11h55 - quinta, 29/10/2020

Um problema para resolver


Carlos Pinto
Desde há longos meses a esta parte que a realidade do Parque Natural do Sudoeste Alentejo e da Costa Vicentina (PSNSACV), que abrange parte significativa do território do concelho de Odemira e dos municípios limítrofes, tem estado no "centro" de intenso debate e discussão, tanto no plano político como a nível económico, social e ambiental. Tudo porque na área deste Parque Natural são muitos os investimentos agrícolas e turísticos em curso, o que para muito boa gente é motivo de regozijo mas que para outros tantos é razão de críticas e muita apreensão.
Quem se juntou recentemente à discussão sobre o "estado da arte" no Parque Natural foi a Liga para a Protecção da Natureza (LPN), que, tal como o "SW" lhe conta na notícia ao lado, considera existirem "graves falhas" na gestão dos recursos naturais locais, muito à custa "do aumento da área agrícola" na região.
Além do mais, acrescenta a LPN, "foram identificados oficialmente vários incumprimentos das regras previstas no Plano de Ordenamento" do PNSACV, nomeadamente a "falta de implementação dos sistemas de monitorização da qualidade das águas subterrâneas e do solo e a falta de monitorização do estado das espécies e habitats", num retrato terrível e extremamente preocupante.
O PNSACV vive assim num "dilema", entre aqueles que defendem que muita coisa tem de mudar neste território e aqueles que, reconhecendo alguns excessos aqui ou ali, consideram que tudo está bem como está. Mas é óbvio que não está!
Por tudo isto, é por demais evidente (e urgente) que alguém tem de "meter as mãos na massa" – neste caso o Governo, através dos ministérios competentes (Ambiente e Agricultura) – e avançar com um processo de discussão pública transparente, bem coordenado e que dê as respostas necessárias no tempo certo. E que consiga definir as ferramentas que possibilitem a existência de um Parque Natural pleno de biodiversidade com uma agricultura próspera. Caso contrário, o futuro do Parque Natural será tudo menos verde…



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quinta, 28/01/2021
Caravelas-portuguesas avistadas
em praias de Odemira e de Sines
A Capitania do Porto de Sines alertou a população esta terça-feira, 26, para a presença de caravelas-portuguesas "no espelho de água e nas praias dos concelhos de Sines e de Odemira, incluindo no rio Mira".
07h00 - quinta, 28/01/2021
Cinco ADR do
Litoral Alentejano com
horário mais alargado
Os ADR Comunidade (áreas dedicadas para doentes para atendimento a utentes com sintomatologia de Covid-19) dos cinco centros de saúde do Litoral Alentejano passaram a ter um horário "mais alargado", dada a "actual situação pandémica" na região.
07h00 - quinta, 28/01/2021
Covid-19: Surto
com 38 infectados
no lar de Alvalade
Um surto de Covid-19 com 38 infectados, 10 dos quais funcionários e 28 utentes, foi identificado pelas autoridades de saúde no lar da Casa do Povo de Alvalade, informa a Câmara de Santiago do Cacém.
07h00 - terça, 26/01/2021
Câmara de Sines
entrega refeições a
alunos do concelho
A Câmara de Sines alargou o fornecimento de refeições escolares no concelho a todos os níveis de ensino, sendo que estas serão entregues em casa dos alunos, por forma a evitar "deslocações e a concentração de pessoas nas horas de levantamento das refeições".
07h00 - terça, 26/01/2021
Autarca de Alcácer quer
bombeiros e funcionários
da Câmara vacinados
O presidente da Câmara de Alcácer do Sal defende que os bombeiros voluntários e os funcionários da autarquia sejam colocados nos grupos prioritários no processo de vacinação contra a Covid-19.

Data: 15/01/2021
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial