17h01 - quinta, 20/09/2018

Privado versus público


António Martins Quaresma
Estava, para aqui, a cogitar sobre uma das oposições hoje em dia mais glosadas entre o povaréu: a do "privado" versus "público". Algo estranho, ou talvez não, num país que vive num sistema político e económico claramente capitalista. Creio que se está na presença da popularização de um certo discurso ideológico, muito dele propagado pela comunicação social.
A minha percepção é de que o "privado" geralmente está ao ataque: que os seus salários são inferiores, que trabalham mais, que se aposentam mais tarde, que há excesso de funcionários públicos, pagos, naturalmente, pelos privados, etc. O "público", parece-me, lá se vai defendendo, intermitentemente e como pode.
Por vezes, essas oposições surgem em pacotes. No Campeonato do Mundo de futebol, na Rússia, a Presidente da República da Croácia transformou-se em vedeta, surgindo nas redes sociais como uma espécie de "extracto super-concentrado" de virtudes políticas, já para não falar nos dotes revelados por um exíguo biquíni. Começando com a notícia de que a radiosa dirigente pagara do seu bolso a viagem à Rússia e viajara em classe económica, logo lhe juntaram um extenso rol de variados e estimáveis atributos: ela via os jogos da bancada e não da tribuna; ela lutava contra a corrupção, no seu país; e, last but not least, um dos seus arrebatados admiradores "descobriu" que ela, mesmo não tendo competências governativas, tinha aumentado os salários do sector privado! Nem mais.
Esta dicotomia "público"/ "privado converge na muito corrente interrogação "quem paga?", que insinua "eu" pago ordenados e subsídios a políticos corruptos, a funcionários públicos supérfluos, a parasitas que não querem trabalhar, etc. Há dias, à mesa do café, assisti a um diálogo em que um sujeito garantia que os portugueses, em particular ele próprio, estavam a financiar o sistema de saúde dos funcionários do Estado, ADSE. Depois de alguma discussão, o interlocutor, utente da ADSE, já de paciência perdida, fez contas, e tirando um cêntimo do bolso, estendeu a mão, dizendo: "Aqui está o que eu te devo e podes guardar o troco".
Mas o mais recente e perturbador exemplo a que assisti foi uma entrevista da SIC Notícias ao secretário de Estado da Protecção Civil, a propósito dos dramáticos incêndios na Grécia. Nesta, o jornalista insistia, veementemente, com o governante para que este esclarecesse quanto custava o (pequeno) apoio que Portugal se prestava a dar àquele país e quem o pagava. Ainda o fogo ardia e os corpos queimados continuavam a amontoar-se, o "jornalista" achava que as respostas às suas teimosas perguntas eram fundamentais para os portugueses.
Não quero acabar este texto sem dizer que a postura de "quem paga?" se me afigura legítima, em muitos casos, como o do BES/ Ricardo Salgado e quejandos. O que eu creio irracional é esta bulha dos "pequeninos", este abespinhamento da turba, porque, por exemplo, um membro do governo é pago pelo erário quando se desloca em serviço do país ou quando há um (modesto) gesto de solidariedade, numa situação semelhante à que, num passado recente, beneficiámos de solidariedade externa. A dupla questão do público versus privado e do "quem paga?" é, para além da sua raiz ideológica, uma questão de siso e, às vezes, de decoro.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 12/12/2018
Bombeiros de Odemira e Milfontes
garantem resposta às populações
Apesar do conflito existente entre os bombeiros e o Governo, as corporações de bombeiros do distrito de Beja, entre as quais a de Odemira e a de Vila Nova de Milfontes, garantem que vão manter "os mesmos níveis de prontidão e eficiência" para apoiar as populações.
07h00 - quarta, 12/12/2018
AM Grândola quer reunir
com ministra da Saúde
A Assembleia Municipal de Grândola solicitou, "com carácter de urgência", reuniões à ministra da Saúde e ao conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) para debater as "deficientes condições de funcionamento do serviço público de saúde no concelho" e do Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém.
07h00 - quarta, 12/12/2018
Cripta de Alcácer
com mais visitantes
A Cripta Arqueológica do castelo de Alcácer do Sal foi visitada por 8496 turistas entre Janeiro e Novembro de 2018, número que ultrapassa valores referentes a períodos homólogos anteriores desde a inauguração do espaço, em 2008.
07h00 - terça, 11/12/2018
Programa "365 Alentejo"
com candidaturas abertas
A Turismo do Alentejo, em parceria com a Agência Regional de Promoção Turística e o Turismo de Portugal, tem abertas até final do ano as candidaturas para a segunda edição do programa "365 Alentejo-Ribatejo", que visa a construção e promoção de um calendário anual de eventos "consistente e coerente".
07h00 - terça, 11/12/2018
CDS quer ambulância
SIV em Alcácer do Sal
O grupo parlamentar do CDS defende a colocação de uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) no concelho de Alcácer do Sal, por forma a melhorar a capacidade de resposta à população.

Data: 30/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial