15h56 - quinta, 29/11/2018

Os sinais


Hélder Guerreiro
John Rawls escreveu que a escolha, numa sociedade, entre o que é justo e injusto é "a escolha que será feita por sujeitos racionais nesta situação hipotética em que todos beneficiam de igual liberdade". Mesmo que simples, este posicionamento básico que permite um justo "contrato social", coloca-nos a todos e todas numa situação de "igualdade original" que é hoje – talvez tenha sido sempre – objeto das maiores agressões.
A luta, que muitos insistem em travar, pela posição dominante, que fragiliza a liberdade de todos os outros, é muitas vezes adornada e/ou mascarada com uma retorica paternalista de sacrifício pelo serviço ao outro. Os "queridos lideres" ou os "grandes timoneiros" sempre se foram apresentando como heróis coletivos. Vale a pena ler o que Amartya Sen diz sobre isso em O desenvolvimento como liberdade.
É curioso que se juntarmos as pulsões ainda mais totalitárias, que sempre existiram, associadas aos recentes eventos nos dois "grandes impérios" como são a Rússia e a China, sentimos que nada de novo se passa no Mundo. Se olharmos para o caos africano, se olharmos para a deriva da América Central e do Sul no sentido de pequenos/ grandes totalitarismos e se olharmos para a ascensão de partidos xenófobos e nacionalistas na Europa, ficamos a pensar que algo se passa no Mundo. Ou não!?
Ouvi dizer, por estes dias, que é o povo que assim quer. Ouvi dizer que o povo russo quer Vladimir Putin, que o povo dos Estados Unidos da América quer o Donald Trump e que o povo britânico quis o "Brexit".
Depois, por entre a chuva destes dias, vem célere e de proporções incríveis uma certa informação de que os nossos dados, sim de dois mil milhões de utilizadores do Facebook, estarão disponíveis para que, com a ajuda de um qualquer algoritmo, nos possam manipular. É curioso pensar que os "gostos" que fazemos e onde fazemos, as coisas que partilhamos e os comentários que fazemos são "produtos" que outros podem utilizar para nos conduzirem a escolhas que eles querem que façamos em aparente liberdade.
Ficamos a saber que os dados de 50 milhões de pessoas foram utilizados para construir informação que, colocadas na rede social, lhes sugerisse, a cada um desses 50 milhões de pessoas, reações e/ ou tomadas de decisão adequadas a quem manipulou. Ficamos a saber que esse tipo de informação foi utilizado nas eleições presidenciais dos Estados Unidos da América e no referendo ao "Brexit". Ficamos a saber que talvez as pessoas não tenham decidido em liberdade!
Ficamos sem saber em que mais podem as pessoas estar a decidir amputadas da sua condição original de liberdade e por isso podem não estar a decidir com justiça.
Os responsáveis pela rede social Facebook apressaram-se a dizer que nada ficará como dantes, que foram enganados, que apertarão as medidas de segurança e que haverá maior transparência. Será que isto que agora nos dizem é apenas aquilo que querem que ouçamos!?
As redes sociais são locais de elevada exposição das pessoas, são locais de encontro (alguns inesperados e felizes), são locais de manifestação/ afirmação e até locais de aparente partilha. São, assim, um dos locais onde as pessoas são mais frágeis, mais disponíveis e mais suscetíveis pois, sozinhas em frente ao ecrã do seu telefone, não existem filtros para se exprimirem e/ ou para se emocionarem.
Sei que são apenas sinais de um Mundo que se vai construindo e que nos vai empurrando para um novo "contrato social" onde as nossas escolhas são feitas numa aparente liberdade. Às vezes pergunto-me se terá sido sempre assim?

O autor utiliza o
novo Acordo Ortográfico



Outros artigos de Hélder Guerreiro

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 19/02/2019
Marca "Escalabardo"
apresentada em S. Luís
Depois de muitos meses de trabalho no atelier instalado no Cerro do Moinho, a Junta de Freguesia de São Luís apresenta nesta terça-feira, 19 de Fevereiro, a marca "Escalabardo", resultado do projecto de cariz ambiental, social e comunitário que tem o mesmo nome.
07h00 - terça, 19/02/2019
EB 1 do Cercal
com bons resultados
A Escola Básica nº 1 do Cercal do Alentejo, no concelho de Santiago do Cacém, surge no topo do ranking das escolas públicas, divulgado no último sábado, 16 de Fevereiro.
07h00 - terça, 19/02/2019
Luís Bernardo Freitas
reeleito no PSD Odemira
O empresário Luís Bernardo Freitas foi reeleito no último sábado, 16 de Fevereiro, presidente da comissão política da Secção de Odemira do PSD, cargo que vai continuar a desempenhar nos próximos dois anos.
07h00 - segunda, 18/02/2019
Obra do Parque Urbano
avança em Alcácer do Sal
A Câmara de Alcácer do Sal ajudicou no final da passada semana, em reunião do executivo municipal, a obra do Parque Urbano da cidade, avaliada em cerca de 3,1 milhões de euros, à empresa António Saraiva e Filhos, Lda.
07h00 - segunda, 18/02/2019
Atletas de Sines são
esperanças olímpicas
A nadadora Ana Sofia Sousa e o ginasta Rúben Tavares entram nas contas para os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris, tendo participado no final de Janeiro no Encontro Nacional de Esperanças Olímpicas.

Data: 15/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial