17h37 - quinta, 23/02/2017

Milfontes (im)providente


António Martins Quaresma
Há dias imaginei o meu neto António, que tem quatro anos, a ameaçar, ainda articulando mal os "r", que ia requerer uma "providência cautelar" para suspender a ordem materna de comer a sopa. Isto de "providências cautelares" está completamente divulgado e é uma questão de tempo até passar dos adultos para os nossos precoces putos. Hoje em dia, há-as para todos os gostos e feitios, requerem-se em diversas circunstâncias, por homens e mulheres, por doutores e analfabetos, e, brevemente, em todas as idades, desde a mais tenra à mais longeva.
É o resultado da popularização do discurso jurídico e da ideia vulgarizada da existência de um recurso expedito para fazer parar decisões das entidades que administram o território, e, de alguma forma, suspender qualquer resolução que atinja os interesses ou a sensibilidade do requerente. As obras do Pólis também, ao que se diz, suscitaram, a propósito e a despropósito, clamores em que, inevitavelmente, tem surgido a expressão "providência cautelar".
Não estranhei, por isso, quando os dirigentes do Polis ficaram paralisados, face à ameaça (de um único morador, é certo, mas de verbo poderoso), de que, no meio de chispas e ribombos, lançaria uma providência cautelar contra a demolição do murete, que, há algumas dezenas de anos, divide em duas a Barbacã. Murete que, recorde-se, foi construído cerca de 1960, por iniciativa de outro morador, procurando evitar a total ocupação da Barbacã pelos carros, cada vez em maior número. Transfigurava, é verdade, a lógica do espaço, desde sempre organizado em função do castelo, mas entende-se a preocupação.
O certo é que o Pólis tinha disposto devolver à Barbacã a sua antiga e natural integridade, mas, casuístico e flexível nas decisões, rapidamente tomou, creio que em ambiente de solidariedade corporativa, providência para evitar a providência. Apesar de os tempos agora serem outros, o murete afinal vai ficar, de pedra e cal, alçado indevidamente à dignidade dos restantes muros da Barbacã e com direitos de cidade, isto é, de pólis.
Curiosamente, embora se tivesse prestado a muito maior número de críticas, o passadiço entre o Cais e as escadas da Barbacã, na margem do rio, não foi alvo, que eu saiba, de qualquer ameaça de providência cautelar, muito menos da própria providência. No passadiço, cujo critério desprezou a discrição, que muitos achavam o único apropriado, optou-se por uma implantação e uma construção impositivas, mas os protestos, conquanto mais numerosos, têm sido inconsequentes.
Como se vê, as providências nem sempre são providentes, e a falta de providências nem sempre providenciais.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 12/12/2017
Igualdade debatida
em Alcácer do Sal
Alcácer do Sal recebe nesta terça-feira, 12 de Dezembro, à tarde, o encontro "Caminhos para a Igualdade", onde serão apresentados os novos planos intermunicipais para a Igualdade da região do Litoral Sul.
07h00 - terça, 12/12/2017
Golfinho aparece
na praia de Sines
A Polícia Marítima (PM) de Sines encontrou na manhã desta segunda-feira, 11 de Dezembro, o cadáver de um golfinho com cerca de dois metros no areal da praia Vasco da Gama, na cidade de Sines.
07h00 - terça, 12/12/2017
Campeões de canoagem
estagiam em Milfontes
Dois campeões do mundo de canoagem estão de momento a estagiar em Vila Nova de Milfontes, beneficiando das excelentes condições para a prática da modalidade de que dispõe a localidade do concelho de Odemira.
00h00 - segunda, 11/12/2017
Oficina de viola
campaniça em
S. M. das Amoreiras
Desde Setembro que oito pessoas participam na oficina de construção de viola campaniça em São Martinho das Amoreiras (Odemira), sob orientação do "mestre" Daniel Luz.
00h00 - segunda, 11/12/2017
CM Odemira quer
melhorar procedimentos
nos serviços municipais
Os munícipes de Odemira podem apresentar até ao próximo dia 20 de Dezembro sugestões para a melhoria e simplificação de procedimentos nos serviços prestados pela Câmara Municipal na interacção com cidadãos e empresas.

Data: 01/12/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial