11h44 - quinta, 19/10/2017

Desafios e dúvidas


Carlos Pinto
Esta semana fecha-se o ciclo das Autárquicas 2017, que arrancou há muitos meses atrás com a escolha de candidatos, a elaboração de listas e a apresentação de programas eleitorais e que termina agora com a tomada de posse dos autarcas democraticamente eleitos pelas suas populações. Feita a festa pelos vencedores e analisados os resultados por todos, agora a hora é de trabalhar. E até 2021 são enormes os desafios que surgem no horizonte dos novos eleitos – seja em cada uma das freguesias ou concelhos, seja inclusive no plano regional –, no sentido de ir ao encontro dos anseios de cada um de nós.
É por isso que na linha da frente deve estar, parece-nos, o desenvolvimento económico e a coesão social. Mas a integração daqueles que chegam até nós vindos de outras latitudes e a dinamização dos territórios do interior devem ser igualmente prioridades essenciais na construção do futuro colectivo que todos ambicionamos.
O desafio é imenso e não é tarefa exclusiva de um homem só ou apenas dos que foram eleitos. Esta é uma empreitada em que todos podemos colaborar. E se assim for, certamente que dentro de quatro anos teremos uma região com um alto nível de sustentabilidade e melhor preparada para tirar partido de todas aquelas que são as suas potencialidades.

Ai a saúde…
A Saúde continua a ser um "calcanhar de Aquiles" no Alentejo Litoral. Aos problemas antigos relacionados com a falta de médicos e outros profissionais ou com a inadequação de muitos espaços médicos, surgem agora sérias dúvidas sobre a sustentabilidade da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) e a manutenção de valências médicas no Hospital do Litoral Alentejano. Um quadro dramático que já levou os autarcas a solicitarem à tutela uma reunião com carácter de urgência e motivou uma manifestação de utentes [ver notícia na página 3 – ao lado].
Ora neste caso não há espaço algum para "meias palavras": exige-se, sim, uma resposta imediata, cabal e concreta sobre todas estas questões às entidades competentes a nível regional e ao Ministério da Saúde. Porque nesta, como noutras situações, o Alentejo Litoral não pode continuar a ficar para trás.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 12/12/2018
Bombeiros de Odemira e Milfontes
garantem resposta às populações
Apesar do conflito existente entre os bombeiros e o Governo, as corporações de bombeiros do distrito de Beja, entre as quais a de Odemira e a de Vila Nova de Milfontes, garantem que vão manter "os mesmos níveis de prontidão e eficiência" para apoiar as populações.
07h00 - quarta, 12/12/2018
AM Grândola quer reunir
com ministra da Saúde
A Assembleia Municipal de Grândola solicitou, "com carácter de urgência", reuniões à ministra da Saúde e ao conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) para debater as "deficientes condições de funcionamento do serviço público de saúde no concelho" e do Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém.
07h00 - quarta, 12/12/2018
Cripta de Alcácer
com mais visitantes
A Cripta Arqueológica do castelo de Alcácer do Sal foi visitada por 8496 turistas entre Janeiro e Novembro de 2018, número que ultrapassa valores referentes a períodos homólogos anteriores desde a inauguração do espaço, em 2008.
07h00 - terça, 11/12/2018
Programa "365 Alentejo"
com candidaturas abertas
A Turismo do Alentejo, em parceria com a Agência Regional de Promoção Turística e o Turismo de Portugal, tem abertas até final do ano as candidaturas para a segunda edição do programa "365 Alentejo-Ribatejo", que visa a construção e promoção de um calendário anual de eventos "consistente e coerente".
07h00 - terça, 11/12/2018
CDS quer ambulância
SIV em Alcácer do Sal
O grupo parlamentar do CDS defende a colocação de uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) no concelho de Alcácer do Sal, por forma a melhorar a capacidade de resposta à população.

Data: 30/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial