18h29 - quinta, 27/07/2017

Castelo de Milfontes: que rumo?


António Martins Quaresma
Há dias estava a reler e a corrigir um velho texto meu sobre o castelo de Milfontes e lembrei o tempo em que conduzi algumas visitas no seu interior, onde costumava explicar a organização do espaço e a sua arquitectura e contar alguns episódios da história do edifício. Era ainda viva Dona Margarida, viúva de Dom Luís (assim lhe chamava toda a gente), proprietários, que haviam adquirido o castelo em 1939, nele, após as necessárias obras, passando a residir. Contei sempre com a sua amável autorização para essas visitas.
Após o falecimento de Dona Margarida, o imóvel passou para o actual proprietário, que lhe fez obras e o reabriu como unidade hoteleira. Poucos anos depois, porém, fechou e foi posto à venda, situação em que ainda se encontra. O seu elevado preço não deve ser alheio ao facto de ainda não ter sido vendido.
O castelo encontra-se numa "encruzilhada". Vai manter-se privado? Decidirá o Estado (no sentido lato da palavra) adquiri-lo? Estas, parece-me, as duas questões básicas.
Penso saber que a administração local considera importante assegurar a disponibilização e o usufruto públicos do edifício, consciente do seu valor em termos culturais, simbólicos e turísticos. É compreensível, contudo, que a prudência comande uma decisão, pois os dinheiros públicos devem ser bem geridos.
Se há imóvel em todo o concelho que merece investimento público esse é o castelo de Milfontes. Aliás, em termos culturais, não existe qualquer outro disponível com este atributo. Um edifício carregado de história, uma arquitectura especial (não obstante algumas "maldades" sofridas), uma posição única sobre o estuário do rio Mira, tudo lhe confere essa valia ímpar, nos planos simbólico, cultural e turístico.
Um edifício que, ademais, suporta uma componente comercial (por exemplo, restauração), como uma das formas de utilização e para sustentabilidade do seu funcionamento.
Na verdade, um programa bem desenhado possibilitaria uma oferta multifacetada e equilibrada, que numa área turística, como é esta, teria um impacto altamente positivo. Seria uma "janela" aberta sobre o Mira e a sua história – um rio que é a "coluna vertebral" do concelho de Odemira – e constituiria um enorme passo para dotar o concelho de um equipamento cultural de excelência.
O rumo a seguir é, portanto, unânime, entre autarcas, agentes culturais e decerto empresários turísticos. Resta esperar pela sua feliz concretização.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 22/10/2018
Grândola inaugura
nova Casa dos
Produtos Endógenos
Valorizar os produtos locais é o grande objectivo da nova Casa Mostra de Produtos Endógenos, espaço que a Câmara de Grândola inaugura nesta segunda-feira, 22 de Outubro (Dia do Município), pelas 11h30.
07h00 - segunda, 22/10/2018
Acidente mortal na estrada
entre Odemira e Milfontes
Um jovem de 27 anos faleceu neste domingo, 21 de Outubro, na sequência de uma colisão entre um veículo ligeiro e um pesado na Estrada Nacional 393, entre Odemira e Vila Nova de Milfontes.
07h00 - segunda, 22/10/2018
Odemira vai ter Gabinete de Apoio ao Cuidador
Permitir o atendimento e o acompanhamento psicológico e social dos cuidadores formais e informais do concelho de Odemira é a grande meta do projecto "Cui(Dar) +", da TAIPA-Organização Cooperativa para o Desenvolvimento Integrado do Concelho de Odemira.
07h00 - segunda, 22/10/2018
Arranca segunda
fase das obras
no bairro das Flores
A Câmara de Santiago do Cacém inicia nesta segunda-feira, 22 de Outubro, a segunda fase das obras de requalificação do bairro das Flores, em Vila Nova de Santo André, que devem prolongar-se por três meses.
10h00 - domingo, 21/10/2018
Marco Rodrigues
ao vivo em Grândola
O fadista Marco Rodrigues actua neste domingo, 21 de Outubro, em Grândola, num concerto integrado nas comemorações dos 474 anos do Dia do Concelho e que servirá para apresentar o disco "Copo Meio Cheio".

Data: 19/10/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial