12h49 - quinta, 16/07/2020

Covid-19 e as doenças cardiovasculares


Manuel O. Carrageta
Os estudos disponíveis apontam para uma mortalidade global da Covid-19 de um pouco mais de 2%, que aumenta muito significativamente com a idade, sendo inferior a 0,5% nos doentes com menos de 50 anos e superior a 15% nos doentes com mais de 80 anos. Os doentes com patologia cardíaca, qualquer que seja a sua idade, têm maior risco de morrer no caso de contraírem a infeção. Mais de 80% dos infetados com o vírus têm sintomas ligeiros que não exigem internamento e um número indeterminado ainda mais alto é assintomático.
Os principais sintomas desta infeção são a febre e o cansaço, de início, a que se segue a tosse seca, que pode evoluir para falta de ar. A dor de garganta e a rinorreia não são sintomas muito habituais na Covid-19. Se o doente tiver aqueles sintomas, deve ficar em casa e contactar a Saúde 24 ou o seu médico telefonicamente, evitando ir de imediato ao consultório médico ou ao hospital.
As queixas de falta de ar e de cansaço podem ser sintomas de Covid-19, mas também podem ser devidas, por exemplo, a insuficiência cardíaca, o que levanta dificuldades diagnósticas. Alguns doentes idosos ou mais frágeis, podem não ter febre e manifestar sintomas atípicos bastante pouco específicos, tais como confusão mental, quedas, etc., que, por si só, não levantam a suspeita da presença da infeção.
Para além da existência de doença cardiovascular se associar a maior risco de morte nos infetados com o vírus SARS – CoV-2, também a Covid-19 causa com frequência várias complicações cardiovasculares, nomeadamente, miocardites, arritmias, trombo-embolismo e até enfartes do miocárdio. Por outro lado, alguns dos fármacos que estão a ser utilizados no tratamento da Covid-19 podem ter efeitos secundários cardiovasculares, tais como, provocar ou agravar a insuficiência cardíaca, prolongar o intervalo QT, causar arritmias, etc. Portanto, pelo facto de ser doente do coração, no caso de contrair a Covid-19, está em risco de ter uma infeção mais grave.
Se o doente estiver a tomar medicamentos para a sua doença cardiovascular não deve, em caso algum, parar a medicação sem consultar o seu médico, pois caso contrário a sua situação clinica pode agravar-se. Os fármacos cardiovasculares, nomeadamente para a insuficiência cardíaca, patologia cada vez mais frequente, são muito importantes, pois reduzem significativamente a mortalidade e melhoram a qualidade de vida. Estes doentes devem ter cuidados redobrados em evitar a ingestão excessiva de líquidos e não tomar fármacos anti-inflamatórios não esteroides, sobretudo se forem hipertensos.
Lembramos que os doentes com insuficiência cardíaca são dos mais vulneráveis ao vírus, pelo que para minimizar o risco de infeção devem fazer cuidadosa higiene das mãos, praticar distância social, usar a máscara em ambientes fechados e ficar em casa o mais tempo que puderem.
Embora seja normal que os doentes se sintam ansiosos com o risco desta infeção, é da maior importância, como já dissemos, manter um bom estilo de vida. Fazer uma alimentação saudável, praticar exercício diário, não fumar, dormir o suficiente e procurar reduzir o stress, aumenta a resistência ao vírus e é fundamental também para reduzir o risco de um conjunto de doenças, nomeadamente as cardiovasculares, que são responsáveis por um número de mortes muito superior à Covid-19. Não é demais insistir que, no caso de contrair a infeção, estar o mais saudável e controlado possível da sua doença cardiovascular, ajuda a resistir melhor ao vírus, pelo que deve continuar a tomar a medicação e visitar o médico com a mesma regularidade que faziam antes da pandemia surgir.
Para terminar, lembre-se que, pelo facto de haver uma pandemia de Covid-19 não vão deixar de continuar a ocorrer enfartes do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais.

O autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Manuel O. Carrageta

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 29/09/2020
ABC de Santo André
na 1ª divisão nacional
de basquetebol
A equipa do Atlético Basquete Clube (ABC) de Santo André? venceu no domingo, 27, os Salesianos do Estoril por 75-60, garantindo a subida ao campeonato nacional da 1ª divisão da modalidade.
07h00 - terça, 29/09/2020
Alcácer do Sal
mantém IMI mais baixo
do distrito de Setúbal
A Câmara de Alcácer do Sal vai manter em 2021 a taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nos 0,3% para os prédios urbanos, naquele que é o valor mais baixo praticado pelas autarquias em todo o distrito de Setúbal.
07h00 - terça, 29/09/2020
Odemira aprova moção sobre
transportes escolares no concelho
A Assembleia Municipal de Odemira aprovou na sexta-feira, 25, por unanimidade uma moção, apresentada pelos eleitos do PS, onde manifesta as suas preocupações relativamente ao transporte escolar no concelho no presente ano escolar de 2020-2021.
07h00 - segunda, 28/09/2020
Assembleia Municipal
de Odemira aprova
moção sobre água
Os eleitos da Assembleia Municipal de Odemira defendem que a Câmara de Odemira, "em articulação com os restantes municípios do país, deverá desenvolver de imediato esforços junto de quem de direito para que os municípios portugueses onde existam barragens de água para abastecimento público, regadio e outros fins devam fazer parte integrante dos órgãos de decisão de planeamento e gestão das respectivas bacias hidrográficas".
07h00 - segunda, 28/09/2020
Praia de Milfontes
eliminado da Taça
A formação do Praia de Milfontes disse adeus à edição de 2020-2021 da Taça de Portugal, após ter sido eliminada neste domingo, 27 de Setembro, na casa do Mineiro Aljustrelense.

Data: 18/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial