17h54 - sexta, 20/09/2019

Neoplasias mieloproliferativas


Jorge Freitas
As neoplasias mieloproliferativas, em particular, a Mielofibrose, a Policitemia Vera e a Trombocitemia Essencial, representam um grupo heterogéneo de distúrbios do sistema hematopoiético associado a sintomas debilitantes com consequente redução da qualidade de vida nestes doentes e com um impacto negativo nas atividades de vida diária destes.
O diagnóstico e o tratamento dos doentes com neoplasias mieloproliferativas evoluíram com a identificação de mutações que ativam a via JAK (mutações JAK2, CALR e MPL) e com o desenvolvimento de terapêuticas direcionadas, resultando em melhorias significativas nos sintomas e na qualidade de vida relacionados com a doença.
No entanto, certos aspetos da gestão clínica em relação ao diagnóstico, avaliação da carga de sintomas e seleção de terapêuticas adequadas direcionadas aos sintomas continuam a apresentar desafios para profissionais que lidam diariamente com estes doentes.
Estas neoplasias ocorrem com mais frequência em pessoas com mais de 65 anos e homens têm mais probabilidade de serem afetados do que mulheres.
A etiologia e patogénese permanecem pouco esclarecidas. Para além da falência medular e das citopenias periféricas, comuns nas diversas formas destas neoplasias, a proliferação clonal de progenitores hematopoiéticos associada a mutações genéticas e/ou epigenéticas hereditárias ou adquiridas pode também estar presente.
Os sintomas mais importantes a considerar e decorrentes destas doenças, podem incluir a fadiga, o prurido, suores noturnos, dor abdominal, saciedade precoce (estes dois relacionados com esplenomegalia), sendo a fadiga, o sintoma mais frequente e mais severo reportado pelos doentes.
Os recentes estudos apontam que entre os doentes com neoplasias mieloproliferativas, os doentes com Mielofibrose são geralmente os que reportam maior carga sintomática e menor qualidade de vida.
As guidelines da NCCN (National Comprehensive Cancer Network) recomendam a avaliação e monitorização destes sintomas utilizando a escala MPN-10. Esta escala é de autoavaliação, utilizada pelos doentes e inclui a avaliação de 10 sintomas, numa avaliação que vai dos 0 aos 100 pontos.
Alterações na sintomatologia podem ser sinais de progressão de doença e, por isso, poderá ser um indicador da necessidade de reavaliação da evolução da doença e/ou da abordagem terapêutica. É uma ferramenta muito útil a utilizar pelos profissionais na abordagem destes doentes validando o seu estado de saúde no momento da consulta presencial.
Partindo destas necessidades, a AEOP está a desenvolver um estudo nacional onde inclui diferentes centros de norte a sul do país, que tratam e acompanham estes doentes, no sentido de avaliar e monitorizar os sintomas nos doentes com neoplasias mieloproliferativas, através desta escala MPN-10, aplicada pelas equipas de enfermagem destas unidades hospitalares envolvidas.
Tem uma outra vertente que é planear um eficaz acompanhamento contínuo destes doentes, com vista à melhoria da sua qualidade de vida e diminuição da carga sintomática. Sabemos que intervindo à priori nestas patologias, conseguindo que os doentes conheçam e colaborem ativamente na prevenção do aparecimento dos sintomas, aumenta a sua qualidade de vida, dá mais segurança aos profissionais que os tratam e contribui para uma maior eficácia do tratamento.
Para aumentar esta eficiência nas intervenções dos profissionais, o grupo de investigadores construiu três documentos que descrevem e orientam o doente para a prevenção dos sintomas mais importantes em cada patologia (Mielofibrose, a Policitemia Vera e a Trombocitemia essencial).
Esta estratégia de incluir um documento informativo dirigido visa otimizar as orientações e indicações dos profissionais para com o doente.

O autor utiliza o
novo Acordo Ortográfico



Outros artigos de Jorge Freitas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

09h00 - quinta, 14/11/2019
Regadio no Mira: Bloco
quer audição com ministros
O Bloco de Esquerda (BE) já solicitou uma audição, "com carácter de urgência", dos ministros das Infra-estruturas e Habitação e do Ambiente e Ação Climática sobre o novo regime especial e transitório para o Perímetro de Rega do Mira.
07h00 - quinta, 14/11/2019
Atletas de Odemira com
sete vitórias em Odivelas
Um total de sete vitórias foi o que os atletas das equipas de atletismo do concelho de Odemira conseguiram alcançar no V Grande Prémio de São Martinho, que se realizou na aldeia de Odivelas (Ferreira do Alentejo) no passado domingo, 10.
07h00 - quinta, 14/11/2019
CDS questiona Governo sobre
Hospital do Litoral Alentejano
A deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa questionou nesta quarta-feira, 13, a ministra da Saúde sobre o ocorrido na noite anterior nas Urgências do Hospital do Litoral Alentejano (HLA), em Santiago do Cacém, em que um chefe de equipa afixou um comunicado alertando os utentes para os tempos de espera elevados.
07h00 - quarta, 13/11/2019
ZIL 2 de Sines vai
ter obras de ampliação
A Câmara de Sines acaba de abrir o concurso público para execução da empreitada de expansão nascente da Zona de Indústria Ligeira (ZIL) 2, investimento avaliado em cerca de 1,3 milhões de euros.
07h00 - quarta, 13/11/2019
Limpeza de contentores
do lixo em Santiago
A Câmara de Santiago do Cacém iniciou nesta semana uma nova acção de higienização dos contentores de resíduos urbanos indiferenciados do concelho, num total de 1864 contentores de superfície.

Data: 01/11/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial