17h33 - quinta, 18/10/2018

Ainda há lugar para os jardineiros


Hélder Guerreiro
Num tempo em que se discute o impacto ambiental e social da agricultura no Baixo Alentejo importa, talvez, olhar para este tema de forma integrada. Fernando Oliveira Batista, numa provocação imensa sobre o contraste entre a concentração demográfica na grande propriedade e a dispersão demográfica na pequena propriedade costumava afirmar que "quanto mais agrícola menos rural".
Esta realidade não foi alterada pelo surgimento "do elemento" disruptivo no Baixo Alentejo: a água (o Alqueva e os perímetros de rega)! Mudaram mais as culturas em presença do que o ordenamento do território. É bem verdade que as transformações na agricultura resultaram numa perda demográfica (rural e urbana) tanto por força da degradação do rendimento da agricultura tradicional como pelo incremento da mecanização na agricultura chamada de precisão (ou de outras coisas).
A biodiversidade foi outra das perdas resultante destas transformações, talvez mais nos territórios que foram florestados com monoculturas do que nas grandes estepes cerealíferas que deram lugar aos olivais intensivos. Já, nessa altura, ocorriam grandes discussões na Ovibeja e na "minha" ESAB sobre o esgotamento dos solos e a contaminação dos aquíferos pelo cultivo intensivo de cereais.
Hoje também temos painéis solares mas isso é outra conversa para um Baixo Alentejo diferente.
Não tenho dúvidas de que o mercado será sempre o primeiro responsável pelo uso das nossas "terras mais capazes" (significa fundamentalmente dimensão da propriedade, modelo de gestão e acesso à agua) e que será ele o principal responsável pela sequência de novas monoculturas que virão amanhã.
Mas se conseguirmos ver para além dessas "terras mais capazes" conseguimos ver um vasto território com uma diversidade incrível e consciente dos desafios que tem pela frente. É muito inspirador perceber como muitos empresários agrícolas estão a encontrar na diversidade oportunidades de se adaptarem às alterações climáticas e de terem maior segurança no rendimento económico das suas explorações.
É também nestes espaços que vamos encontrado quem vá construindo modelos sustentáveis de gestão da água, modelos mais adequados de produção florestal e onde encontramos esse imenso ecossistema que é o montado. São territórios que vão expressando tudo o que podem dar em termos de produtos diferenciados do território (julgo que lhes podemos chamar identidade).
É neste espaço que, mais do que empresários agrícolas e gestores de áreas de caça (que são...), emergem os jardineiros da paisagem. São homens e mulheres que merecem um olhar atento e merecem que, de uma vez por todas, sejamos capazes de desenhar modelos de retribuição por via dos serviços de ecossistema (ou de paisagem) que eles e elas fazem.
São serviços para todos e todas, mesmo para aqueles que, "protegidos" pela urbanidade, precisam do mesmo ar que respiramos!

O autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Hélder Guerreiro

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 14/11/2018
Taça da Liga
de futsal em Sines
O Pavilhão Multiusos de Sines vai acolher, pelo segundo ano consecutivo, a Taça da Liga de Futsal, que nesta temporada de 2018-2019 vai decorrer entre os dias 10 e 13 de Janeiro do próximo ano.
07h00 - quarta, 14/11/2018
Novo projecto de sinalização
e trânsito em Odemira
A terceira fase do projecto de sinalização e trânsito da vila de Odemira está, até ao final deste mês de Novembro, em discussão pública para recolha de contributos por parte dos municípes.
07h00 - quarta, 14/11/2018
Nadadores de Grândola
em prova na Austrália
Oito atletas da Associação de Nadadores-Salvadores de Grândola "Seagull Rescue" vão participar, na próxima semana, no Campeonato do Mundo de Salvamento Aquático, que vai decorrer na Austrália.
07h00 - terça, 13/11/2018
Estrada municipal
encerrada em Santiago
A Câmara de Santiago do Cacém cortou a circulação automóvel na Estrada Municipal (EM) 548, que faz a ligação entre a cidade e as Ademas, por razões de segurança, dada a deslocação de um muro de ala do pontão do IC33 próximo do Parral.
07h00 - terça, 13/11/2018
Diagnóstico de valorização
do rio Mira em apreciação
Materializar a política de valorização das margens do rio Mira na área do concelho de Odemira, desde a barragem de Santa Clara até Vila Nova de Milfontes é o objectivo do Plano Estratégico e Operacional de Valorização do Rio Mira, promovido pela Câmara de Odemira.

Data: 02/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial