12h23 - quinta, 05/10/2017

Povo é quem mais ordena


Carlos Pinto
Domingo, 1 de Outubro, foi dia de eleições Autárquicas. O povo foi chamado às urnas, para escolher os autarcas que queria ver à frente das câmaras e das juntas de freguesia das suas terras e decidiu. Há quem tenha celebrado, outros houve que encolheram os ombros de resignação. Mas a democracia é assim mesmo: enquanto uns cantam vitória, outros perdem. Mas no fim todos saímos a ganhar. Esta é a maior riqueza da democracia: é o povo quem mais ordena. E, invariavelmente, o povo escolhe sempre aqueles que considera serem, naquele momento, os melhores para liderar, os mais competentes, os mais capazes de empreender e os mais habilitados a construir. Assim sucedeu a 1 de Outubro de 2017.
Findo este período de campanha e maior combate político, a hora é de "arregaçar as mangas". E seja em Odemira, Sines, Santiago do Cacém, Grândola ou Alcácer do Sal, este é o momento dos autarcas reeleitos continuarem o trabalho desenvolvido nos seus concelhos, pugnando pelo desenvolvimento económico, pela coesão social e pela melhoria da qualidade de vida de todos os cidadãos desta região.
O mandato autárquico que se estende até 2021 será decisivo para o futuro do Alentejo Litoral, depois de nos últimos anos este território ter registado um crescimento impressionante em vários domínios, com o turismo e a agricultura à cabeça. Com isso veio também o crescimento da economia local e a quebra no desemprego. E este é um caminho que não pode ser agora alterado ou atravessado por atalhos mais sinuosos.
É certo que os desafios são mais que muitos e os escolhos serão imensos, mas a confiança depositada pelo povo através do voto deve servir de motivação a todos os reeleitos ou novos autarcas. A democracia assim o exige. E o Alentejo Litoral assim o merece.

Viva a cidadania!
A Câmara de Odemira já tem a decorrer a fase de votação da edição deste ano do "Orçamento Participativo". Mais uma vez a população do concelho é desafiada a pronunciar-se e a escolher os investimentos que ver concretizados na sua terra, num exercício de pura cidadania que deve continuar a ser estimulado… e que pode servir de exemplo noutras latitudes bem próximas.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sábado, 20/10/2018
Sociedade S. Teotoniense
apresenta nova peça
O Grupo de Teatro Sénior da Sociedade Recreativa São Teotoniense, de São Teotónio, apresenta neste sábado, 20 de Outubro, a peça "A galinha, a burra e a flor".
07h00 - sábado, 20/10/2018
Bombeiros de Odemira
comemoram 83 anos
Os Bombeiros Voluntários de Odemira celebraram nesta semana 83 anos de actividades, data assinalada na manhã deste sábado, 20 de Outubro, com uma série de iniciativas.
07h00 - sábado, 20/10/2018
Prémio do Conto
entregue em Santiago
A Biblioteca Municipal Manuel da Fonseca, em Santiago do Cacém, recebe neste sábado, 20 de Outubro, pelas 16h00, a cerimónia de entrega do XII Prémio Nacional de Conto "Manuel da Fonseca".
07h00 - sexta, 19/10/2018
Trabalho desde 2014 na integração de migrantes
Foi em 2014 que a Câmara de Odemira começou a trabalhar a problemática da chegada de muitos migrantes ao concelho, o que acabou por resultar na implementação, um ano depois, do "Odemira Integra".
07h00 - sexta, 19/10/2018
Odemira aposta na
integração de migrantes
Os números são elucidativos: no final do último ano 18,8% da população residente no concelho de Odemira era migrante legalizada, num total de 4912 habitantes de 68 nacionalidades (na maioria da Ásia), o que constitui 57,8% dos migrantes registados em todo o distrito de Beja.

Data: 19/10/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial