17h01 - quinta, 20/09/2018

Privado versus público


António Martins Quaresma
Estava, para aqui, a cogitar sobre uma das oposições hoje em dia mais glosadas entre o povaréu: a do "privado" versus "público". Algo estranho, ou talvez não, num país que vive num sistema político e económico claramente capitalista. Creio que se está na presença da popularização de um certo discurso ideológico, muito dele propagado pela comunicação social.
A minha percepção é de que o "privado" geralmente está ao ataque: que os seus salários são inferiores, que trabalham mais, que se aposentam mais tarde, que há excesso de funcionários públicos, pagos, naturalmente, pelos privados, etc. O "público", parece-me, lá se vai defendendo, intermitentemente e como pode.
Por vezes, essas oposições surgem em pacotes. No Campeonato do Mundo de futebol, na Rússia, a Presidente da República da Croácia transformou-se em vedeta, surgindo nas redes sociais como uma espécie de "extracto super-concentrado" de virtudes políticas, já para não falar nos dotes revelados por um exíguo biquíni. Começando com a notícia de que a radiosa dirigente pagara do seu bolso a viagem à Rússia e viajara em classe económica, logo lhe juntaram um extenso rol de variados e estimáveis atributos: ela via os jogos da bancada e não da tribuna; ela lutava contra a corrupção, no seu país; e, last but not least, um dos seus arrebatados admiradores "descobriu" que ela, mesmo não tendo competências governativas, tinha aumentado os salários do sector privado! Nem mais.
Esta dicotomia "público"/ "privado converge na muito corrente interrogação "quem paga?", que insinua "eu" pago ordenados e subsídios a políticos corruptos, a funcionários públicos supérfluos, a parasitas que não querem trabalhar, etc. Há dias, à mesa do café, assisti a um diálogo em que um sujeito garantia que os portugueses, em particular ele próprio, estavam a financiar o sistema de saúde dos funcionários do Estado, ADSE. Depois de alguma discussão, o interlocutor, utente da ADSE, já de paciência perdida, fez contas, e tirando um cêntimo do bolso, estendeu a mão, dizendo: "Aqui está o que eu te devo e podes guardar o troco".
Mas o mais recente e perturbador exemplo a que assisti foi uma entrevista da SIC Notícias ao secretário de Estado da Protecção Civil, a propósito dos dramáticos incêndios na Grécia. Nesta, o jornalista insistia, veementemente, com o governante para que este esclarecesse quanto custava o (pequeno) apoio que Portugal se prestava a dar àquele país e quem o pagava. Ainda o fogo ardia e os corpos queimados continuavam a amontoar-se, o "jornalista" achava que as respostas às suas teimosas perguntas eram fundamentais para os portugueses.
Não quero acabar este texto sem dizer que a postura de "quem paga?" se me afigura legítima, em muitos casos, como o do BES/ Ricardo Salgado e quejandos. O que eu creio irracional é esta bulha dos "pequeninos", este abespinhamento da turba, porque, por exemplo, um membro do governo é pago pelo erário quando se desloca em serviço do país ou quando há um (modesto) gesto de solidariedade, numa situação semelhante à que, num passado recente, beneficiámos de solidariedade externa. A dupla questão do público versus privado e do "quem paga?" é, para além da sua raiz ideológica, uma questão de siso e, às vezes, de decoro.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 25/06/2019
Speed Talent:
um projecto para
jovens empreendedores
O projecto Speed Talent-Acelerador de Talentos já arrancou por todo o Alentejo e também na região do Ribatejo.
07h00 - terça, 25/06/2019
Governo defende importância
dos portinhos de pesca
O secretário de Estado das Pescas defende a importância dos portinhos de pesca artesanal num momento em que se fala tanto da "economia do mar" e de grandes projectos ligados ao sector.
07h00 - terça, 25/06/2019
Bloquistas do
Alentejo Litoral
reuniram em Santiago
A agricultura intensiva, o transporte ferroviário e os direitos laborais foram algumas das questões em debate no primeiro Encontro do Alentejo Litoral do Bloco de Esquerda (BE), que se realizou no passado sábado, 22, em Santiago do Cacém.
07h00 - segunda, 24/06/2019
"Transporte a Pedido"
no concelho de Odemira
Melhorar as condições de mobilidade no concelho de Odemira, sobretudo nas freguesias do interior, é a grande meta do "Transporte a Pedido", projecto que a Câmara de Odemira conta lançar no segundo semestre deste ano.
07h00 - segunda, 24/06/2019
Acordo ambiental para
a lagoa de Melides
Um total de 14 entidades públicas e privadas subscreveram na passada semana o Acordo Ambiental para a Zona Húmida da Lagoa de Melides (Grândola), desenvolvido no âmbito do projecto europeu "WetNet".

Data: 21/06/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial