17h49 - quinta, 02/08/2018

O sono


Cláudia Silva
A homeostasia é, de forma muito simples, uma função do nosso organismo que regula a sua atividade dentro dos padrões desejados. Por exemplo, se tivermos frio são ativados os mecanismos para repor a temperatura e se tivermos calor os mesmos mecanismos são ativados, mas em sentido contrário.
O sono assume-se como o nosso homeostato de base que coordena todos os pequenos homeostatos do organismo. Quando temos febre dormimos mais para arrefecer o cérebro e, por outro lado, se tivermos muito frio não adormecemos com tanta facilidade.
Para Teresa Paiva, neurologista, especialista em medicina do sono e responsável pelo Centro de Eletroencefalografia e Neurofisiologia Clínica (CENC), o sono é um ganho de tempo intelectual, emocional e físico. Durante o sono são repostas e reorganizadas as funções essenciais à cognição, à memória, à aprendizagem, à criatividade, ao equilíbrio emocional e do corpo. Os ritmos de vida atuais ditados pelas responsabilidades e exigências profissionais tendem a negligenciar as horas de sono que são essenciais para o equilíbrio do organismo. Pensar que o nosso corpo não tem limites é errado, pois os tem bem definidos.
Os nossos relógios biológicos necessitam de regras, que comamos e nos deitemos todos os dias pelas mesmas horas e durante o tempo adequado. É claro que há pessoas mais noctívagas e outras mais matutinas, mas os humanos são animais diurnos. A luz interfere nos ritmos circadianos, pelo que se nos deitarmos, por sistema, muito tarde, assim como nos levantarmos muito cedo pode ser muito perigoso, conduzindo a doenças como o cancro e a demência, diz-nos a neurologista Teresa Paiva.
É fundamental definir os tais limites, ter horários para acordar, comer, fazer exercício, para trabalhar e, muito importante, para acabar de trabalhar. Começar o dia a apanhar sol e caminhar contribuem para um sono reparador, sendo o sol um anti-depressivo gratuito!
Quem trabalha por turnos está sujeito a algo que não é natural e, por isso, têm de ter muitos cuidados. Estabelecendo uma comparação com o deporto, é como se fossem atletas de alta competição em que lhes é exigido um desempenho muito mais complexo!
As doenças do sono permanecem muitas vezes por diagnosticar, chegando ao cuidado de especialistas em fases já muito avançadas e difíceis de tratar. As mais comuns são as hipersónias (sonolência excessiva e/ou sono prolongado) de origem no sistema nervoso, e narcolepsias (diminuição da capacidade de regulação do ritmo de sono e despertar com sonolência inapropriada e irresistível).
Se não dormir bem mais que três vezes por semana durante três semanas, se ressonar, se tiver comportamentos violentos ou disparatados durante a noite e a ausência de horários são sinais de alerta de que deverá procurar um especialista na área do sono. As insónias não se tratam com medicamentos, apesar de Portugal ser um dos maiores consumidores de medicamentos para dormir!

A autora utiliza o
novo Acordo Ortográfico



Outros artigos de Cláudia Silva

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 20/08/2019
Teatro e animação de rua
em Vila Nova de Milfontes
As ruas de Vila Nova de Milfontes (concelho de Odemira) recebem nesta terça e quarta-feira, dias 20 e 21 de Agosto, a passagem do Festival E.
07h00 - terça, 20/08/2019
Praia de Milfontes
no Nacional de juvenis
A equipa de juvenis do Praia de Milfontes entrou "de pé esquerdo" no campeonato nacional da categoria, que arrancou na manhã do passado domingo, 18 de Agosto.
07h00 - segunda, 19/08/2019
Feira de Agosto valoriza
produtos endógenos
Os produtos endógenos do concelho de Grândola, como o arroz, o azeite ou as uvas, vão estar em destaque na edição de 2019 da Feira de Agosto, que arranca na "vila morena" já nesta quinta-feira, 22.
07h00 - segunda, 19/08/2019
Exposição de fotografia
na Biblioteca de Odemira
A Biblioteca Municipal José Saramago, em Odemira, tem patente até ao dia 30 de Agosto a exposição de fotografia "One more day in Neverland", de Paulo Velosa.
07h00 - segunda, 19/08/2019
Voto de pesar em Sines
por antiga professora
A Câmara de Sines aprovou na passada sexta-feira, 16, um voto de pesar pelo falecimento de Maria dos Ramos Ferreira Soares, que foi durante anos professora primária no concelho.

Data: 02/08/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial