18h29 - quinta, 27/07/2017

Castelo de Milfontes: que rumo?


António Martins Quaresma
Há dias estava a reler e a corrigir um velho texto meu sobre o castelo de Milfontes e lembrei o tempo em que conduzi algumas visitas no seu interior, onde costumava explicar a organização do espaço e a sua arquitectura e contar alguns episódios da história do edifício. Era ainda viva Dona Margarida, viúva de Dom Luís (assim lhe chamava toda a gente), proprietários, que haviam adquirido o castelo em 1939, nele, após as necessárias obras, passando a residir. Contei sempre com a sua amável autorização para essas visitas.
Após o falecimento de Dona Margarida, o imóvel passou para o actual proprietário, que lhe fez obras e o reabriu como unidade hoteleira. Poucos anos depois, porém, fechou e foi posto à venda, situação em que ainda se encontra. O seu elevado preço não deve ser alheio ao facto de ainda não ter sido vendido.
O castelo encontra-se numa "encruzilhada". Vai manter-se privado? Decidirá o Estado (no sentido lato da palavra) adquiri-lo? Estas, parece-me, as duas questões básicas.
Penso saber que a administração local considera importante assegurar a disponibilização e o usufruto públicos do edifício, consciente do seu valor em termos culturais, simbólicos e turísticos. É compreensível, contudo, que a prudência comande uma decisão, pois os dinheiros públicos devem ser bem geridos.
Se há imóvel em todo o concelho que merece investimento público esse é o castelo de Milfontes. Aliás, em termos culturais, não existe qualquer outro disponível com este atributo. Um edifício carregado de história, uma arquitectura especial (não obstante algumas "maldades" sofridas), uma posição única sobre o estuário do rio Mira, tudo lhe confere essa valia ímpar, nos planos simbólico, cultural e turístico.
Um edifício que, ademais, suporta uma componente comercial (por exemplo, restauração), como uma das formas de utilização e para sustentabilidade do seu funcionamento.
Na verdade, um programa bem desenhado possibilitaria uma oferta multifacetada e equilibrada, que numa área turística, como é esta, teria um impacto altamente positivo. Seria uma "janela" aberta sobre o Mira e a sua história – um rio que é a "coluna vertebral" do concelho de Odemira – e constituiria um enorme passo para dotar o concelho de um equipamento cultural de excelência.
O rumo a seguir é, portanto, unânime, entre autarcas, agentes culturais e decerto empresários turísticos. Resta esperar pela sua feliz concretização.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quinta, 16/08/2018
Cinco detidos por
tráfico no Sudoeste 2018
A GNR deteve cinco pessoas, com idades entre os 16 e os 20 anos, por suspeitas da prática do crime de tráfico de estupefacientes durante a última edição do Festival Meo Sudoeste, que decorreu na Zambujeira do Mar entre 7 e 11 de Agosto.
07h00 - quinta, 16/08/2018
CM Grândola tem
novo autocarro
A Câmara de Grândola acaba de adquirir um novo autocarro de 42 lugares, equipado com plataforma eléctrica para pessoas com mobilidade reduzida, num investimento superior a 200 mil euros.
07h00 - quinta, 16/08/2018
Joana Luz apresenta
novo disco em Odemira
O Quintal da Música, em Odemira, recebe nesta quinta-feira, 16 de Agosto, um espectáculo da fadista Joana Luz, que irá aproveitar a ocaisão para apresentar o seu novo CD.
07h00 - terça, 14/08/2018
Tribunal trava furo
para petróleo na costa
Os trabalhos de prospecção de petróleo ao largo da costa alentejana pelo consórcio ENI/ GALP não vão avançar.
07h00 - terça, 14/08/2018
Bravewonder alarga
leque de produtos
A BRAVEWONDER continua a querer levar até aos seus clientes a melhor qualidade existente no mercado e, nesse sentido, acaba de alargar o seu portefólio de produtos.

Data: 03/08/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial