15h50 - quinta, 01/03/2018

Pior a emenda que o soneto


Carlos Pinto
Já muito se escreveu e disse sobre o projecto que junta as petrolíferas GALP e ENI na ambição de avançarem com a prospecção de hidrocarbonetos ao largo da costa do Alentejo Litoral, em busca, nomeadamente, de petróleo e de gás natural. Uma operação que está muito longe de ter garantias de sucesso, mas que certamente terá profundas repercussões negativas nas dimensões económica e social de uma das zonas mais belas da Europa. Até porque mesmo que se encontrasse "ouro negro" por estas bandas, quem mais beneficiaria com a descoberta não seria o país, mas sim os accionistas das duas petrolíferas – com a italiana ENI à cabeça, uma vez que tem 70% do capital do consórcio…
Este processo tem sido longo e bastante contestado por quem mais razões tem para o fazer: populações, autarquias, associações ambientalistas e empresários ligados ao sector turístico e outras actividades. Tudo tem esbarrado na burocracia e na legitimidade dos procedimentos administrativos. Mas eis que o Governo teve em mãos a possibilidade de, legalmente, fazer cair o projecto: bastava ter seguido o parecer dos municípios e não autorizar a prorrogação do prazo de execução do furo prospectivo, que expirou no fim de Janeiro… Infelizmente não foi isso que aconteceu, sendo mesmo difícil de compreender os argumentos invocados no despacho assinado pelo secretário de Estado da Energia. É caso para dizer que "foi pior a emenda que o soneto"…
Ainda assim, não devemos baixar os braços. E certamente que os argumentos defendidos na posição pública assumida na passada semana, em Loulé, por mais de 30 entidades públicas e privadas do Alentejo Litoral e Algarve [ver notícia na página 4 desta edição] chegarão com sucesso junto do primeiro-ministro e do Presidente da República. Caso contrário, corremos o risco de ver projecto avançar mesmo. E até se poderá encontrar petróleo e gás natural em abundância. Mas pelo meio assistiremos a um verdadeiro atentado ambiental (e social) sem que haja culpados à luz da lei e com bastantes vítimas.

2. Esta é a centésima edição do "SW". Um número redondo que nos enche de orgulho e serve de estímulo para continuarmos a levar aos nossos leitores um jornal credível e atento, com histórias das nossas gentes e o retrato dos momentos mais importantes deste imenso território. Uma centena de edições que recordamos ao longo destas páginas, num exercício de memória sobre aquilo que fizemos e aquilo que foi acontecendo pelo Sudoeste!



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 19/02/2019
Marca "Escalabardo"
apresentada em S. Luís
Depois de muitos meses de trabalho no atelier instalado no Cerro do Moinho, a Junta de Freguesia de São Luís apresenta nesta terça-feira, 19 de Fevereiro, a marca "Escalabardo", resultado do projecto de cariz ambiental, social e comunitário que tem o mesmo nome.
07h00 - terça, 19/02/2019
EB 1 do Cercal
com bons resultados
A Escola Básica nº 1 do Cercal do Alentejo, no concelho de Santiago do Cacém, surge no topo do ranking das escolas públicas, divulgado no último sábado, 16 de Fevereiro.
07h00 - terça, 19/02/2019
Luís Bernardo Freitas
reeleito no PSD Odemira
O empresário Luís Bernardo Freitas foi reeleito no último sábado, 16 de Fevereiro, presidente da comissão política da Secção de Odemira do PSD, cargo que vai continuar a desempenhar nos próximos dois anos.
07h00 - segunda, 18/02/2019
Obra do Parque Urbano
avança em Alcácer do Sal
A Câmara de Alcácer do Sal ajudicou no final da passada semana, em reunião do executivo municipal, a obra do Parque Urbano da cidade, avaliada em cerca de 3,1 milhões de euros, à empresa António Saraiva e Filhos, Lda.
07h00 - segunda, 18/02/2019
Atletas de Sines são
esperanças olímpicas
A nadadora Ana Sofia Sousa e o ginasta Rúben Tavares entram nas contas para os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris, tendo participado no final de Janeiro no Encontro Nacional de Esperanças Olímpicas.

Data: 15/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial