11h59 - quinta, 18/06/2020

Estatuária


António Martins Quaresma
1. No tempo do Tribunal do Santo Ofício da Inquisição, a condenação à morte na fogueira era a pena mais gravosa. Na ausência do condenado, por fuga ou qualquer outro motivo, ela podia ser concretizada "em estátua", isto é, queimavam um "boneco" que, simbolicamente, representava o condenado. A própria morte pelo fogo, pena aplicada sobretudo a cristãos-novos, os antigos judeus oficialmente convertidos, acusados de continuarem a "judaizar", tinha a forte simbologia de extirpar pelo fogo práticas religiosas consideradas abomináveis e proibidas.
Um dos homens da história e da cultura portuguesas, personalidade de Seiscentos, o padre António Vieira, esteve, ele próprio, a contas com a Inquisição, por criticar este tribunal. A ironia das coisas é que, ultimamente, a propósito de uma estátua em Lisboa, Vieira foi alvo de certo sentimento iconoclasta relativamente a figuras de alguma forma conotadas com o passado colonial português e, mais ironicamente ainda, as supostas dores de Vieira têm sido assumidas por um tipo de gente que, se tivesse vivido no tempo dele, apoiaria, não duvido, a sua condenação. Ademais, é claramente excessivo falar em vandalismo, como se houvesse semelhança com o que aconteceu nos EUA ou em Inglaterra.
A maior maldade que poderiam ter feito a António Vieira não foi terem-lhe borratado a estátua, que isso tem remédio fácil. Parece-me que a maior maldade é mesmo aquela estátua, ela própria, com a sua mensagem e a sua estética Estado Novo. O que ofende, mais uma vez em minha opinião, não é a pessoa do jesuíta padre António Vieira, mas a estátua que dele exibem – sem que isso me leve a pedir a sua eliminação.

2. No Litoral Alentejano, concretamente em Sines, encontra-se uma dessas estátuas susceptíveis de concitar a fúria do neo-iconoclamo: a estátua de Vasco da Gama. Como se sabe, Vasco da Gama nasceu, com toda a probabilidade, em Sines – é, portanto, um herói local – e foi o famoso capitão da expansão imperial portuguesa, o homem que comandou a primeira expedição marítima à Índia e que deu início ao que Arnold Toynbee chamou de "era gâmica".
É útil reflectir que os mitos e heróis do passado são resultado do aproveitamento historicista que se fez no século XIX para legitimar, reproduzir e representar a memória nacional. A celebrações cívicas, levadas a cabo no século XIX, que incluíram a de Vasco da Gama, em 1897, centraram-se na "gesta gloriosa dos Descobrimentos". A própria religião laica, em torno dos grandes homens, do filósofo positivista Augusto Comte incluiu duas figuras portuguesas: Luís de Camões e Vasco da Gama. Hoje, as coisas estão algo mudadas: é verdade que esta mitologia há muito está em crise, a não ser entre os grupos nacionalistas, mas também é certo que os próprios críticos têm tendência a olhá-la com distanciamento e a não quererem incorrer no pecado do anacronismo.

3. A associação do sentimento anti-racista à iconoclastia dos símbolos coloniais e esclavagistas é muito do nosso tempo, mas não é de agora. Muitos de nós recordamos o que se passou, há uns 30 anos, com a falhada estátua de D. Catarina de Bragança em Queens, Nova Iorque.
Se a posição anti-racista é legítima, na América como em Portugal, se podemos entender a ligação do racismo à visão etnocêntrica das nações europeias, já alguma da prática do activismo iconoclasta me parece simplista, desajustada e contraproducente. Ainda que já disseminado, este movimento tem selo de origem – os EUA – e reflecte a realidade americana, com as suas tensões e contradições. Embora, em Portugal, possa ter havido algum mimetismo, estamos, repete-se, muito longe do que lá por fora se tem passado.
É certo que muitas das estátuas e monumentos espelham um paradigma criado no século XIX, que o Estado Novo, nacionalista e colonialista, adoptou, mas entrar no caminho da sua destruição sistemática não faz qualquer sentido. Mesmo estátuas como a feroz representação de Geraldo, o Sem Pavor, existente perto de Évora, em que este exibe a cabeça decepada de um mouro e tem outra cabeça degolada aos pés, devem ser apeadas e guardadas num museu dos horrores do Estado Novo. Na realidade, além de algumas das estátuas poderem ser peças valiosas artisticamente, não é razoável centrar desmesuradamente a luta pela justiça e pela igualdade num tópico de feição identitária.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 29/09/2020
ABC de Santo André
na 1ª divisão nacional
de basquetebol
A equipa do Atlético Basquete Clube (ABC) de Santo André? venceu no domingo, 27, os Salesianos do Estoril por 75-60, garantindo a subida ao campeonato nacional da 1ª divisão da modalidade.
07h00 - terça, 29/09/2020
Alcácer do Sal
mantém IMI mais baixo
do distrito de Setúbal
A Câmara de Alcácer do Sal vai manter em 2021 a taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nos 0,3% para os prédios urbanos, naquele que é o valor mais baixo praticado pelas autarquias em todo o distrito de Setúbal.
07h00 - terça, 29/09/2020
Odemira aprova moção sobre
transportes escolares no concelho
A Assembleia Municipal de Odemira aprovou na sexta-feira, 25, por unanimidade uma moção, apresentada pelos eleitos do PS, onde manifesta as suas preocupações relativamente ao transporte escolar no concelho no presente ano escolar de 2020-2021.
07h00 - segunda, 28/09/2020
Assembleia Municipal
de Odemira aprova
moção sobre água
Os eleitos da Assembleia Municipal de Odemira defendem que a Câmara de Odemira, "em articulação com os restantes municípios do país, deverá desenvolver de imediato esforços junto de quem de direito para que os municípios portugueses onde existam barragens de água para abastecimento público, regadio e outros fins devam fazer parte integrante dos órgãos de decisão de planeamento e gestão das respectivas bacias hidrográficas".
07h00 - segunda, 28/09/2020
Praia de Milfontes
eliminado da Taça
A formação do Praia de Milfontes disse adeus à edição de 2020-2021 da Taça de Portugal, após ter sido eliminada neste domingo, 27 de Setembro, na casa do Mineiro Aljustrelense.

Data: 18/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial