12h40 - quinta, 14/11/2019

Mais uma vez, a agricultura!


Fernando Almeida
Nasci em Lisboa, lá cresci, e fiz-me gente entre a classe média da capital, e como era natural nos tempos da minha juventude, vivi rodeado por "intelectuais urbanos de café". Era assim nos Anos 70 do século passado, tempo de idealismos e revolução, e pelo que me parece, continua a ser mais ou menos o mesmo. Aquela gente, os tais "intelectuais urbanos de café", é gente que lê muito, e que a qualquer momento pode disparar uma citação decorada de um autor a quem reconhece capacidade e sabedoria superior, e faz disso a sua própria razão. Mas quanto a pensamento próprio, às vezes, nem por isso…
Ainda hoje gosto de conversar com essas pessoas, tanto pelas velhas amizades, como porque geralmente são bem-intencionados humanistas e sabem argumentar, e ainda porque me lembram as tardes e noites de debates infindáveis, mas inconsequentes, da minha mocidade. Mas com a idade, enquanto eu vim beber realidade ao mundo rural, esses meus amigos frequentemente mantiveram apenas o conhecimento urbano e tornaram-se um tanto dogmáticos e teóricos das "verdades" indiscutíveis de outros tempos.
Por isso, o seu idealismo choca com a realidade da vida do comum dos mortais e das suas atividades produtivas, que geralmente desconhecem por completo. É afinal mais uma reminiscência distante do antagonismo entre teoria e prática, que é também resultado da dicotomia de classes sociais e ainda dos mundos rural e urbano, tão típicos do nosso Portugal. Ainda hoje é difícil encontrar quem concilie com sucesso essas diferentes faces do mesmo mundo.
Muitos deles são hoje "ecologistas" ativos, o que é meritório, tanto pela preocupação com o ambiente que manifestam (e que todos temos que ter cada vez mais), como pelo esforço de militância que despendem em benefício da comunidade e do seu futuro. Portanto deixo claro o meu reconhecimento e admiração a todos os que gastam o seu tempo, esforço e mesmo dinheiro, em atividades altruístas de qualquer tipo, e ainda mais se relacionadas com o futuro do planeta em que os nossos filhos e netos vão viver.
Para ajudar a conciliar a teoria com a prática no particular da agricultura e do ambiente, já tenho pensado convidar um grupo dos que mais vivamente se opõem à agricultura do nosso concelho para um exercício prático de observação do mundo real, para que longe das mesas de café e das "verdades" discutidas à sua volta se possa ver o mundo sem preconceito e como ele realmente é. À falta de poder fazer esse convite pessoalmente a cada um, convido todos para um exercício prático e autónomo de observação da natureza.
Quando tiverem tempo vão por exemplo até à região do Cavaleiro, onde domina a agricultura, com campos abertos semeados, canais de rega e mesmo estufas. Deixem o automóvel na estrada e metam-se por um caminho de terra qualquer. Experimentem fazer uma caminhada, por exemplo de um quilómetro, e vão observando e registando o que vêm.
Ainda que não tenham formação e conhecimento para identificar com segurança as diversas espécies presentes (tanto por observação direta, como pela observação de vestígios, como excrementos, pegadas, regurgitações, etc.), registem o que conseguirem, tanto no que toca a quantidade como no que se refere à diversidade.
Depois viajem até uma área não agrícola, por exemplo a sul do Rogil, onde há campos de matos com esteva curta, tavagueira e outros espaços de poisio ou abandono. Neste local procedam do mesmo modo: um quilómetro, sempre observando e registando o que vêm.
Depois disso terão uma árdua tarefa, provavelmente dolorosa, mas inegavelmente útil. Vão ter que tentar compatibilizar o estereótipo que nos deram a todos como verdade indiscutível, que diz que a agricultura é responsável pelo empobrecimento da vida selvagem, e que os matos sem ocupação humana são ambientes muito ricos, com a realidade que terão certamente observado e que aponta exatamente em sentido contrário. Depois pensem, de preferência a sós e despidos de preconceitos.
Isto que vos proponho não significa de todo que o que acontece nos nossos campos agrícolas seja irrepreensível, ou mesmo recomendável para a vida (a nossa e a selvagem), e que não haja que corrigir com urgência muito daquilo que está mal e não permite a sustentabilidade da nossa terra. Mas isso tem que ser feito com os agricultores, sem os tomar como inimigos, ajudando-os antes a produzir de forma que consigam garantir o seu sucesso económico, a qualidade do ambiente, o equilíbrio da nossa balança agroalimentar, e ainda a comida na nossa mesa a cada dia.
E pensem em tudo isto seriamente, porque estou quase certo que muitos dos que criticam os agricultores e a sua atividade, morriam de fome em pouco tempo se os agricultores deixassem de trabalhar.

O autor utiliza o
novo Acordo Ortográfico



Outros artigos de Fernando Almeida

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 11/12/2019
Câmara de Odemira lança
roteiro "Mira a Terra"
A Câmara de Odemira vai lançar junto da comunidade escolar do concelho o roteiro "Mira a Terra", que vai permitir uma oferta organizada de actividades lúdico-didácticas para aprendizagem das áreas científicas fora sala de aula.
07h00 - quarta, 11/12/2019
Santo André recordou
padre Manuel Malvar
O padre Manuel Malvar, já falecido, foi homenageado no passado domingo, 8, em Santo André, com a atribuição do seu nome ao Largo da Aldeia, numa cerimónia promovida pela Câmara de Santiago do Cacém.
07h00 - quarta, 11/12/2019
CM Sines requalifica
Rua Marquês de Pombal
A Câmara de Sines já tem a decorrer as obras da primeira fase de requalificação da Rua Marquês de Pombal, um dos principais eixos de circulação da cidade, num investimento avaliado em cerca de 1,2 milhões de euros.
07h00 - terça, 10/12/2019
Direitos humanos
debatidos em Alcácer
O Auditório Municipal de Alcácer do Sal recebe nesta terça-feira, 10, a partir das nove da manhã, a segunda edição do Encontro "Cidadania e Direitos Humanos", promovido no âmbito do Plano Intermunicipal para a Igualdade 2017-2020.
07h00 - terça, 10/12/2019
Workshops de artesanato
na vila de Odemira
A CACO-Associação de Artesãos do Concelho de Odemira dinamiza a partir desta terça-feira, 10, quatro workshops de artesanato no novo espaço do Centro em Rede de Inovação do Artesanato Regional (CACO), em Odemira.

Data: 29/11/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial