18h29 - quinta, 27/07/2017

Castelo de Milfontes: que rumo?


António Martins Quaresma
Há dias estava a reler e a corrigir um velho texto meu sobre o castelo de Milfontes e lembrei o tempo em que conduzi algumas visitas no seu interior, onde costumava explicar a organização do espaço e a sua arquitectura e contar alguns episódios da história do edifício. Era ainda viva Dona Margarida, viúva de Dom Luís (assim lhe chamava toda a gente), proprietários, que haviam adquirido o castelo em 1939, nele, após as necessárias obras, passando a residir. Contei sempre com a sua amável autorização para essas visitas.
Após o falecimento de Dona Margarida, o imóvel passou para o actual proprietário, que lhe fez obras e o reabriu como unidade hoteleira. Poucos anos depois, porém, fechou e foi posto à venda, situação em que ainda se encontra. O seu elevado preço não deve ser alheio ao facto de ainda não ter sido vendido.
O castelo encontra-se numa "encruzilhada". Vai manter-se privado? Decidirá o Estado (no sentido lato da palavra) adquiri-lo? Estas, parece-me, as duas questões básicas.
Penso saber que a administração local considera importante assegurar a disponibilização e o usufruto públicos do edifício, consciente do seu valor em termos culturais, simbólicos e turísticos. É compreensível, contudo, que a prudência comande uma decisão, pois os dinheiros públicos devem ser bem geridos.
Se há imóvel em todo o concelho que merece investimento público esse é o castelo de Milfontes. Aliás, em termos culturais, não existe qualquer outro disponível com este atributo. Um edifício carregado de história, uma arquitectura especial (não obstante algumas "maldades" sofridas), uma posição única sobre o estuário do rio Mira, tudo lhe confere essa valia ímpar, nos planos simbólico, cultural e turístico.
Um edifício que, ademais, suporta uma componente comercial (por exemplo, restauração), como uma das formas de utilização e para sustentabilidade do seu funcionamento.
Na verdade, um programa bem desenhado possibilitaria uma oferta multifacetada e equilibrada, que numa área turística, como é esta, teria um impacto altamente positivo. Seria uma "janela" aberta sobre o Mira e a sua história – um rio que é a "coluna vertebral" do concelho de Odemira – e constituiria um enorme passo para dotar o concelho de um equipamento cultural de excelência.
O rumo a seguir é, portanto, unânime, entre autarcas, agentes culturais e decerto empresários turísticos. Resta esperar pela sua feliz concretização.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 21/01/2019
CM Alcácer rejeita
novas competências
A Câmara de Alcácer do Sal decidiu, no final da passada semana em reunião do executivo municipal, não aceitar a transferência de competências do Estado nos anos de 2019 e 2020.
07h00 - segunda, 21/01/2019
APC Odemira dinamiza
projecto "Abranger +"
Ceder temporariamente materiais de apoio a pessoas com incapacidade física é o grande objectivo do projecto "Abranger +", dinamizado pela Associação de Paralisia Cerebral de Odemira (APCO) no âmbito do seu Centro de Apoio à Inclusão (CAI).
17h47 - domingo, 20/01/2019
Domingo de derrotas para
equipas de Odemira
Este foi um domingo para esquecer para as equipas do concelho de Odemira que disputam o campeonato distrital da 1ª divisão da Associação de Futebol de Beja.
07h00 - domingo, 20/01/2019
Equipas de Odemira
em acção na 1ª divisão
A deslocação do Praia de Milfontes ao reduto do Penedo Gordo é um dos grandes destaques da 9ª jornada do campeonato distrital da 1ª divisão de Beja, agendada para as 15h00 deste domingo, 20 de Janeiro.
07h00 - sexta, 18/01/2019
Autarca de Odemira esperava mais
da transferência de competências
O presidente da Câmara de Odemira elogia a transferência de competências do Estado para os municípios, mas não deixa de criticar a forma como o processo foi concebido, admitindo mesmo que o actual figurino lhe "sabe a pouco".

Data: 18/01/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial