09h46 - quinta, 22/04/2021

Uma maldade sem justificação


Carlos Pinto
Desde segunda-feira, 19 de abril, que a vida andou "para trás" no concelho de Odemira. Devido à pandemia, e por imposição governamental, o maior município do país (a par de Moura, de Portimão e de Rio Maior) teve de regressar à primeira fase de desconfinamento, com medidas restritivas bastante mais apertadas e que deixaram um misto de desilusão e desalento entre a população odemirense.
A este sentimento junta-se a perceção de esta verdadeira "maldade" feita ao concelho de Odemira assentar na estatística que, por sua vez, tem por base factos e dados que não correspondem à realidade. Ou seja, Odemira foi penalizada por, entre os dias 31 de março e 13 de abril, ter registado mais de 240 novos casos de Covid-19 por cada 100 mil habitantes.
Contudo, esta aritmética não leva em linha de conta aquela que é a população real do concelho, na ordem das 40 mil pessoas devido à presença de muita mão-de-obra temporária para a presente campanha agrícola, mas sim apenas o número de recenseados. Logo aí verifica-se uma discrepância entre a realidade e a estatística, com claro prejuízo para o território.
Pior: os problemas de novos casos de infeção por Covid-19 estão bem identificados e surgem, sobretudo, na faixa litoral e no sector agrícola. Um facto reconhecido pelo próprio Governo, uma vez que na primeira semana de abril procedeu à testagem de perto de 5.000 trabalhadores agrícolas neste território, com direito a visita ministerial e tudo.
Ainda assim, e apesar de todas estas evidências, na hora de aplicar as medidas, a opção foi "cortar a eito", ordenando tudo e todos a regressar à primeira fase do desconfinamento… Mesmo as atividades que tudo fizeram para cumprir com as exigências e em todas as freguesias do concelho, não obstante oito delas não registar qualquer caso de Covid-19 há semanas. Tudo isto no mesmo dia em que, por todo o país, se faziam longas filas para entrar em centros comerciais.
É certo que tudo tem de ter um princípio e uma medida. Mas não se pode comparar "alhos com bugalhos" ou aplicar regras que podem fazer todo o sentido nos grandes centros urbanos, mas que em territórios como o de Odemira são completamente desajustados. Como diz o povo, "o mal já está feito", mas o Governo ainda vai a tempo de dar a mão à palmatória.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quinta, 28/10/2021
Câmara e comunidade
apoiam Fluvial Odemirense
A Câmara de Odemira está a avaliar "a dimensão do apoio financeiro a atribuir" ao Clube Fluvial Odemirense (CFO), cujas instalações foram destruídas por um incêndio, que teve causa humana, na madrugada de 9 de outubro.
07h00 - quinta, 28/10/2021
Pelouros atribuídos
no novo executivo
da Câmara de Sines
Estão definidos os pelouros no executivo da Câmara de Sines para o mandato autárquico de 2021-2025, onde apenas os quatro eleitos do PS estarão em regime de permanência.
07h00 - quinta, 28/10/2021
Autarca de Alcácer
reeleito presidente
da CIMAL
O autarca de Alcácer do Sal, o comunista Vítor Proença, foi reeleito, na terça-feira, 26, para o cargo de presidente do conselho intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL).
07h00 - quarta, 27/10/2021
Concelho de Sines recebe exercício
de combate à poluição marinha
O concelho de Sines recebe nesta quarta e quinta-feira, dias 27 e 28, o exercício de com-bate à poluição em meio marinho "Atlantic Polex.
07h00 - quarta, 27/10/2021
Porto de Sines
cresceu 16,9% no
terceiro trimestre
O Porto de Sines registou um crescimento de 16,9% no terceiro trimestre de 2021 no conjunto de todos os segmentos de carga, o que representou um total de 35,9 milhões de toneladas movimentadas.

Data: 15/10/2021
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial