16h34 - quinta, 24/05/2018

As centralidades adiadas pelo PNPOT


Hélder Guerreiro
A sustentabilidade dos territórios é uma discussão tanto global como local e por vezes parece pouco relevante para a ação politica do dia a dia. Na verdade, este forte consumo de energias no dia a dia não tem permitido um olhar e uma ação politica sobre questões centrais como a definição e implementação de politicas territoriais, integradas e escalares de atratividade dos territórios.
Com isto não quero dizer que a nível local não exista um forte empenho dos autarcas na promoção de politicas locais de atratividade dos seus territórios. Antes pelo contrário, os autarcas, na sua generalidade, são os primeiros a sentirem a necessidade e vontade de tudo fazerem em prol do território que consideram o melhor do mundo, neste caso, cada um dos seus concelhos!
O grande problema deste impulso é que o somatório dessas ações locais não representa uma ação capaz de inverter os processos de despovoamento a que temos assistido na nossa região. Mais do que aquilo que eu afirmo, os números do INE, relativos às ultimas décadas, são demolidores para o Baixo Alentejo.
Tinha prometido voltar ao tema das cidades e ao seu papel central no jogo da atratividade do território para garantir a sustentabilidade demográfica dos territórios. Sabemos todos hoje que já não está assegurada a reposição natural em termos demográficos, pelo que é fundamental atrair residentes, mais jovens e, se possível, mais qualificados. Resta dizer que, nesta disputa por recursos humanos, está todo um país.
É verdade que, com este texto, gostava de lançar uma discussão/reflexão sobre as questões da centralidade urbana e sobre a melhor forma de organizarmos uma região assente nos seus pólos urbanos e nas relações que podem e devem estabelecer entre si para que o Baixo Alentejo seja, pelo menos, capaz de encontrar as formas de gerir, da melhor forma, a baixa densidade demográfica que tem (e sempre terá) bem como de prover os serviços públicos adequados ao perfil demográfico que tem e terá a médio longo prazo.
Queria fazer isso, mas fui atropelado pelo facto de este ser o mês da discussão publica da proposta de Programa Nacional da Politica do Ordenamento do Território (PNPOT). Por causa disso queria apenas referir duas coisas simples: este é um documento absolutamente fundamental para a definição daquilo que será a nossa região e o país nas próximas décadas; este documento tem, de facto, bem identificados os desafios para todos os territórios.
Para alem dos desafios que tão bem identifica, este documento é mesmo muito importante pois: assume uma proposta de "modelo territorial" que, para além das cidades e das ligações, olha para os espaços rurais que estão além das cidades e que precisam de uma abordagem diferenciada; faz uma opção por um "sistema urbano policêntrico" onde a rede de espaços urbanos e a relação desses espaços urbanos com os espaços rurais assumem um papel decisivo para o futuro demográfico dos territórios; e define, de forma clara, aqueles que são os centros regionais ou, dito de outra forma, as "cidades" centrais/ estruturantes do Baixo Alentejo.
Por tudo o que representa este documento, é fundamental que as instituições do Baixo Alentejo promovam um debate alargado sobre o seu conteúdo. Mais do que uma oportunidade ou do que uma obrigação coletiva de participar, este é um processo que garante que a região contribui para o seu próprio futuro.

* o autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Hélder Guerreiro

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 18/01/2019
Autarca de Odemira esperava mais
da transferência de competências
O presidente da Câmara de Odemira elogia a transferência de competências do Estado para os municípios, mas não deixa de criticar a forma como o processo foi concebido, admitindo mesmo que o actual figurino lhe "sabe a pouco".
07h00 - sexta, 18/01/2019
CM Odemira vai aceitar novas competências
Praias, jogos de fortuna ou azar, justiça, associações de bombeiros, habitação, estruturas de atendimento aos cidadãos, vias de comunicação, património imobiliário público sem utilização e estacionamento público: estas matérias vão passar para a responsabilidade da Câmara de Odemira, que vai aceitar a transferência de competências proposta pelo Governo para estas nove áreas.
07h00 - sexta, 18/01/2019
Alojamento Local em debate em Odemira
O alojamento local vai estar em debate nesta sexta-feira, 18, a partir das 14h30, no auditório da Biblioteca Municipal de Odemira, numa sessão promovida pela autarquia local.
07h00 - sexta, 18/01/2019
Alojamento Local cresce
no concelho de Odemira
A actividade turística é cada vez mais preponderante na economia local do concelho de Odemira e isso não se reflecte apenas no aumento de visitantes no território, mas também o número de unidades de alojamento tem crescido no concelho, com destaque para o Alojamento Local, que em cinco anos passou de cerca de 60 unidades para as actuais 520.
07h00 - sexta, 18/01/2019
Música e teatro pelo
projecto "GiraMundo"
O projecto "Giramundo", dinamizado pela TAIPA, apresenta nas próximas duas sextas-feiras dois espectáculos, um de música e outro de teatro.

Data: 18/01/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial