16h35 - quinta, 05/07/2018

Desembosnar


Hélder Guerreiro
No dia 19 de junho um dos jornais nacionais publicava, a propósito do lançamento da discussão publica do Programa Nacional de Investimentos 2030, uma espécie de antecipação dos investimentos que teriam ficado de fora. Titulava que o "Governo deixa Douro e Alentejo de fora de investimento para 2030" e é assim que se vai fazendo um certo tipo de jornalismo que pretende pouco mais do que sobreviver tentando desinformar.
Digo isto porque o Governo, nesse mesmo dia, apresentou a metodologia para o debate publico e subsequente processo de decisão sobre um Programa Nacional de Investimentos para um período até 2030. Apresentou algo que tinha prometido apresentar e, apesar deste processo ser absolutamente inovador no nosso país, não era suficiente como noticia. É pena!
Julgo eu, e acrescento pouco, que temos tido uma dificuldade de nos pormos de acordo sobre os investimentos estruturantes para o país. Para provar isso temos casos como as diferentes propostas de linhas de alta velocidade ferroviária e a eterna discussão sobre a localização de um novo aeroporto. Só por isso já seria bom existir esta disponibilidade do Governo, mas se pensarmos que este é um Governo minoritário que governa depois de um excecional período de crise económica e social, dá prova de uma grande maturidade democrática e de que foi feita uma aprendizagem central para o nosso futuro: os grandes investimentos devem ser objeto de uma discussão alargada com todo o espectro da nossa sociedade e só devem prosseguir com largo consenso politico que atravesse governos e gerações.
Posto isto, julgo eu, o Alentejo não pode entrar em histeria e/ou em depressão com o título da noticia e, pelo contrário, arregaçar as mangas no sentido de participar de forma objetiva neste processo de debate publico. Mais do que chorar sobre leite ainda não derramado importa mesmo ter uma atitude séria de fazer valer as nossas necessidades como contributo para o desenvolvimento, em coesão, do nosso país.
De hoje até setembro próximo a região tem que ser capaz de aproveitar as oportunidades já agendadas e de realizar outras que entenda para, em cada uma das suas sub-regiões e com as lideranças adequadas, mobilizar todas as instituições, todos os movimentos e todas as pessoas para a definição daqueles que podem ser os investimentos estruturantes para a região.
Sei bem (talvez melhor do que ninguém) que estes processos são de uma responsabilidade tremenda do ponto de vista da criação de expectativas que podem vir a ser goradas, mas também sei que não há melhor forma de o fazer. Se fizermos este debate temos mais hipóteses de que os investimentos venham a ser considerados, temos mais caminho feito para a construção de um programa regional de ordenamento do território verdadeiramente significativo para o Alentejo e temos, acima de tudo, um horizonte que nos "puxe" a fazer o caminho que precisamos de fazer!
O que temos que fazer mesmo é desembosnar que, aqui para os meus lados, significa deixar de estar parado e/ou assumir o destino nas suas mãos, tipo: fazer pela vida!!

Texto escrito com o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Hélder Guerreiro

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 21/11/2018
PSA Sines investe em novos
equipamentos no Terminal XXI
A empresa PSA Sines, concessionária do Terminal XXI, investiu na aquisição de novos equipamentos de movimentação de cargas para melhoria das condições operacionais do terminal de contentores do Porto de Sines.
07h00 - quarta, 21/11/2018
Grândola requalifica
campos de futebol
A Câmara de Grândola iniciou esta semana a empreitada de reabilitação dos dois campos de futebol existentes no Parque Desportivo Municipal, num investimento avaliado em cerca de 290 mil euros.
07h00 - quarta, 21/11/2018
"Milfontes não tem
condições para subir"
Apesar de ter sido segundo classificado em 2015-2016 e em 2017-2018, o Praia não é candidato ao título distrital nesta temporada, garante o treinador da equipa de Vila Nova de Milfontes, Fernando Candeias, em entrevista ao "SW".
07h00 - terça, 20/11/2018
Grupo Selina quer
abrir hotel em Milfontes
O grupo hoteleiro Selina pretende instalar-se no Alentejo Litoral, com a abertura de uma unidade de alojamento em Vila Nova de Milfontes, projecto já confirmado pela presidente da marca em Portugal.
07h00 - terça, 20/11/2018
Federação de Canoagem
divulga ranking nacional
O Clube Náutico do Litoral Alentejano (CNLA), de Vila Nova de Milfontes, garantiu a 10ª posição no Ranking Nacional de Clubes/ Troféu Jogos Santa Casa, divulgado recentemente pela Federação Portuguesa de Canoagem (FPC).

Data: 16/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial