11h11 - quinta, 30/01/2020

Odemira, o maior concelho de Portugal


António Martins Quaresma
No trilho das efemérides iniciado com a minha última crónica, lembro que neste ano de 2020 perfazem 170 anos sobre o decreto de 24 de outubro de 1855, a cujas resoluções se deve grande parte da realidade contida no título deste texto.
Com a instauração do Estado liberal, o ordenamento territorial do país sofreu importante restruturação, de modo que várias centenas de municípios foram abolidos. Segundo os novos conceitos, era necessário acabar com a situação proveniente do Antigo Regime – e já então, especialmente nos últimos anos, criticada pelos espíritos iluminados –, em que a miniaturização concelhia impedia o seu funcionamento racional, desde logo pela falta de gente capaz para assegurar a administração municipal. Por outro lado, os critérios de centralidade geográfica das sedes concelhias e a sua importância económica e demográfica relativa no interior dos concelhos determinou também alterações. Tratava-se, portanto, de dar racionabilidade à administração autárquica, numa nova perspetiva nacional e centralizada.
Os grandes concelhos tornaram-se assim tendencialmente maiores e os pequenos sofreram drástica redução. A reforma territorial, pensada desde a revolução liberal de 1820, efetivou-se, finalmente, enquadrada em novo código administrativo. Por decreto de 6 de novembro de 1836, durante o governo setembrista, dirigido por Passos Manuel (a revolução de Setembro fora pouco antes) fez sair o arrasador decreto que passou o país de mais de 800 concelhos para 351, uma redução de quase 500. Além disso, legislação então produzida conferia à freguesia – até então um conceito sobretudo religioso – estatuto autárquico no quadro administrativo português.
É preciso notar que o decreto de 6 de novembro de 1836, naturalmente conotado com a esquerda política, o "Setembrismo", se baseou em trabalhos de uma comissão (de que fazia parte o competente técnico de origem italiana Marino Miguel Franzini), que apreciou o anterior trabalho das juntas gerais de distrito, convocadas para o efeito ainda antes da revolução de setembro. A reforma, pelo menos no que toca ao concelho de Odemira, não haveria, porém, de ficar concluída antes do fim do século XIX; durante mais de 60 anos, a instabilidade territorial caraterizou o espaço concelhio.
A primeira alteração experimentada pelo concelho de Odemira foi a inclusão de Santa Clara-a-Velha, freguesia retirada a Ourique, logo em 1836, que não mais sairia de Odemira, mostrando-se assim como uma das mais estáveis, e constituiu o primeiro alargamento para leste. Mas, ao mesmo tempo, Odemira perdeu transitoriamente São Luís para o concelho de Milfontes (então com sede no Cercal), o que conferiu à vila de Odemira uma posição muito menos central no território concelhio, amputado a norte e expandido para nascente. Por pouco tempo, pois, em menos de um ano, São Luís regressava a Odemira, a pedido dos próprios moradores.
Finalmente, com o inicialmente citado decreto de 24 de outubro de 1855, já em plena Regeneração, terminada a guerra civil e com a situação política mais estável, o concelho de Milfontes/ Cercal foi abolido e as freguesias que então o constituíam – Milfontes, Cercal e Colos – agregadas a Odemira. Conforme o mesmo decreto, foram ainda anexadas a Odemira a freguesia de Vale de Santiago, do concelho de Messejana, suprimido, e Santa Luzia e São Martinho das Amoreiras, do concelho de Ourique. No judicial, foram criadas novas comarcas, e também Odemira se tornou sede comarcã. Portanto, um decreto muito favorável a Odemira, que, nas suas pretensões, os notáveis locais haviam de ter como referência nos anos seguintes.
Daí até ao final do século, a extinção de concelhos acalmou, embora não tivesse terminado. Na verdade, no distrito de Beja não houve mais abolições de concelhos. Mas, a freguesia de São Martinho "dançaria" entre Ourique e Odemira, até à final inclusão em Odemira, em 1899. Entretanto, freguesias que, durante algum tempo, tinham feito parte do concelho de Odemira acabaram por sair: foi o caso de Cercal, que se fixou em Santiago do Cacém, o de Santa Luzia, em Ourique, e o de Odeceixe, em Aljezur.
O concelho de Odemira, embora, desde a Idade Média, não fosse um concelho pequeno, assumiu a área atual – ca. 1720 Km2 – em virtude da reconfiguração do território português, promovida pelo Estado Liberal, a partir de 1836, que, no seu caso, teve o momento alto em 1855.

O autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 29/09/2020
ABC de Santo André
na 1ª divisão nacional
de basquetebol
A equipa do Atlético Basquete Clube (ABC) de Santo André? venceu no domingo, 27, os Salesianos do Estoril por 75-60, garantindo a subida ao campeonato nacional da 1ª divisão da modalidade.
07h00 - terça, 29/09/2020
Alcácer do Sal
mantém IMI mais baixo
do distrito de Setúbal
A Câmara de Alcácer do Sal vai manter em 2021 a taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nos 0,3% para os prédios urbanos, naquele que é o valor mais baixo praticado pelas autarquias em todo o distrito de Setúbal.
07h00 - terça, 29/09/2020
Odemira aprova moção sobre
transportes escolares no concelho
A Assembleia Municipal de Odemira aprovou na sexta-feira, 25, por unanimidade uma moção, apresentada pelos eleitos do PS, onde manifesta as suas preocupações relativamente ao transporte escolar no concelho no presente ano escolar de 2020-2021.
07h00 - segunda, 28/09/2020
Assembleia Municipal
de Odemira aprova
moção sobre água
Os eleitos da Assembleia Municipal de Odemira defendem que a Câmara de Odemira, "em articulação com os restantes municípios do país, deverá desenvolver de imediato esforços junto de quem de direito para que os municípios portugueses onde existam barragens de água para abastecimento público, regadio e outros fins devam fazer parte integrante dos órgãos de decisão de planeamento e gestão das respectivas bacias hidrográficas".
07h00 - segunda, 28/09/2020
Praia de Milfontes
eliminado da Taça
A formação do Praia de Milfontes disse adeus à edição de 2020-2021 da Taça de Portugal, após ter sido eliminada neste domingo, 27 de Setembro, na casa do Mineiro Aljustrelense.

Data: 18/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial