16h54 - quinta, 27/02/2020

A ermida da Cela


António Martins Quaresma
Situada em plena Serra do Cercal, ainda na freguesia de Vila Nova de Milfontes, em lugar aprazível (coordenadas 37o 46' 09.65'' N; 8o 42' 39.85'' O), a ermida da Cela, cuja invocação variou entre Nossa Senhora e Santo António, constituiu, para a população das redondezas, em particular a de Milfontes, um motivo de atração festivo-religiosa. Os acessos, a partir de Milfontes, fazem-se através da estrada do Cercal, voltando, à direita, no sétimo quilómetro, por caminho de terra, na direcção do monte da Alpendurada, depois da Cela de Baixo, e daí, por caminho de pé-posto, até à elevação onde a ermida se encontra, que exige uma fácil prática de escalada; ou então, voltando na curva do Soudo, por caminho de terra até ao monte da Cela do Meio, junto de cujo portão o carro deve ser deixado, e, contornando esta propriedade, chega-se, a pé, à ermida.
Até à década de 1950 o povo acorria à ermida, mormente em determinadas datas, fazendo passeios – muitas vezes em burricada – em que a componente recreativa e social estava muito presente (ver foto de burricada, datada de 1926). As alumiadas, as vigílias e os bailes, em particular no 1º de Maio, faziam, igualmente, parte de algumas práticas da religiosidade popular, eivadas de reminiscências pagãs, que a ermida concitava. Nunca foi, porém, um santuário de multidões, mas apenas de pequenos grupos de pessoas, aliás de acordo com a demografia regional.
A história da ermida remonta ao século XVI, embora possivelmente se tivesse erguido sobre um mais antigo santuário, e liga-se à figura de um frade franciscano, de seu nome Bernardino, aqui refugiado da vivência do mundo, como era corrente no fenómeno do eremitanismo. Ele morreu quando, chamado a Lisboa pelo seu Provincial, a caravela em que seguia naufragou na barra do rio Mira. Segundo a narrativa da sua morte, transmitida por escritores de feitos e casos religiosos, Frei Bernardino terá predito o naufrágio ao embarcar e, logo depois, as águas transportaram o seu corpo, esteiro acima, até à proximidade da sua cela, onde foi encontrado, com as mãos cruzadas sobre o peito e o breviário enxuto na bolsa. O facto, considerado milagroso, levou a população a erguer uma ermida no lugar da sua cela, devotada, nos primeiros tempos, a São Bernardino de Sena, santo italiano muito em voga, que tinha o nome do nosso eremita.
Deixando o antigo relato imbuído de maravilhoso, vemos, hoje, que o edifício se encontra em ruínas, com a alvenaria de xisto e barro à vista. É ainda bem legível a sua estrutura composta: nave e capela-mor rectangulares, separadas por arco triunfal; e pequena sacristia, também rectangular, adossada à capela-mor, segundo determina a regra, do lado da Epistola. A fachada obedece ao modelo dito "em bico", o mais usual nas singelas ermidas rurais, e apresenta, à esquerda de quem entra, vestígios de uma sineira; da cobertura do corpo principal, em duas águas, resta apenas o sector correspondente à capela-mor.
Na pedra da verga do portal é visível uma inscrição, gravada pela mão de alguém sem domínio da escrita, com a data, aparentemente, de 1704, evocando um momento em que recebeu obras de monta. No interior da capela-mor, perduram vestígios de pinturas murais, testemunhos das beneficiações levadas a cabo por finais do seculo XVIII.
A ermida está registada em nome da Paróquia, mas subsiste alguma confusão pois um particular reclama a sua propriedade. Tudo resulta, parece, de um lapso aquando dos registos efectuados no tempo da I República, lapso que, no entanto, foi resolvido, mais tarde, pelo Estado a favor da Igreja. Em todo o caso, urge resolver a questão do registo predial.
Nos últimos anos, a ermida da Cela tem continuado a sofrer o efeito da passagem do tempo, com a agravante de ter sido alvo de "caçadores de tesouros", que, naturalmente não encontraram qualquer tesouro, mas, esburacando o pavimento, acentuaram os riscos para a "saúde" do pequeno edifício. Um grupo de amigos da ermida, conduzido pelo autor destas linhas, levou a cabo, há alguns anos, o escoramento dos vãos, que acusavam sinais de estarem a ceder.
O "destino" desta ermida é exemplar: com a transformação da sociedade, com o abandono das antigas práticas religiosas e festivas, com o próprio esquecimento da sua existência, o pequeno templo quedou-se abandonado, embora se encontre em lugar aprazível e constitua um interessante pedaço de património cultural. Nem o aproveitamento turístico, possivelmente a solução para a sua manutenção e o seu uso, foi até hoje equacionada. Este é, portanto, um "dossier" que, apesar de tudo, continua em aberto.

O autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 02/06/2020
Deputados do PS visitaram
concelho de Odemira
Os dois deputados do PS eleitos pelo distrito de Beja visitaram nesta segunda-feira, 1 de Junho, alguns restaurantes e unidades turísticas do concelho de Odemira, assim como uma empresa agrícola local.
07h00 - terça, 02/06/2020
Porto de Sines subscreve
declaração internacional
O Porto de Sines é um dos subscritores da declaração da Port Authorities Roundtable (PAR) sobre "a necessidade e empenho das autoridades portuárias em manter a continuidade e o funcionamento" dos portos em contexto de pandemia Covid-19.
07h00 - terça, 02/06/2020
Misericórdia de Alcácer
com espaço para visitas
A Santa Casa da Misericórdia de Alcácer do Sal conta desde esta segunda-feira, 1 de Junho, com um stand de apoio às visitas aos utentes que se encontram na instituição, oferta da Câmara Municipal local.
07h00 - segunda, 01/06/2020
Odemira cria fundos de emergência
para apoiar famílias e empresas
Minimizar o impacto da crise social e económica nas famílias e empresas do concelho de Odemira e fazer face à diminuição dos rendimentos causada pela pandemia da Covid-19 é a meta dos fundos de emergência criados pela Câmara Odemira, no valor total de 1,25 milhões de euros.
07h00 - segunda, 01/06/2020
Câmara de Alcácer vai
comprar três autocarros
A Câmara de Alcácer do Sal aprovou na passada semana, em reunião do executivo, a abertura de um concurso público internacional para a aquisição de três viaturas pesadas de passageiros.

Data: 22/05/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial