16h31 - quinta, 23/04/2020

Os riscos da emergência


Carlos Pinto
Desde o dia 18 de Março que Portugal se encontra em situação de Estado de Emergência, por decreto do Presidente da República. Uma decisão aprovada pela Assembleia da República, e já renovada por duas vezes (esperando nós que por aí fiquemos), que teve por base a "situação excepcional que se vive e a proliferação de casos registados de contágio de Covid-19" no nosso país.
Foi este enquadramento que levou à aplicação "de medidas extraordinárias e de carácter urgente de restrição de direitos e liberdades, em especial no que respeita aos direitos de circulação e às liberdades económicas, em articulação com as autoridades europeias, com vista a prevenir a transmissão do vírus", justificou o Governo no decreto que regulamentou a aplicação do primeiro Estado de Emergência, aludindo à "prioridade" de "prevenir a doença, conter a pandemia, salvar vidas e assegurar que as cadeias de abastecimento fundamentais de bens e serviços essenciais continuam a ser asseguradas".
O decreto deixava ainda bem vincada uma garantia a todos os portugueses: durante o Estado de Emergência "a Democracia não poderá ser suspensa, numa sociedade aberta, onde o sentimento comunitário e de solidariedade é cada vez mais urgente".
Volvidas estas semanas, e conhecidos todos os números divulgados diariamente pela Direcção Geral da Saúde (21.982 casos positivos em Portugal até quarta-feira, 22, dia do fecho desta edição do "SW"), é por demais evidente que este foi o caminho correcto. Mas é também claro que toda esta situação comportou vários riscos e trouxe ao de cima alguns posicionamentos altamente lamentáveis, sobretudo no plano político, onde o populismo barato e recauchutado galgou a onda da impaciência que, aqui e ali, se foi instalando entre os portugueses obrigados ao confinamento.
É preciso, portanto, voltar à normalidade possível neste tempo anormal. É preciso que todos percebamos que, passado este momento de excepção, temos de continuar a zelar pela liberdade que celebramos há 46 anos. E, sobretudo, é preciso evitar que nos deixemos encantar pelo "canto de sereia" de demagogos baratos, que falam, falam, falam… mas não dizem nada!



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quinta, 06/08/2020
Vestígios arqueológicos
descobertos em Alvalade
A Câmara de Santiago do Cacém vai estudar os vestígios arqueológicos que foram encontrados e colocados a descoberto em várias ruas de Alvalade, no decorrer das obras de requalificação do centro histórico daquela vila.
07h00 - quinta, 06/08/2020
U. Santiago garante
12 reforços para 20-21
A formação do União de Santiago (Santiago do Cacém) já garantiu um total de 12 reforços para a época de 2020-2021, onde irá participar no campeonato distrital da 1ª divisão de Setúbal.
07h00 - quinta, 06/08/2020
Sines: Senhora das Salas
celebrada sem procissões
A tradicional Festa da Nossa Senhora das Salas, em Sines, não contará este ano com as habituais procissões de noite, a 14 de Agosto, e de tarde, a 15 de Agosto, adianta a Câmara Municipal local.
07h00 - quarta, 05/08/2020
Santiago do Cacém com
mais bolsas de estudo
A Câmara de Santiago do Cacém decidiu aumentar o número de bolsas de estudo para o Ensino Superior a atribuir em 2020-2021, devido ao agravamento da situação financeira de muitas famílias em virtude da pandemia de Covid-19.
07h00 - quarta, 05/08/2020
Sines reforça apoios
a IPSS's e aos clubes
A Câmara de Sines aprovou no final da passada semana, em reunião do executivo, um reforço aos apoios concedidos às instituições particulares de solidariedade social (IPSS) que mantiveram a sua actividade durante o período da pandemia, assim como o aumento dos apoios concedidos ao associativismo desportivo relativos à época de 2019-2020.

Data: 31/07/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial