16h28 - quinta, 25/04/2019

O futuro é já amanhã!


Carlos Pinto
A greve dos motoristas de matérias perigosas da passada semana, além de "secar" muitos dos postos de abastecimento de combustíveis do país (Alentejo Litoral incluído), pôs a nú uma evidência: a economia portuguesa ainda depende em demasia das energias fósseis, nomeadamente do petróleo. É que bastaram três dias de paralisação e logo tocaram os sinos a rebate, dada a possibilidade do país parar literalmente por falta de gasóleo ou gasolina (e também devido a uma elevada dose de histeria e sofreguidão em grande parte da população/ consumidores).
Não obstante estas atenuantes, o sucedido nesses dias que antecederam a época pascal devem obrigar-nos a uma série reflexão sobre os pilares em que assenta a nossa economia. Não a questão do fim, mas a dos meios. Porque o ficou claro é que, independemente dos sectores, para que a "máquina" funcione e haja consumo e vendas é necessário haver… combustível! O que quer dizer que temos ainda um longo caminho a percorrer no processo de descarbonização da economia, onde as energias renováveis terão de assumir a posição agora ocupada pelas fontes energéticas fósseis.
Mas isso não se faz com um "estalar de dedos" ou com passes de mágica. É preciso estratégia e visão de médio e longo-prazo. E ter sempre em conta que processos desta natureza não evoluem da mesma forma em territórios de alta e baixa densidade. Nestes últimos as transformações implicam sempre riscos e desafios maiores, sendo indispensável uma visão global mas também local que impeça assimetrias ainda maiores do que as já se verificam nos dias de hoje. Porque o futuro é já amanhã e ainda há muito trabalho por fazer.

2. Um dos slogans mais populares em Portugal diz que "o que é nacional é bom". O anúncio ficou no ouvido de gerações e continua a fazer sentido, sobretudo numa sociedade cada vez mais higienizada e estandardizada, onde tudo é igual e tudo sabe ao mesmo. Por isso mesmo é de louvar a aposta que o Município de Odemira, juntamente com outras entidades do concelho, tem vindo a desenvolver na promoção de produtos tradicionais como o medronho, o mel ou, mais recentemente, as alcôncoras. Um trabalho que ajuda a preservar a memória destes sabores e que, mais importante ainda, abre novas janelas de oportunidade a estas verdadeiras "maravilhas" da nossa gastronomia.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quinta, 18/07/2019
FACECO 2019 apoia
pescadores da Azenha
A FACECO terá um cariz solidário em 2019, uma vez que metade do valor resultante da venda de entradas reverterá para a campanha solidária que está a decorrer em favor dos pescadores da Azenha do Mar afectados pelo incêndio de 6 de Maio.
07h00 - quinta, 18/07/2019
"Músicas do Mundo"
arranca no Porto Covo
Arranca nesta quinta-feira, 18 de Julho, a 21ª edição do Festival Músicas do Mundo (FMM) de Sines, que promete uma viagem em redor do globo através da música até ao próximo dia 27 de Julho (sábado), com concertos em Porto Covo e Sines.
07h00 - quinta, 18/07/2019
Transportes públicos mais baratos
em Agosto no Alentejo Litoral
As populações dos cinco concelhos do Alentejo Litoral vão passar a pagar, a partir de Agosto, um máximo de 40 euros por mês pelo seu passe nas viagens realizadas através da Rodoviária do Alentejo com origem e destino nestes municípios.
07h00 - quarta, 17/07/2019
Concurso de fotografia
em Santiago do Cacém
já tem vencedor
Nuno Alexandre Mateus, com o trabalho "Interacções", foi o vencedor da quarta edição do concurso de fotografia "Num instante… um novo olhar", promovido pela Câmara Municipal de Santiago do Cacém.
07h00 - quarta, 17/07/2019
Alcácer do Sal
promove actividades
para os mais novos
A Câmara de Alcácer do Sal e o Agrupamento de Escolas local promovem até ao final da próxma semana, 26 de Julho, mais uma edição do programa de Actividades de Animação e Apoio à Família (AAAF).

Data: 05/07/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial