16h35 - quinta, 05/07/2018

A praia e o lazer


António Martins Quaresma
"A certa altura do ano, começava o mês de Agosto. E pronto: assistia-se a uma mudança do sentimento geral [...] A população só desejava ir-se embora quanto antes: e assim, à força de encher comboios e de engarrafar auto-estradas, pelo dia 15 todos tinham partido. Excepto um. Marcovaldo era o único habitante a não deixar a cidade."

Italo Calvino, "Marcovaldo", 1963

A imagem da cidade que, no Verão, se esvazia de habitantes que partem para férias é muito do século XX, mais concretamente do período pós-guerra. A extraordinária migração sazonal de gente em busca de destinos turísticos da moda faz parte parte das sociedades hodiernas, mas este é um fenómeno recente na sua história. Efectivamente, o mar, principal objecto dessa demanda, foi, com os seus perigos e fastasmas, para gerações passadas, um "topos do medo".
É verdade que os "banhos santos", em especial o "banho do 29", a 29 de Agosto, dia do martírio de São João Baptista (o santo associado ao valor purificador das águas), traziam, anualmente, os camponeses ao litoral, frequentemente com os seus rebanhos. Mas tratava-se de uma celebração cristã, uma remota e indefinida noção de sacralidade da água do mar, uma crença no valor profilático desta, estendido a pessoas e animais, que se concretizava num momento festivo e libertador, algo orgíaco, finalizado com um banho ritual.
Ainda na primeira metade do século XX, a praia associou-se à regeneração periódica do corpo e do espírito, à libertação da densidade e da positividade do quotidiano, aos rituais em volta do corpo. Depois da II Guerra, a frequência da praia alargou-se socialmente, numa população cada vez mais urbana e num quadro de progressiva industrialização e terciarização da sociedade e do tecido económico, em que o direito a férias pagas se difundiu. A periódica migração turística, baseada no pressuposto do direito ao lazer, mitificada por uma cultura de consumo e favorecida pela revolução nos transportes, converteu-se em necessidade que, crê-se, permite contrabalançar o stresse do quotidiano.
No dealbar do século XXI, as mudanças verificadas à escala global conduziram a um novo paradigma do lazer. Ele não eliminou o reconhecimento social dos seus benefícios na saúde e no bem-estar, mas aliou-os a outras lógicas consumistas e estéticas.
O anterior paradigma do lazer, enquanto tempo socialmente autónomo, com finalidade própria e eminentemente funcional, cede perante um novo modelo em que se assume como um "tempo central, integrado, híbrido e simbólico". Afirma-se, pois, como um tempo singular e essencialmente estruturante da vida social.
O impacto das grandes transformações verificadas na sociedade portuguesa, nas últimas três décadas do século XX, atingiu o Litoral Alentejano, de forma avassaladora. Em 2007, o Plano Estratégico Nacional de Turismo citava o Pólo do Litoral Alentejano como um dos novos destinos de alta qualidade: as suas praias, exaltadas pelos media, a paisagem, os valores naturais e culturais, tudo contribui para essa valorização. E se a crise económica e os novos hábitos de viver o lazer introduziram alterações de forma, isso não modificou a posição do Litoral Alentejano no quadro do turismo nacional.

Bibliografia:
CORBIN, Alain. "Le Territoire du Vide. L' Occident el le desir du rivage (1750-1840)". Paris: Flammarion, 2010.
RAUCH, André. "Les vacances et la nature revisitée (1830-1939)". In Alain CORBIN. "L'Avènement des loisirs 1850-1960". Paris: Aubier, 1995.
ROJEK, Chris. "Leisure Theory: Principles and Practice". Nova Iorque: Palgrave – Macmillan, 2005.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 25/09/2018
"Sonoridades & Sabores"
regressa em Novembro
O roteiro "Sonoridades & Sabores" regressa ao interior do concelho de Odemira no próximo mês de Novembro, no sentido de valorizar e promover as tradições do cante ao despique e baldão e da viola campaniça ao longo de tardes culturais com muita música e petiscos.
07h00 - terça, 25/09/2018
"Street art" na zona
desportiva de Grândola
O artista STYLER (nome artístico de João Cavalheiro) está a realizar um grafitti na fachada sul do Complexo Desportivo Municipal José Afonso, em Grândola, no âmbito da quinta edição do "Arte na Rua".
07h00 - terça, 25/09/2018
Rácio para pessoal auxiliar
em Odemira é insuficiente
O novo ano escolar no concelho de Odemira começou com todos os agrupamentos a cumprirem o rácio legal em matéria de pessoal auxiliar, mas este acaba por ser insuficiente para as necessidades do território, reconhece a vereadora da Educação na Câmara Municipal local.
07h00 - segunda, 24/09/2018
CM Grândola também rejeita
transferência de competências
A maioria CDU na Câmara e Assembleia Municipal de Grândola aprovaram não aceitar a transferência de competências da administração central para a autarquia no próximo ano de 2019.
21h34 - domingo, 23/09/2018
Odemirense e Milfontes
entram a perder na época
Odemirense e Praia de Milfontes entraram de "pé esquerdo" na Taça de Honra da 1ª divisão distrital de Beja, ao perderem os seus jogos na ronda inaugural da nova prova do calendário de 2018-2019.

Data: 21/09/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial