12h22 - quinta, 07/09/2017

Bom senso e sensibilidade


Carlos Pinto
A associação Zero está preocupada com o aumento da agricultura intensiva na área do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV). Tal como o "SW" lhe conta na página 7 desta edição, os ambientalistas estão preocupados com o que dizem ser a falta de controlo da actividade na região e até já questionaram o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas "sobre a execução de medidas e o cumprimento das normas ambientais previstas no Plano de Ordenamento" do Parque Natural. Em causa, acrescentam, está ainda o facto de a agricultura intensiva praticada na área do perímetro de rega do Mira, que é abastecido pela barragem de Santa Clara, se estender por 41 quilómetros e ocupar 15 mil hectares, fazendo do Sudoeste Alentejano (e do PNSACV) "um dos locais com maior intensidade agrícola do país".
Ora esta é uma questão que já não é nova no Alentejo Litoral, com duas visões bem vincadas. Por um lado, é por demais evidente que a região tem enormes potencialidades agrícolas, da fruticultura à horticultura e floricultura, que devem ser aproveitadas ao máximo, no sentido de ser criada mais riqueza e garantir o desenvolvimento económico local. Mas por outro lado, é inquestionável a necessidade de a agricultura não colocar em causa os valores naturais e ambientais de uma das regiões mais belas do mundo e que têm, igualmente, peso económico através do turismo de natureza e desportivo.
É por tudo isto que esta questão deve ser gerida com bom senso e sensibilidade por todas as partes envolvidas. Afinal de contas, num território tão vasto como o Alentejo Litoral há espaço para tudo e para todos. Assim se definam regras ainda mais concretas sobre o que se pode ou não fazer e como. E depois que haja quem as aplique com celeridade e eficiência. Se tudo isto acontecer, teremos seguramente um futuro mais rico sob todos os pontos de vista, do ambiental ao económico. E sobretudo, no plano social!



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 21/11/2017
Ambientalistas contra
petróleo no Sudoeste
Um total de 28 organizações e movimentos voltaram a reafirmar a sua oposição ao projecto do consórcio GALP/ ENI, que vis a prospecção e exploração de petróleo e gás no mar ao largo da Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano.
07h00 - terça, 21/11/2017
Câmara de Sines
diminui taxa de IMI
A Assembleia Municipal de Sines aprovou a proposta da Câmara para a redução do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) a aplicar em 2018, com a taxa a passar dos actuais 0,36% para 0,355%.
07h00 - terça, 21/11/2017
Junta de Colos vai
apostar na proximidade
As pessoas vão estar no "centro da acção" da Junta de Freguesia de Colos no mandato que se prolonga até 2021, garante ao "SW" o reeleito presidente Manuel Penedo, 73 anos, que assume a prioridade de nos próximos quatro anos reforçar a "proximidade com as pessoas e com as associações" desta histórica freguesia do concelho de Odemira.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Obras avançam em
Boavista dos Pinheiros
Os próximos quatro anos em Boavista dos Pinheiros vão ser de muitas obras, adianta ao "SW" o reeleito presidente da Junta de Freguesia, Manuel Pereira, de 45 anos, que até 2021 pretende avançar com quatro grandes projectos para a freguesia.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Medronho "à mesa"
no concelho de Odemira
Borrego frito com molho de medronho, mel e hortelã, bife de vaca com café e medronho ou pudim de medronho são algumas das propostas ao longo desta semana em quatro restaurantes do concelho de Odemira.

Data: 17/11/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial