18h27 - quinta, 27/07/2017

Os que uns escondem e outros ignoram!


Cláudia Silva
Nos últimos anos temos assistido a um crescimento do número de equipamentos sociais para idosos, quer no sector público, quer privado. Nas novas construções, à primeira vista é notória uma preocupação com os acabamentos, com a estética e o conforto. Num olhar mais profundo nota-se um investimento na privacidade e tentativa de promoção da autonomia dos idosos, nomeadamente, através da construção de quartos de menores dimensões, incluindo individuais, e casas de banho adaptadas. Contudo, os conceitos de mobilidade, autonomia, qualidade de vida e felicidade parecem ainda pouco presentes no dia-a-dia de alguns lares.
A partir do momento que o idoso vai para uma instituição porque, de alguma forma, já não lhe é possível permanecer no seu domicílio, seja por uma questão física ou cognitiva, aquele espaço passará a ser a sua casa. Como em todas as casas, existem regras próprias que devem ser respeitadas em prol da convivência em grupo. Contudo, o que se verifica na prática é que os cuidados são centrados na cultura organizacional e nos funcionários, em detrimento das pessoas e dos cuidados individualizados.
Mudemos de perspectiva: como se sentiriam a ser acordados todos os dias às sete da manhã para tomar banho? Ou a permanecer numa sala de convívio, não organizada por tipologias, em frente a uma televisão com um qualquer programa da tarde? Terão os idosos todos as mesmas necessidades, de forma a que sejam projectados espaços de lazer despersonalizados e actividades em massa? Por necessidades não se entende só as necessidades fisiológicas, pois a pessoa quando vai para o lar deveria poder aspirar mais do que apenas a satisfação das necessidades de higiene e alimentação! Refiro-me às necessidades de segurança, sociais, de status-estima e auto-realização!
Ainda temos um longo caminho a percorrer se queremos proporcionar qualidade de vida aos nossos idosos. É urgente que as entidades competentes não ignorem esta realidade e repensem a forma como é projectado o apoio social aos idosos e que envolvam as ordens profissionais no seu planeamento. O POSSÍVEL É O FUTURO DO IMPOSSÍVEL!



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 22/10/2018
Grândola inaugura
nova Casa dos
Produtos Endógenos
Valorizar os produtos locais é o grande objectivo da nova Casa Mostra de Produtos Endógenos, espaço que a Câmara de Grândola inaugura nesta segunda-feira, 22 de Outubro (Dia do Município), pelas 11h30.
07h00 - segunda, 22/10/2018
Acidente mortal na estrada
entre Odemira e Milfontes
Um jovem de 27 anos faleceu neste domingo, 21 de Outubro, na sequência de uma colisão entre um veículo ligeiro e um pesado na Estrada Nacional 393, entre Odemira e Vila Nova de Milfontes.
07h00 - segunda, 22/10/2018
Odemira vai ter Gabinete de Apoio ao Cuidador
Permitir o atendimento e o acompanhamento psicológico e social dos cuidadores formais e informais do concelho de Odemira é a grande meta do projecto "Cui(Dar) +", da TAIPA-Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado do Concelho de Odemira.
07h00 - segunda, 22/10/2018
Arranca segunda
fase das obras
no bairro das Flores
A Câmara de Santiago do Cacém inicia nesta segunda-feira, 22 de Outubro, a segunda fase das obras de requalificação do bairro das Flores, em Vila Nova de Santo André, que devem prolongar-se por três meses.
10h00 - domingo, 21/10/2018
Marco Rodrigues
ao vivo em Grândola
O fadista Marco Rodrigues actua neste domingo, 21 de Outubro, em Grândola, num concerto integrado nas comemorações dos 474 anos do Dia do Concelho e que servirá para apresentar o disco "Copo Meio Cheio".

Data: 19/10/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial