agentes do sector, de empresários a autarcas e promotores, que fizeram do Alentejo Litoral um caso exemplar!



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 21/11/2017
Ambientalistas contra
petróleo no Sudoeste
Um total de 28 organizações e movimentos voltaram a reafirmar a sua oposição ao projecto do consórcio GALP/ ENI, que vis a prospecção e exploração de petróleo e gás no mar ao largo da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano.
07h00 - terça, 21/11/2017
Câmara de Sines
diminui taxa de IMI
A Assembleia Municipal de Sines aprovou a proposta da Câmara para a redução do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) a aplicar em 2018, com a taxa a passar dos actuais 0,36% para 0,355%.
07h00 - terça, 21/11/2017
Junta de Colos vai
apostar na proximidade
As pessoas vão estar no "centro da acção" da Junta de Freguesia de Colos no mandato que se prolonga até 2021, garante ao "SW" o reeleito presidente Manuel Penedo, 73 anos, que assume a prioridade de nos próximos quatro anos reforçar a "proximidade com as pessoas e com as associações" desta histórica freguesia do concelho de Odemira.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Obras avançam em
Boavista dos Pinheiros
Os próximos quatro anos em Boavista dos Pinheiros vão ser de muitas obras, adianta ao "SW" o reeleito presidente da Junta de Freguesia, Manuel Pereira, de 45 anos, que até 2021 pretende avançar com quatro grandes projectos para a freguesia.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Medronho "à mesa"
no concelho de Odemira
Borrego frito com molho de medronho, mel e hortelã, bife de vaca com café e medronho ou pudim de medronho são algumas das propostas ao longo desta semana em quatro restaurantes do concelho de Odemira.

Data: 17/11/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial