12h07 - quinta, 16/01/2020

As organizações, as pessoas e o empenhamento organizacional


Cláudia Silva
As organizações são as pessoas! Independentemente do setor ou área de intervenção, são as pessoas as responsáveis pelo avanço e desenvolvimento das mesmas. Acreditando que o capital humano continua a ser o fator distintivo das organizações, e que pessoas empenhadas têm mais probabilidade de permanecer nas organizações, o estudo acerca deste conceito (empenhamento) assume-se como uma ferramenta importante para a gestão de recursos humanos.
Existem diversas definições do conceito de empenhamento organizacional, contudo parece ser consensual que este liga o indivíduo à organização e que se refere à força com que este se identifica e nela participa. O empenhamento só é possível quando o indivíduo aceita e interioriza os objetivos e os valores de uma organização e identifica a sua contribuição para os mesmos.
O conceito de empenhamento organizacional é, no entanto, mais complexo! Este subdivide-se em três componentes: o afetivo, que traduz o apego do colaborador à organização; o de obrigação ou normativo, que se refere ao dever do funcionário permanecer na organização; e o de continuação ou instrumental, que reflete a perceção que o colaborador têm sobre os custos associados com o seu abandono da organização.
O componente afetivo do empenhamento organizacional tem sido o mais estudado pelos efeitos que produz nos resultados da organização, pois a evidência demonstra relações positivas entre o empenhamento e o desempenho. Existe uma ligação positiva significativa entre este componente e algumas dimensões que se relacionam com os restantes componentes (Normativa e Instrumental), como é o caso do clima organizacional, a participação e a perceção de coesão de grupo. As pessoas mais empenhadas afetivamente apresentam maior probabilidade de melhorar o seu desempenho, ao passo que uma relação com a organização mais focada na componente normativa leva a que as mesmas se limitem a fazer apenas o que é estritamente obrigatório. Se sentirem que pertencem à organização, tendem a desenvolver mais esforços no seu desempenho do que quando estão na mesma por obrigação ou necessidade. O componente afetivo, caracterizado pelo envolvimento emocional com a organização, está ainda relacionado com a assiduidade, pontualidade e comportamentos de cidadania.
A forte ligação afetiva à organização revela grande influência nos colaboradores, fazendo com que estes deem mais de si e do seu tempo, minimizando eventuais condições de trabalho menos favoráveis, compensando um menor empenhamento instrumental. Contudo, este componente não impede que a pessoa possa sair, pois há um limite de tolerância a partir do qual o "amor à camisola" perde o seu efeito.
Como tal, embora possa ter resultados importantes para o desempenho da organização e justifique que o gestor de recursos humanos possa desenvolver estratégias que promovam o empenhamento afetivo, as restantes componentes não devem ser descuradas, sob pena de se perderem os resultados já alcançados
Para promover o empenhamento afetivo, o gestor deverá dar preferência às práticas que têm um impacto positivo neste, sem que prejudiquem os componentes normativo e/ou instrumental, como por exemplo: estabilidade/segurança de emprego; descentralização de estruturas/equipas autogeridas; recompensas pelo desempenho; acesso à formação contínua; e investimento na partilha de informação com os colaboradores
A compreensão do efeito que o empenhamento organizacional dos colaboradores pode ter na organização torna-a mais competitiva e fundamenta o desenvolvimento de intervenções e definição de políticas que reforcem a ligação pessoa-organização. As pessoas têm sonhos, expetativas e ambições, pelo que as organizações que queiram atingir os seus objetivos não devem ignorar tais aspirações.
Impõem-se, assim, uma atenção especial ao componente afetivo, uma vez que o sucesso de uma organização depende, em grande medida, da presença de colaboradores empenhados, com perfil de competências direcionado para o futuro, flexíveis e de elevada produtividade.
Assim, os colaboradores devem ser considerados "cidadãos internos" da organização, tendo esta de ser pensada de modo a proporcionar condições de realização pessoal e profissional!

A autora utiliza o novo
Acordo Ortográfico



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - segunda, 17/02/2020
Deputados do PS questionam
Governo sobre saúde em Odemira
Os dois deputados do PS eleitos por Beja questionaram a ministra da Saúde sobre as carências na área da Saúde verificadas no concelho de Odemira e sobre a escassez de profissionais de saúde e de equipamentos no Hospital do Litoral Alentejano.
07h00 - segunda, 17/02/2020
Porto de Sines
previne coronavírus
A Adminsitração dos Portos de Sines e do Algarve (APS) tomou uma série de medidas relativas à epidemia causada pelo "COVID-19" (coronavírus), na sequência das orientações recebidas da Autoridade de Saúde local.
07h00 - segunda, 17/02/2020
Odemirense e Milfontes
continuam na Taça
As equipas do Odemirense e do Praia de Milfontes garantiram neste domingo, 16 de Fevereiro, a passagem aos quartos-de-final da Taça do Distrito de Beja da temporada 2019-2020.
07h00 - sexta, 14/02/2020
Nadadores de Odemira
com bons resultados
Os nadadores do Núcleo Desportivo e Cultural de Odemira (NDCO) estiveram em bom plano no III Meeting Internacional Luso-Andaluz, que se realizou a 8 e 9 de Fevereiro nas piscinas da cidade de Tomar.
07h00 - sexta, 14/02/2020
Secretário da Energia
dos EUA visitou Sines
O Porto de Sines recebeu, na quarta-feira, 12, a visita do secretário da Energia dos EUA, Dan Brouillette, que se fez acompanhar pelo embaixador dos EUA em Lisboa, George Glass, e pelo ministro das Infra-estruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos.

Data: 14/02/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial