17h34 - quinta, 18/10/2018

"Caem co'a calma as aves"


António Martins Quaresma
Por momentos, tirou os olhos do computador. Tinha despendido 15 minutos na rede social, ultrapassando, em muito, o que costumava gastar diariamente. "Tempo inutilmente consumido", pensou. "Quem me manda a mim ser parvo: Facebook, só três minutos, no máximo, com descanso às segundas, quartas e sextas", remoeu, entre dentes.
De súbito, as suas lucubrações foram interrompidas por uma urgência doméstica. Não havia pão, esse imprescindível produto em qualquer casa alentejana, e alguém tinha de resolver o problema, antes que a multidão de banhistas rapasse completamente as respectivas vitrinas, no supermercado. Sabem, "banhistas" são, para ele e para os seus círculos familiar e de amigos, os turistas. É resquício de um tempo em que todos assim designavam os forasteiros, que frequentavam as praias da foz do rio Mira na época estival.
Assim, no sábado abrasador, foi forçado a sair de casa pela hora da maior calma. Quando deixou o relativo fresco da habitação e se engolfou na canícula, o embate do bafo ardente fê-lo recuar. Veio-lhe à cabeça uma praga, que nem teve energia para verbalizar, e arremeteu segunda vez, em passo rápido, mas pouco firme, rua e inferno adiante.
Não tardou que os 40º Celsius (ou 50, ou lá o que era) começassem a fazer estragos no seu já débil equilíbrio fisiológico. A meio caminho, foi invadido por uma estranha sensação de quase imponderabilidade, ao mesmo tempo que cogitava continuamente "O sol é grande, caem co'a calma as aves", e, quanto mais repisava, mais procurava indagar, nas profundezas da sua diluída memória, a origem e a razão deste singular pensamento. Não avistava qualquer ave, nem sequer o melro-de-bico-amarelo, que, do quintal, regularmente, observava e, até Junho, ouviu cantar, ou a frágil alvéola, que, saltitante, usava debicar entre as ervas.
E, mais uma vez, numa vertigem: "O sol é grande, caem co'a calma as aves". Então, numa epifania: "Já sei, o Simbolismo, verso de Camilo Pessanha". Uns segundos depois: "Grande asno, não tem nada a ver, é Sá de Miranda!", ciciou surdamente, ao conseguir extrair, da massa cinzenta, a informação, que depois veio a confirmar estar certa. Irrelevante, porém, para explicar o estranho fenómeno e, menos ainda, para o livrar do abrasamento.
Pouco tempo depois, já na segurança do lar, seguindo o exemplo de milhões de portugueses, armou em expert, e ensaiou uma explicação arguta para o caso. Como é incréu, não buscou na acção divina uma aclaração. Em vez disso, concebeu que, face à paralisia do seu consciente, pelo sufoco térmico, o subconsciente ofereceu uma imagem poética para lhe ocupar o espírito, à laia de meditação oriental, e, desta maneira, ajudou-o a superar a provação. Satisfeito com o que julgou ter sido uma penetrante reflexão, começou a cortar uma fatia de pão.
Não tinha ainda terminado o gesto, caiu – finalmente – em si: "Tenho que me pôr a pau, tou a ficar taralhouco, com'ó caraças!"



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 20/09/2019
Melhor polvo do mundo
"à prova" na Zambujeira
A Zambujeira do Mar (Odemira) recebe entre esta sexta-feira e domingo, dias 20 a 22, o VII Festival do Polvo, iniciativa da Associação Cultural Recreativa e Desportiva Zambujeirense que visa "promover a qualidade e as potencialidades gastronómicas do polvo do Sudoeste".
07h00 - sexta, 20/09/2019
Canoístas de Milfontes
"brilham" na Selecção
Três canoístas do Clube Náutico do Litoral Alentejano (CNLA), de Vila Nova de Milfontes, estiveram em excelente plano durante a sua participação em duas provas internacionais ao serviço da Selecção Nacional, com destaque para a jovem Maria Fonseca Santos, que regressou a casa com uma medalha de bronze.
07h00 - sexta, 20/09/2019
Campanha das Legislativas
no concelho de Odemira
A campanha para as eleições Legislativas de 6 de Outubro está na rua e os candidatos pelo distrito de Beja das principais forças políticas vão passar nas próximas semanas pelo concelho de Odemira, com diversas acções de rua e de contacto com cidadãos e instituições locais.
07h00 - sexta, 20/09/2019
Incêndio destruiu 195 hectares de floresta em S. Luís
Cerca de 195 hectares de mato e floresta destruídos, perto de meio milhar de árvores queimadas e mais de quatro dezenas de animais mortos: é este o balanço, ainda provisório, do grande incêndio que na passada semana lavrou na zona da Cova da Zorra, na freguesia de São Luís (Odemira).
07h00 - sexta, 20/09/2019
Presidente da JF São Luís
defende mais sensibilização
Na opinião de Fernando Parreira, o incêndio da passada semana veio comprovar que ainda há trabalho a fazer na freguesia (e não só), por forma a evitar um novo incêndio com tamanhas proporções.

Data: 20/09/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial