16h19 - quinta, 15/11/2018

Da toponímia urbana e da fatuidade humana


António Martins Quaresma
1. Há uns anos, quando o Município de Odemira decidiu organizar a nomenclatura das artérias urbanas, a Assembleia de Freguesia de Milfontes pediu-me que integrasse a "comissão de toponímia" desta freguesia. Dela faziam ainda parte o presidente da Junta de Freguesia e um deputado da mesma Assembleia. Juntou-se, mais, um segundo membro da Assembleia, pelo que a comissão ficou constituída por quatro pessoas. O trabalho, elaborado com base num regulamento, está, há muito, concluído, faltando apenas os números "de polícia", para acabar com a anterior confusão. Por isso, e por outras razões, terminei a minha (co)missão toponímica. Na despedida, tenho de reconhecer que fiquei a conhecer melhor o mundo, ou, pelo menos, a Milfontes versão século XXI. Levo dois casos ao conhecimento do leitor, um com certa graça, o outro sem graça nenhuma.

2. Alguns dos nomes foram propostos pelos habitantes, antes e durante o trabalho da comissão, que geralmente os acolheu. Foi o caso da rua onde moro, que passou a chamar-se Beco de Santo António, não por lá morar qualquer António, como alguns vivaços, daqueles a quem ninguém engana, julgarão, mas porque um residente, que se chama Fernando (como o de Bulhões), devoto deste santo, assim propôs à comissão. Os becos contíguos acabaram por levar os nomes dos restantes "santos solsticiais".
O mesmo morador já tinha colocado um painel de azulejos alusivo, na parede junto à entrada de sua casa, (assinado por F.la Sant'Ana, Xénia, em Lisboa, com data de 1993), onde presta homenagem ao santo que, em variante belicosa, faz tremer o demónio. Declama, em versos de fino recorte literário, de grande densidade poética, de ardente nacionalismo e de rigoroso cálculo matemático – tudo isto numa simples quadra: "Por duas razões ou três / Treme de vós o demónio / Por serdes Português / E porque sois Santo António".

3. Um caso especial fez atrasar o processo. Residentes de um bairro opuseram-se, frontalmente, a nomes propostos pela comissão de toponímia para algumas das ruas. Tratava-se, na falta de denominação tradicional, de nomes de países de língua portuguesa, que os críticos repudiaram, com apurados fundamentos, nomeadamente: "porque não estamos em África" e "porque não é um bairro de lata". Aceitavam nomes como "Alemanha", mas nunca "Angola" ou "Cabo Verde". Entende-se: é muito mais requintado e compatível com a craveira – social e, certamente, étnica – de alguns dos residentes do distinto aglomerado urbano.
Dizem-me que, à última hora, o poder autárquico cedeu, o que só lhe fica bem, e houve a feliz decisão de atribuir nomes de escritores a essas bonitas artérias, de acordo, decerto, com a erudição dos inconformados, cada um deles, presumo, autêntico devorador de bibliotecas de Alexandria.
É verdade que os residentes de ruas com os mesmos nomes, em aldeolas como Beja, Lisboa e Gaia (entre outras), não viram nisto qualquer óbice, mas só pode ter sido porque além de lhes faltar subtileza, são de estirpe pouco apurada.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 25/06/2019
Speed Talent:
um projecto para
jovens empreendedores
O projecto Speed Talent-Acelerador de Talentos já arrancou por todo o Alentejo e também na região do Ribatejo.
07h00 - terça, 25/06/2019
Governo defende importância
dos portinhos de pesca
O secretário de Estado das Pescas defende a importância dos portinhos de pesca artesanal num momento em que se fala tanto da "economia do mar" e de grandes projectos ligados ao sector.
07h00 - terça, 25/06/2019
Bloquistas do
Alentejo Litoral
reuniram em Santiago
A agricultura intensiva, o transporte ferroviário e os direitos laborais foram algumas das questões em debate no primeiro Encontro do Alentejo Litoral do Bloco de Esquerda (BE), que se realizou no passado sábado, 22, em Santiago do Cacém.
07h00 - segunda, 24/06/2019
"Transporte a Pedido"
no concelho de Odemira
Melhorar as condições de mobilidade no concelho de Odemira, sobretudo nas freguesias do interior, é a grande meta do "Transporte a Pedido", projecto que a Câmara de Odemira conta lançar no segundo semestre deste ano.
07h00 - segunda, 24/06/2019
Acordo ambiental para
a lagoa de Melides
Um total de 14 entidades públicas e privadas subscreveram na passada semana o Acordo Ambiental para a Zona Húmida da Lagoa de Melides (Grândola), desenvolvido no âmbito do projecto europeu "WetNet".

Data: 21/06/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial