17h27 - quinta, 19/05/2022

Voluntariado e bombeiros


Carlos Pinto
O Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para 2022 está no terreno, mas este ano os Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Milfontes vão contar apenas com uma Equipa de Logística de Apoio ao Combate (ELAC). De fora do DECIR fica a Equipa de Combate a Incêndios Florestais (ECIN) por "falta de recursos humanos", como revela nesta edição do "SW" a comandante da corporação, Maria João Guerreiro.
Esta acaba por ser uma consequência da enorme crise que afeta o voluntariado, seja ele em clubes desportivos ou associações culturais, seja em entidades tão fundamentais para nossa vida coletiva como são as instituições socias… ou as corporações de bombeiros.
Sabemos que há muito que o voluntariado deixou de ser atrativo. Muito dele assentava no apego ao bem comum, à vontade de construir algo e ao desejo de contribuir para a sua comunidade. Mas com o passar dos anos, os velhos "carolas" foram afastando-se deste movimento, sem que as novas gerações tenham despertado para esta realidade (e para a sua necessidade). Não só por desinteresse, mas também porque as exigências colocadas a quem tem de gerir/dirigir estas instituições são hoje muito maiores – sejam elas fiscais, laborais ou monetárias.
Apesar desta nova realidade, muitas destas entidades continuam a prestar um serviço essencial para as nossas comunidades. Veja-se as instituições sociais, que têm de assegurar a gestão de centros de dia, lares de terceira idade ou unidades de cuidados continuados. Mas também as associações humanitárias de bombeiros voluntários, responsáveis pela resposta a emergências médicas e de proteção civil. Tudo – repetimos – com base no voluntariado e na boa vontade dos seus dirigentes.
Ora esta é uma realidade que urge repensar e rever. Não exterminando o voluntariado, que tem – isso sim – de ser ainda mais acarinhado e incentivado. Mas áreas como a proteção civil têm, de uma vez por todas, ser cada vez mais profissionalizadas. E nesse âmbito, cabe ao Estado dar a resposta que se exige, colocando os bombeiros no mesmo plano que os militares da GNR ou os agentes da PSP, por exemplo.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 24/06/2022
AdSA tem
novo centro de
atendimento
A empresa Águas de Santo André (AdSA), com sede em Vila Nova de Santo André (Santiago do Cacém), acaba de lançar um novo serviço de atendimento aos clientes, a funcionar em permanência 24 horas por dia.
07h00 - sexta, 24/06/2022
Nova central solar vai
ser construída em Sines
Uma central fotovoltaica, com capacidade para mais de 91 mil painéis solares e uma potência de 49 megawatts, vai ser instalada no concelho de Sines, numa área de 100 hectares.
11h00 - quinta, 23/06/2022
Feira PIMEL
de regresso em
Alcácer do Sal
Música, gastronomia e atividades equestres compõem o 'cartaz' deste ano da PIMEL – Feira de Turismo e das Atividades Económicas de Alcácer do Sal, que decorre a partir desta quinta-feira, 23, no "espaço renovado" do Parque Urbano da cidade.
07h00 - quinta, 23/06/2022
Detido por
tráfico de droga
em Milfontes
Um homem de 27 anos foi detido, no domingo, 19, pela GNR por suspeitas da prática do crime de tráfico de estupefacientes em Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira.
07h00 - quinta, 23/06/2022
Produção de arroz cai
20% no Vale do Sado
O presidente do Agrupamento de Produtores de Arroz do Vale do Sado (APARROZ), com sede em Alcácer do Sal, estima uma quebra de 20% na produção de arroz na região em relação à campanha de 2021, com uma redução da área de cultivo na ordem dos 1.

Data: 17/06/2022
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial