15h56 - quinta, 29/11/2018

Os sinais


Hélder Guerreiro
John Rawls escreveu que a escolha, numa sociedade, entre o que é justo e injusto é "a escolha que será feita por sujeitos racionais nesta situação hipotética em que todos beneficiam de igual liberdade". Mesmo que simples, este posicionamento básico que permite um justo "contrato social", coloca-nos a todos e todas numa situação de "igualdade original" que é hoje – talvez tenha sido sempre – objeto das maiores agressões.
A luta, que muitos insistem em travar, pela posição dominante, que fragiliza a liberdade de todos os outros, é muitas vezes adornada e/ou mascarada com uma retorica paternalista de sacrifício pelo serviço ao outro. Os "queridos lideres" ou os "grandes timoneiros" sempre se foram apresentando como heróis coletivos. Vale a pena ler o que Amartya Sen diz sobre isso em O desenvolvimento como liberdade.
É curioso que se juntarmos as pulsões ainda mais totalitárias, que sempre existiram, associadas aos recentes eventos nos dois "grandes impérios" como são a Rússia e a China, sentimos que nada de novo se passa no Mundo. Se olharmos para o caos africano, se olharmos para a deriva da América Central e do Sul no sentido de pequenos/ grandes totalitarismos e se olharmos para a ascensão de partidos xenófobos e nacionalistas na Europa, ficamos a pensar que algo se passa no Mundo. Ou não!?
Ouvi dizer, por estes dias, que é o povo que assim quer. Ouvi dizer que o povo russo quer Vladimir Putin, que o povo dos Estados Unidos da América quer o Donald Trump e que o povo britânico quis o "Brexit".
Depois, por entre a chuva destes dias, vem célere e de proporções incríveis uma certa informação de que os nossos dados, sim de dois mil milhões de utilizadores do Facebook, estarão disponíveis para que, com a ajuda de um qualquer algoritmo, nos possam manipular. É curioso pensar que os "gostos" que fazemos e onde fazemos, as coisas que partilhamos e os comentários que fazemos são "produtos" que outros podem utilizar para nos conduzirem a escolhas que eles querem que façamos em aparente liberdade.
Ficamos a saber que os dados de 50 milhões de pessoas foram utilizados para construir informação que, colocadas na rede social, lhes sugerisse, a cada um desses 50 milhões de pessoas, reações e/ ou tomadas de decisão adequadas a quem manipulou. Ficamos a saber que esse tipo de informação foi utilizado nas eleições presidenciais dos Estados Unidos da América e no referendo ao "Brexit". Ficamos a saber que talvez as pessoas não tenham decidido em liberdade!
Ficamos sem saber em que mais podem as pessoas estar a decidir amputadas da sua condição original de liberdade e por isso podem não estar a decidir com justiça.
Os responsáveis pela rede social Facebook apressaram-se a dizer que nada ficará como dantes, que foram enganados, que apertarão as medidas de segurança e que haverá maior transparência. Será que isto que agora nos dizem é apenas aquilo que querem que ouçamos!?
As redes sociais são locais de elevada exposição das pessoas, são locais de encontro (alguns inesperados e felizes), são locais de manifestação/ afirmação e até locais de aparente partilha. São, assim, um dos locais onde as pessoas são mais frágeis, mais disponíveis e mais suscetíveis pois, sozinhas em frente ao ecrã do seu telefone, não existem filtros para se exprimirem e/ ou para se emocionarem.
Sei que são apenas sinais de um Mundo que se vai construindo e que nos vai empurrando para um novo "contrato social" onde as nossas escolhas são feitas numa aparente liberdade. Às vezes pergunto-me se terá sido sempre assim?

O autor utiliza o
novo Acordo Ortográfico



Outros artigos de Hélder Guerreiro

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 24/04/2019
Sete vitórias em
canoagem de mar
As canoístas Micaela Silvestre e Sara Rafael, ambas do Clube Náutico do Litoral Alentejano (CNLA), e a dupla Fernando Encarnação/ Vasco Marcos, do Clube Fluvial Odemirense (CFO), estiveram em excelente plano no arranque do Campeonato Nacional de Canoagem de Mar de 2019.
07h00 - quarta, 24/04/2019
Alentejo Litoral
comemora 25 de Abril
Música e espectáculos de fogo-de-artifício marcam os festejos do 45º aniversário do 25 de Abril no Alentejo Litoral, em diversas iniciativas promovidas pelos municípios da região na noite desta quarta-feira, 24.
07h00 - quarta, 24/04/2019
Dias de festa em Odemira
para celebrar a Liberdade
Foi há (quase) 45 anos que a Liberdade chegou a Portugal, numa revolução que se fez sem tiros, apenas com cravos, heroísmo e poesia.
07h00 - terça, 23/04/2019
Concurso de leitura
em Alcácer do Sal
O Auditório Municipal de Alcácer do Sal recebe nesta terça-feira, 23 deAbril, pelas 13h00, a final jntermunicipal do Alentejo Litoral do Concurso Nacional de Leitura, que vai contar com 37 participantes.
07h00 - terça, 23/04/2019
Contas aprovadas
na Câmara de Alcácer
A Assembleia Municipal de Alcácer do Sal reúne nesta terça-feira, 23 de Abril, para discutir e votar a prestação de contas do Município relativa ao ano de 2018, já aprovada em reunião do executivo munincipal.

Data: 12/04/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial