09h38 - quinta, 14/12/2017

Em prol da História e do Património


António Martins Quaresma
O Centro Cultural Emmerico Nunes, de Sines, organiza anualmente, desde 2008, um Encontro de História do Alentejo Litoral, em que são apresentados e discutidos trabalhos de investigação sobre o território em causa, isto é, os concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém, Sines e Odemira. No interior do Centro, um grupo de trabalho, de quatro pessoas, trata, em cada ano, do necessário para a sua realização, desde a proposta de um tema, aos contactos com três ou quatro conferencistas convidados, que se juntam aos cerca de 15 comunicadores, até à organização final do programa e aos aspectos logísticos inerentes.
Uma das facetas dos Encontros é a total ausência de encargos para os participantes. Não só os autores das comunicações estão isentos de pagamento de inscrição, como o almoço, de convívio, do primeiro dia é solvido pela organização. Quanto aos conferencistas é-lhes, naturalmente, paga a deslocação e a estada. Esta particularidade deriva do espírito que informou, desde o início, os Encontros. Aliás, eles são abertos ao público, cuja entrada é livre, como livre é a assistência às actividades culturais complementares (concertos musicais ou visitas guiadas).
Não contando com um orçamento avultado, apesar disso excessivo para a capacidade do Centro Cultural, os Encontros recebem, naturalmente, apoios, nomeadamente financeiros, de várias entidades públicas e privadas, que lhe permitem fazer face aos encargos envolvidos.
Sem a visibilidade pública de outros acontecimentos realizados na cidade de Sines, de que é exemplo maior o Festival Músicas do Mundo, os Encontros de História vão seguindo o seu caminho, de forma regular e segura. Oportunidade de encontro de arqueólogos, historiadores, geógrafos e especialistas do património cultural, entre outros, a produção científica dos Encontros é já assinalável, achando-se parcialmente contida nos volumes de actas já publicados.
Uma das questões por vezes afloradas durante os Encontros prende-se com a sua dimensão, em termos do número de participantes e assistentes, que anda pelos 40, e com a divulgação, nomeadamente nos meios de comunicação social. A organização considera, porém, que a escala do Encontro é a adequada, apenas sendo de esperar maior participação de professores das escolas da região, o que, na realidade, não está na sua mão resolver. Por outro lado, possivelmente por uma questão cultural, ou, pelo menos, de idiossincrasia, o grupo que prepara os Encontros não parece inclinado à utilização dos media, além dos locais, prestando toda a informação através de outros meios, nomeadamente correio electrónico e redes sociais. Na realidade, vai fazendo o seu trabalho sem alardes, mas de forma consistente.
Em 28 e 29 de Outubro de 2017 realizou-se o 10º Encontro, facto que deu origem a uma apreciação e um balanço críticos, por parte da organização, em que foi decidido continuar com o mesmo modelo, ainda que com ajustes de pormenor, sempre que necessário.
Iniciativa da "sociedade civil", assente no voluntariado de algumas pessoas, fora da Universidade, mas mantendo ligações com ela, independente de autarquias ou outros poderes políticos, mas sem enjeitar o diálogo com eles, os Encontros de História ocupam hoje um espaço, nos planos cultural e da investigação histórica regional.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sábado, 17/11/2018
PS celebra 20 anos
de gestão em Odemira
A Concelhia de Odemira do Partido Socialista promove neste sábado, 17 de Novembro, ao fim da tarde, um jantar para assinalar duas décadas de gestão autárquica no concelho.
07h00 - sábado, 17/11/2018
Inclusão debatida
em São Teotónio
A Quinta do Craveiral, na freguesia de São Teotónio, recebe neste sábado, 17 de Novembro, a quarta edição do Encontro de Educação Inclusiva "Oportunidades de Inclusão".
07h00 - sábado, 17/11/2018
Teatro para bebés na
Biblioteca de Odemira
A Biblioteca Municipal José Saramago, em Odemira, recebe neste sábado, 17 de Novembro, o espectáculo de teatro para bebés "Artur", por Albina Petrolati e Remi Gallet.
07h00 - sábado, 17/11/2018
Colóquio e exposição na agenda
O centenário da greve nacional de 1918 é o mote do colóquio que a Associação GESTO-Grupo de Estudos do Território de Odemira promove neste sábado, 17, no auditório do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, em Odemira.
07h00 - sábado, 17/11/2018
Odemira recorda a
greve nacional de 1918
O ano de 1918 deixou na história de Portugal a memória de tempos conturbados.

Data: 16/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial