15h03 - quinta, 26/03/2020

O vírus do "nosso descontentamento"


António Martins Quaresma
Era quase inevitável. Esta crónica tinha de ser influenciada pela crise do Covid-19. Depois de um período inicial em que o tópico "coronavírus" foi principalmente motivo para uma caricata pirotecnia mediática, em todo o caso alarmante; depois de o vírus ter sido apresentado como sendo escassamente mortal (mesmo agora foi divulgado que, em Wuhan, terá sido de 1,4%, ou menos, segundo um estudo citado pelo "Expresso", 19.03.2020) e o era sobretudo para idosos com outras doenças associadas; depois de tudo, como se chegou a este ponto?
O que está a ocorrer em Itália e, mesmo, em Espanha, onde aparentemente a morbilidade e a mortalidade são significativamente superiores, mais na linha das percentagens que têm sido avançadas pela OMS? E, para maior infelicidade, que dimensão vai ter a prevista hecatombe económica sequente à crise sanitária?
Muitas perguntas estão ainda, naturalmente, sem resposta cabal, e esta crónica não pretende fazer análises para que o seu autor não tem, definitivamente, competência.
Por curiosidade, durante a primeira semana da crise, no Alentejo, em geral, e no Alentejo Litoral, em particular, a situação não foi problemática. Durante alguns dias, o Alentejo surgiu, mesmo, aos olhos dos portugueses como uma espécie de último reduto de resistência ao vírus, uma espécie de aldeia gaulesa do Asterix, dando origem às habituais anedotas. Ainda agora, o Alentejo é a região com menos casos registados (12), aliás sem qualquer fatalidade.
No meio disto tudo, vem-me à lembrança a epidemia de 1918, a mortífera "Pneumónica", como ficou conhecida em Portugal, vulgarmente chamada, na Europa e na América, "Gripe Espanhola", embora ela não tivesse o seu início em Espanha. Recordo as epidemias de varíola, de cólera e outras, recorrentes desde a Idade Média até quase aos nossos dias. E, claro, a malária, doença endémica, nomeadamente no Litoral Alentejano, só extinta em Portugal, no século XX. Lembro ainda as medidas tomadas nos portos de mar para evitar contágios, as quarentenas a que estavam sujeitas as tripulações e passageiros dos navios, os cordões sanitários ao longo das fronteiras, criados no século XIX.
Mas há uma epidemia viral, na realidade uma pandemia, também com origem na China, que faz parte das minhas recordações de infância (estava a fazer 12 anos quando começou): a Gripe Asiática, que grassou em Portugal, entre Agosto e Outubro de 1957. À escala mundial, a "Asiática" terá dizimado até dois milhões de pessoas. No nosso país, ela também deixou um número significativo de óbitos, sabendo-se que, em Lisboa, eles atingiram o número de 288, e avaliações médicas, efectuadas em 1958, estimaram que no País ascendeu aos 1.050 mortos. Naturalmente, a estrutura de saúde pública era, à data, muito deficiente, não só no atendimento dos casos, como no seu registo.
Hoje, com o Covid-19, Portugal pode contar com um Serviço Nacional de Saúde, que, não obstante as inimizades e malfeitorias neoliberais que tem sofrido, não obstante mesmo as insuficiências mais ou menos conhecidas, assegura uma cobertura médica organizada em todo o território nacional, destinada a todos portugueses, não apenas aos que têm dinheiro.
E mesmo que estejamos apenas no início da fase do crescimento exponencial do número de infecções, há razões para pensar que as medidas tomadas para enfrentar a crise têm sido apropriadas e que nosso SNS, eventualmente com ajuda da capacidade privada instalada, é um trunfo poderoso. Mais ainda, se, neste momento, olharmos para o que se passa em muitos outros países, alguns de grande poder económico, a comparação não pode deixar de ser francamente favorável a Portugal.
Termino com mais duas questões, que me assomam e assustam.
Primeira: se tudo isto ocorre com um vírus de baixa letalidade, como seria se estivéssemos perante um novo vírus de alta letalidade, do tipo Ébola?
Segunda: apesar de todo o desenvolvimento científico e tecnológico dos nossos dias, está o modelo neoliberal, que cada vez mais organiza (infecta?) as nossas sociedades, inerentemente apto a defender a saúde das pessoas, ou vamos regredir a épocas que julgávamos passadas?

O autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 30/09/2020
Governo apresenta
Plano Estratégico
do Porto de Sines
O ministro das Infra-estruturas e da Habitação vai estar nesta quarta-feira, 30, em Sines, na sessão pública de apresentação do Plano Estratégico do Porto de Sines, que vai decorrer a partir das 10h00 no auditório da Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS).
07h00 - quarta, 30/09/2020
Acção judicial avança em
defesa do Parque Natural
O movimento de cidadãos "Juntos pelo Sudoeste", juntamente com a Associação Foz do Mira, apresentou, na passada semana, uma acção judicial no Tribunal Administrativo e Fiscal de Beja, no sentido de garantir a defesa dos valores do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV).
07h00 - quarta, 30/09/2020
João Morgado é o
vencedor do prémio
"Manuel da Fonseca"
João Morgado, da Covilhã, venceu a 13ª edição do Prémio Nacional de Conto "Manuel da Fonseca",promovido pela Câmara de Santiago do Cacém, com a obra Contos de Macau.
07h00 - terça, 29/09/2020
ABC de Santo André
na 1ª divisão nacional
de basquetebol
A equipa do Atlético Basquete Clube (ABC) de Santo André? venceu no domingo, 27, os Salesianos do Estoril por 75-60, garantindo a subida ao campeonato nacional da 1ª divisão da modalidade.
07h00 - terça, 29/09/2020
Alcácer do Sal
mantém IMI mais baixo
do distrito de Setúbal
A Câmara de Alcácer do Sal vai manter em 2021 a taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nos 0,3% para os prédios urbanos, naquele que é o valor mais baixo praticado pelas autarquias em todo o distrito de Setúbal.

Data: 18/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial