11h40 - quinta, 26/11/2015

O mercado


António Martins Quaresma
Hoje em dia, a palavra "mercado", influenciada pelo "economês" dos media, carregada de polissemia, aparece na fala de todos os dias com múltiplos sentidos, e, por vezes, é necessário algum cuidado para não haver confusões. O tempo das "feiras e mercados", dos horizontes século-vintistas de muitos de nós, que os municípios cuidadosamente regulamentavam, deu, em parte, lugar aos "mercados financeiros" (e outros), essas entidades longínquas e mais ou menos misteriosas, que hoje temos na boca como antes tínhamos o credo. É que dos "mercados" e da sua aguda e oscilante sensibilidade depende muito da nossa vida. Já não é tanto a tradicional lei "da oferta e da procura", mas qualquer coisa mais imaterial e volúvel, capaz de pulsar tanto com crises da dívida como com estados de alma.
Do que me proponho falar é de um mercado particular, "à antiga", onde se vendem/compram bens necessários à vida diária de cada um: dos produtos alimentares, ao vestuário; dos utensílios mais diversos a alguma maquinaria; das árvores para plantar às aves de capoeira, tudo ali há. Tudo não: ele não concorre com o mercado diário, pertencente à Junta de Freguesia, onde a maior parte das coisas transacionadas é diferente.
Refiro-me ao conhecido Mercado das Brunheiras, nome que tomou o "Mercado de Milfontes" quando, na falta de espaço no interior da vila, foi transferido para o lugar das Brunheiras, a poucos quilómetros de distância. Não é um mercado de grande anciania; começou já na fase mais turística de Milfontes, na década de 1980. Instalava-se, antes, nas ruas, perto do campo de futebol, então ainda com características de periferia da vila, e recordo-me de alguma revolta dos feirantes, muito verbalizada, quando souberam que tinham de ir para as Brunheiras. Achavam que lhes prejudicava o negócio. Afinal, a saída do espaço acanhado onde estava permitiu a sua expansão e que se convertesse num dos principais mercados do concelho de Odemira.
Ele fez praticamente esquecer a tradicional feira anual de Milfontes, que se realizava a 8 e 9 de Agosto (agora no primeiro de Maio); aliás, essa feira, de grandes recordações para os sexagenários e septuagenários de Milfontes, como o autor destas linhas, já fez o seu tempo e hoje pouco se justificaria.
O Mercado das Brunheiras, quinzenal, aos sábados (no 2.º e no 4.º, de cada mês), tem afluência garantida, de vendedores e de compradores – e até de consumidores de febras e frangos assados. Funciona também como ponto de encontro, onde regularmente há gente que aproveita para se ver e pôr a conversa em dia. Afinal, em grande medida, o papel das feiras e mercados de antanho.
De há uns tempos para cá, buscando a proximidade dos clientes, o mercado transbordou para fora da vedação e invadiu o espaço de estacionamento automóvel, enquanto no interior se abrem clareiras sem qualquer ocupação. Decerto, falta ali a mão reguladora da entidade autárquica responsável. Mas gosto de pensar que o mercado das Brunheiras se comporta afinal, em parte, como os mercados financeiros. Sem regulação, ou ineficaz regulação, os seus agentes procedem exclusivamente conforme a sua conveniência, mesmo que isso acabe por conduzir a uma crise do sistema, ou, pelo menos, como é o caso mais benigno do Mercado das Brunheiras, a alguma anarquia e perda de lugares de estacionamento. De qualquer modo, o Mercado das Brunheiras mostra uma notável capacidade de "auto-regulação", razão por que coexistem a situação descrita e uma certa racionalidade e eficácia.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - domingo, 20/08/2017
CM Sines conclui obras
no bairro 1º de Maio
Estão concluídas as obras da primeira fase da reabilitação do espaço público do Bairro 1º de Maio, na cidade de Sines, promovidas pela autarquia local e avaliadas em cerca de 158 mil euros.
00h00 - domingo, 20/08/2017
Aldeia do Pico vai ter
Centro Comunitário
A Aldeia do Pico, no concelho de Grândola, vai ter um novo Centro Comunitário, obra da Câmara Municipal da "vila morena" que está avaliada em cerca de 270 mil euros.
00h00 - sábado, 19/08/2017
STAL assina ACEEP
com CM Santiago do Cacém
A Câmara de Santiago do Cacém e o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) assinaram na passada semana a alteração ao Acordo Colectivo de Entidade Empregadora Pública (ACEEP).
00h00 - sábado, 19/08/2017
Aldeia da Comporta
vai ter nova ETAR
Já foi publicado em Diário da República o concurso público da empreitada de concepção e construção da nova Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Comporta, o concelho de Alcácer do Sal.
00h00 - sábado, 19/08/2017
Arte urbana para
ver em Grândola
O filantropo António Inácio da Cruz, falecido em 1955, foi homenageado pela Câmara de Grândola através de uma obra de arte urbana concebida pelo conceituado Samina.

Data: 11/08/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial