07h00 - segunda, 11/06/2018

Jovens "cientistas"
de Odemira premiadas

Jovens "cientistas" de Odemira premiadas

Imagine-se uma pequena larva capaz de comer e digerir esferovite. E por que não utilizar este método natural para eliminar este tipo de resíduos derivados do plástico e de difícil biodegradação? Ora esta é precisamente a base do projecto que valeu a Patrícia Silva, Sophie Lenehan e Inês Ferreira, alunas do 12º ano na Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves, em Odemira, a conquista de dois prémios no âmbito da 26ª edição do Concurso Jovens Cientistas, integrado na XII Mostra Nacional de Ciência.
O certame decorreu no início deste mês de Junho na cidade do Porto e as três alunas odemirenses regressaram a casa com duas distinções: o prémio LIPOR, no valor de 500 euros e que distingue projectos na área do Ambiente, e uma viagem aos EUA, para a Feira Mundial de Ciência, que vai decorrer em Maio de 2019 na cidade de Phoenix.
"Vamos sempre com a vontade de fazer o melhor possível. E depois, o que vier é muito bom… Foi o que aconteceu", reconhece com satisfação Paula Canha, professora de Biologia e Geologia, e coordenadora do projecto "Tenebrio Molitor como bio-reactor para degradação de polímeros sintéticos".
O projecto que valeu a distinção a Patrícia Silva, Sophie Lenehan e Inês Ferreira, entre mais de uma centena de propostas apresentadas por alunos de todo o país, exigiu criatividade, paciência e muito trabalho às jovens odemirenses, tanto nas aulas como no Clube de Ciências da escola. E o primeiro passo a dar foi, claro está, a pesquisa!
"As alunas descobriram uns artigos científicos publicados por japoneses que provavam que este animal era capaz de comer e digerir esferovite. O que em termos de eliminação de resíduos, por exemplo, numa central de tratamento de resíduos, era muito interessante", lembra Paula Canha.
A seguir, como manda o método científico, veio a experimentação. "Elas fizeram várias experiências para verificar até que ponto estes animais podiam ser usados a nível industrial numa central de tratamento destes resíduos", conta a docente, acrescentando que nessa altura as alunas tiveram o importante apoio de um professor universitário. "Ele reviu a experiência que planificaram e viu se era necessário corrigir alguma coisa, fazendo-as pensar melhor em alguns aspectos", justifica.
Depois, chegou finalmente a conclusão. "As alunas chegaram à conclusão de uma série de condições que seriam necessárias para estes animais serem eficientes a tratar o esferovite", explica Paula Canha.
Com tudo isto, estaremos perante uma solução para o (cada vez maior) problema do tratamento de resíduos? "Elas fizeram experiências a pequena escala, agora falta experimentar a escala maior. E se resultar em escala maior, é sem dúvida uma solução muito fácil e barata de eliminar este tipo de resíduos", admite Paula Canha, sublinhando que este tipo de projectos serve igualmente para mostrar aos alunos "que a ciência também dá resposta a problemas da sociedade e da economia".


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h01 - segunda, 20/05/2019
Inscrições abertas
para as Brisas 2019
A Câmara de Odemira tem abertas até ao próximo dia 6 de Junho as inscrições para mais uma edição da "Brisas do Atlântico", evento desportivo multidisciplinar que vai decorrer a 10 de Junho entre o Almograve e a Zambujeira do Mar.
07h00 - segunda, 20/05/2019
Jornada sem vitórias
para equipas de Odemira
A 21ª jornada do campeonato distrital da 1ª divisão de Beja, realizada na tarde deste domingo, 19, teve um sabo amargo para as equipas do concelho de Odemira, sendo que nenhuma logrou somar os três pontos.
07h00 - quinta, 16/05/2019
Regadio no Mira com
taxa de utilização de 60%
Meio século após a construção da barragem de Santa Clara, estão a ser utilizados 60% dos cerca de 12 mil hectares abrangidos pelo Aproveitamento Hidroagrícola do Mira (AHM).
07h00 - quarta, 15/05/2019
Praias de Odemira com
mais três bandeiras azuis
No Verão de 2019 serão 12 as praias do concelho de Odemira a ostentar a Bandeira Azul, símbolo de qualidade e excelência ambiental atribuído pela ABAE-Associação Bandeira Azul da Europa.
07h00 - quarta, 15/05/2019
Vitacress vai usar
algas como fertilizante
A empresa Vitacress, com sede na freguesia de Boavista dos Pinheiros (Odemira), está a trabalhar num projecto de investigação que prevê a utilização de microalgas como fertilizante orgânico na agricultura.

Data: 10/05/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial