18h27 - quinta, 27/07/2017

Os que uns escondem e outros ignoram!


Cláudia Silva
Nos últimos anos temos assistido a um crescimento do número de equipamentos sociais para idosos, quer no sector público, quer privado. Nas novas construções, à primeira vista é notória uma preocupação com os acabamentos, com a estética e o conforto. Num olhar mais profundo nota-se um investimento na privacidade e tentativa de promoção da autonomia dos idosos, nomeadamente, através da construção de quartos de menores dimensões, incluindo individuais, e casas de banho adaptadas. Contudo, os conceitos de mobilidade, autonomia, qualidade de vida e felicidade parecem ainda pouco presentes no dia-a-dia de alguns lares.
A partir do momento que o idoso vai para uma instituição porque, de alguma forma, já não lhe é possível permanecer no seu domicílio, seja por uma questão física ou cognitiva, aquele espaço passará a ser a sua casa. Como em todas as casas, existem regras próprias que devem ser respeitadas em prol da convivência em grupo. Contudo, o que se verifica na prática é que os cuidados são centrados na cultura organizacional e nos funcionários, em detrimento das pessoas e dos cuidados individualizados.
Mudemos de perspectiva: como se sentiriam a ser acordados todos os dias às sete da manhã para tomar banho? Ou a permanecer numa sala de convívio, não organizada por tipologias, em frente a uma televisão com um qualquer programa da tarde? Terão os idosos todos as mesmas necessidades, de forma a que sejam projectados espaços de lazer despersonalizados e actividades em massa? Por necessidades não se entende só as necessidades fisiológicas, pois a pessoa quando vai para o lar deveria poder aspirar mais do que apenas a satisfação das necessidades de higiene e alimentação! Refiro-me às necessidades de segurança, sociais, de status-estima e auto-realização!
Ainda temos um longo caminho a percorrer se queremos proporcionar qualidade de vida aos nossos idosos. É urgente que as entidades competentes não ignorem esta realidade e repensem a forma como é projectado o apoio social aos idosos e que envolvam as ordens profissionais no seu planeamento. O POSSÍVEL É O FUTURO DO IMPOSSÍVEL!



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sábado, 18/11/2017
Fotografia em debate no
Centro de Artes de Sines
"Que papel tem a fotografia na criação do nosso mundo?" é esta a questão colocada pela conferência "Fotografia em fuga", que se realiza neste sábado, 18, das 10h30 às 18h30, no Centro de Artes de Sines.
00h00 - sábado, 18/11/2017
Dias de arte para
bebés em Sines
Sessões de ioga, espectáculos de teatro e a apresentação de "contos cantados" são alguns dos destaques da segunda edição do "Bebés e Famílias às Artes", que se realiza neste fim-de-semana, 18 e 19, no Centro de Artes de Sines (CAS).
12h00 - sexta, 17/11/2017
Palestra em Odemira sobre envelhecimento activo
O auditório da Biblioteca Municipal José Saramago, em Odemira, recebe nesta sexta-feira, 17, uma palestra sobre envelhecimento activo e saudável, promovida Comissão Municipal do Idoso.
00h00 - sexta, 17/11/2017
Central termoeléctrica
de Sines fecha até 2030
O ministro do Ambiente garantiu esta quinta-feira, 16, na cidade alemã de Bona, que a central termoeléctrica de Sines, assim como a do Pego, irá ser encerrada até ao ano de 2030.
00h00 - sexta, 17/11/2017
Selecção "era sonho"
de Ana Rita Viegas
Aos 27 anos, a atleta odemirense Ana Rita Viegas, que este ano representa o Estoril-Praia, é uma das 20 atletas eleitas pelo selecionador Francisco Neto, para os jogos da Selecção Nacional de futebol feminino que vai defrontar a Moldávia e Itália na qualificação para o Mundial de 2019, que decorre em França.

Data: 17/11/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial