16h43 - quinta, 05/09/2019

Lutar contra a desertificação


Carlos Pinto
O Tribunal de Contas (TdC) recomendou, nesta semana, que o Governo reveja o Programa Nacional de Combate à Desertificação (PANCD), concluindo que, por falta de recursos, aquele instrumento não tem assumido "uma verdadeira natureza de programa ou plano de acção".
De acordo com a auditoria realizada (e divulgada) pelo TdC, este programa, criado em 2014, "não identificou as concretas acções a desenvolver, as entidades e as áreas de governação responsáveis pela sua execução, o respectivo calendário, o custo envolvido" e a articulação com os programas ou fundos que poderiam financiá-lo. Em suma, o PANCD foi, ironia das ironias, um verdadeiro "deserto", sem acções e sem efeitos.
Tudo isto leva o TdC a aconselhar o Governo a, por um lado, "rever o PANCD" por forma a poder aproveitar o próximo período de fundos europeus, de 2021 a 2027 e para cumprir a meta de alcançar a neutralidade na degradação do solo em 2030, e, por outro lado, a criar "um sistema de acompanhamento permanente e actualizado da desertificação e da degradação dos solos" em Portugal.
Esta é, sem dúvida alguma, uma questão prioritária para o país, sobretudo para os territórios mais interiores a sul de Portugal, onde se inclui, naturalmente, o Alentejo Litoral. Porque "desertificação" é mais que uma ideia genérica debatida por técnicos e teóricos – ela é, na prática, sinónimo de degradação, de abandono e, sobretudo, de ausência de vida.
Urge, portanto, que esta matéria esteja no topo das prioridades de quem de direito. E numa altura em que estamos já em período de pré-campanha eleitoral para as Legislativas de 6 de Outubro, é essencial que os partidos não percam de vista este assunto em detrimentos de temas que até podem ser muito interessantes do ponto de vista da oralidade e das manchetes, mas que pouco ou nada acrescentam ao bem-estar dos portugueses… nomeadamente daqueles que vivem longe dos grandes centros urbanos de Lisboa, Porto ou Braga!



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 26/02/2020
Gabinete Técnico Florestal
de Odemira apoiado pelo ICNF
A Câmara de Odemira já recebeu o financiamento do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) para o funcionamento do seu Gabinete Técnico Florestal, num montante total de quase 14 mil euros.
07h00 - quarta, 26/02/2020
Alcácer do Sal
investe na Educação
A Câmara de Alcácer do Sal vai assegurar o acesso à plataforma digital "Escola Virtual", da Porto Editora, ao longo dos próximos três anos lectivos, num investimento avaliados em cerca de 11 mil e 500 euros.
07h00 - quarta, 26/02/2020
CM Sines atribui
75 bolsas de estudo
A Câmara de Sines vai apoiar os alunos do concelho que estudam no ensino superior em 2019-2020, através da atribuição de, pelo menos, 75 bolsas de estudo, num investimento que pode chegar aos 75 mil euros.
07h00 - segunda, 24/02/2020
Projecto "Digital Mais"
em Santiago do Cacém
A Câmara de Santiago do Cacém viu aprovada, por fundos europeus, a candidatura que apresentou do programa "Santiago do Cacém Digital Mais", que representa um volume de investimento elegível de 425 mil euros.
07h00 - segunda, 24/02/2020
Freguesia do PNSACV
reuniram em Sines
A falta de cuidados de saúde na região,os problemas causados caravanismo e campismo selvagem, e a agricultura intensiva no Perímetro de Rega do Mira foram alguns dos temas que estiveram sobre a mesa na passada semana na reunião da Associação de Freguesias do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

Data: 14/02/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial