12h08 - quinta, 18/06/2020

A falta que faz o governador civil


Carlos Pinto
Em Julho de 2018, em entrevista ao "SW", o presidente da Câmara Municipal de Odemira afirmou peremptoriamente que a extinção do cargo de governador civil de Beja prejudicou a região e "desagregou" o distrito. "Não só porque se perdeu uma ligação muito importante entre os serviços locais, as autarquias e o Governo, mas também porque se perdeu uma voz activa e permanente no distrito. Beja perdeu afirmação", argumentava José Alberto Guerreiro.
Agora, quase dois anos depois, foi a vez do secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional, que assumiu a coordenação regional do combate à Covid-19, considerar que este tipo organização "faz todo o sentido", sobretudo no interior, onde o Estado "foi perdendo presença".
"Faz todo o sentido que exista, não digo um secretário de Estado regional, mas alguém que possa fazer este trabalho ao nível local, ao nível regional, para que a articulação dos serviços possa funcionar de uma forma mais eficaz", argumenta Jorge Seguro Sanches [ver notícia na página ao lado].
Estas duas opiniões, espaçadas no tempo mas similares no conteúdo, vão de encontro àquilo que muitos baixo-alentejanos sentem desde a decisão do Governo PSD/ CDS-PP em Setembro de 2011: faz muita falta ao distrito um governador civil. Talvez tal não suceda em regiões mais urbanas como Lisboa, Porto ou Braga, mas em territórios como o de Beja (ou Évora ou Portalegre ou mesmo Faro) o papel do governador civil era de uma importância extrema. Era através dele que autarcas, instituições sociais, associações desportivas ou movimentos de cidadãos, entre outros, chegavam com muito maior celeridade aos "centro de decisão", leia-se, aos ministérios espalhados pelo Terreiro do Paço e arredores. O governador civil era uma voz ouvida na região, mas sobretudo em Lisboa. E isso fazia toda a diferença.
É por tudo isto, que continua a fazer sentido reivindicar pela reversão desta decisão. Porque dar um passo atrás nem sempre é um erro. É sinal de inteligência quando reconhecemos estar perante uma má decisão.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 29/09/2020
ABC de Santo André
na 1ª divisão nacional
de basquetebol
A equipa do Atlético Basquete Clube (ABC) de Santo André? venceu no domingo, 27, os Salesianos do Estoril por 75-60, garantindo a subida ao campeonato nacional da 1ª divisão da modalidade.
07h00 - terça, 29/09/2020
Alcácer do Sal
mantém IMI mais baixo
do distrito de Setúbal
A Câmara de Alcácer do Sal vai manter em 2021 a taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nos 0,3% para os prédios urbanos, naquele que é o valor mais baixo praticado pelas autarquias em todo o distrito de Setúbal.
07h00 - terça, 29/09/2020
Odemira aprova moção sobre
transportes escolares no concelho
A Assembleia Municipal de Odemira aprovou na sexta-feira, 25, por unanimidade uma moção, apresentada pelos eleitos do PS, onde manifesta as suas preocupações relativamente ao transporte escolar no concelho no presente ano escolar de 2020-2021.
07h00 - segunda, 28/09/2020
Assembleia Municipal
de Odemira aprova
moção sobre água
Os eleitos da Assembleia Municipal de Odemira defendem que a Câmara de Odemira, "em articulação com os restantes municípios do país, deverá desenvolver de imediato esforços junto de quem de direito para que os municípios portugueses onde existam barragens de água para abastecimento público, regadio e outros fins devam fazer parte integrante dos órgãos de decisão de planeamento e gestão das respectivas bacias hidrográficas".
07h00 - segunda, 28/09/2020
Praia de Milfontes
eliminado da Taça
A formação do Praia de Milfontes disse adeus à edição de 2020-2021 da Taça de Portugal, após ter sido eliminada neste domingo, 27 de Setembro, na casa do Mineiro Aljustrelense.

Data: 18/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial