15h56 - quinta, 29/11/2018

Os sinais


Hélder Guerreiro
John Rawls escreveu que a escolha, numa sociedade, entre o que é justo e injusto é "a escolha que será feita por sujeitos racionais nesta situação hipotética em que todos beneficiam de igual liberdade". Mesmo que simples, este posicionamento básico que permite um justo "contrato social", coloca-nos a todos e todas numa situação de "igualdade original" que é hoje – talvez tenha sido sempre – objeto das maiores agressões.
A luta, que muitos insistem em travar, pela posição dominante, que fragiliza a liberdade de todos os outros, é muitas vezes adornada e/ou mascarada com uma retorica paternalista de sacrifício pelo serviço ao outro. Os "queridos lideres" ou os "grandes timoneiros" sempre se foram apresentando como heróis coletivos. Vale a pena ler o que Amartya Sen diz sobre isso em O desenvolvimento como liberdade.
É curioso que se juntarmos as pulsões ainda mais totalitárias, que sempre existiram, associadas aos recentes eventos nos dois "grandes impérios" como são a Rússia e a China, sentimos que nada de novo se passa no Mundo. Se olharmos para o caos africano, se olharmos para a deriva da América Central e do Sul no sentido de pequenos/ grandes totalitarismos e se olharmos para a ascensão de partidos xenófobos e nacionalistas na Europa, ficamos a pensar que algo se passa no Mundo. Ou não!?
Ouvi dizer, por estes dias, que é o povo que assim quer. Ouvi dizer que o povo russo quer Vladimir Putin, que o povo dos Estados Unidos da América quer o Donald Trump e que o povo britânico quis o "Brexit".
Depois, por entre a chuva destes dias, vem célere e de proporções incríveis uma certa informação de que os nossos dados, sim de dois mil milhões de utilizadores do Facebook, estarão disponíveis para que, com a ajuda de um qualquer algoritmo, nos possam manipular. É curioso pensar que os "gostos" que fazemos e onde fazemos, as coisas que partilhamos e os comentários que fazemos são "produtos" que outros podem utilizar para nos conduzirem a escolhas que eles querem que façamos em aparente liberdade.
Ficamos a saber que os dados de 50 milhões de pessoas foram utilizados para construir informação que, colocadas na rede social, lhes sugerisse, a cada um desses 50 milhões de pessoas, reações e/ ou tomadas de decisão adequadas a quem manipulou. Ficamos a saber que esse tipo de informação foi utilizado nas eleições presidenciais dos Estados Unidos da América e no referendo ao "Brexit". Ficamos a saber que talvez as pessoas não tenham decidido em liberdade!
Ficamos sem saber em que mais podem as pessoas estar a decidir amputadas da sua condição original de liberdade e por isso podem não estar a decidir com justiça.
Os responsáveis pela rede social Facebook apressaram-se a dizer que nada ficará como dantes, que foram enganados, que apertarão as medidas de segurança e que haverá maior transparência. Será que isto que agora nos dizem é apenas aquilo que querem que ouçamos!?
As redes sociais são locais de elevada exposição das pessoas, são locais de encontro (alguns inesperados e felizes), são locais de manifestação/ afirmação e até locais de aparente partilha. São, assim, um dos locais onde as pessoas são mais frágeis, mais disponíveis e mais suscetíveis pois, sozinhas em frente ao ecrã do seu telefone, não existem filtros para se exprimirem e/ ou para se emocionarem.
Sei que são apenas sinais de um Mundo que se vai construindo e que nos vai empurrando para um novo "contrato social" onde as nossas escolhas são feitas numa aparente liberdade. Às vezes pergunto-me se terá sido sempre assim?

O autor utiliza o
novo Acordo Ortográfico



Outros artigos de Hélder Guerreiro

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 25/06/2019
Speed Talent:
um projecto para
jovens empreendedores
O projecto Speed Talent-Acelerador de Talentos já arrancou por todo o Alentejo e também na região do Ribatejo.
07h00 - terça, 25/06/2019
Governo defende importância
dos portinhos de pesca
O secretário de Estado das Pescas defende a importância dos portinhos de pesca artesanal num momento em que se fala tanto da "economia do mar" e de grandes projectos ligados ao sector.
07h00 - terça, 25/06/2019
Bloquistas do
Alentejo Litoral
reuniram em Santiago
A agricultura intensiva, o transporte ferroviário e os direitos laborais foram algumas das questões em debate no primeiro Encontro do Alentejo Litoral do Bloco de Esquerda (BE), que se realizou no passado sábado, 22, em Santiago do Cacém.
07h00 - segunda, 24/06/2019
"Transporte a Pedido"
no concelho de Odemira
Melhorar as condições de mobilidade no concelho de Odemira, sobretudo nas freguesias do interior, é a grande meta do "Transporte a Pedido", projecto que a Câmara de Odemira conta lançar no segundo semestre deste ano.
07h00 - segunda, 24/06/2019
Acordo ambiental para
a lagoa de Melides
Um total de 14 entidades públicas e privadas subscreveram na passada semana o Acordo Ambiental para a Zona Húmida da Lagoa de Melides (Grândola), desenvolvido no âmbito do projecto europeu "WetNet".

Data: 21/06/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial