16h36 - quinta, 05/07/2018

Qual é o papel do Estado?


Carlos Pinto
Maria de Belém Roseira, antiga ministra da Saúde e candidata a Presidente da República nas últimas eleições presidenciais, esteve nesta semana em Odemira, para a assinatura do protocolo entre a autarquia e a Associação Dignitude que permite que os agregados familiares mais carenciados do concelho beneficiem do programa ABEM – Rede Solidária do Medicamento [ver texto na página 7]. E foi durante a cerimónia realizada na Biblioteca Municipal que disse o seguinte: "Sabemos que o Estado nunca consegue fazer tudo aquilo que é necessário", daí ser preciso que a sociedade civil também dê o seu "contributo" para as causas que devem ser todos.
Com toda a sua experiência de vida e política, Maria de Belém Roseira sabe bem do que fala. E quando diz que o Estado não pode chegar a todo lado tem toda a razão. É impossível haver repartições, delegações ou pólos em todas as vilas e aldeias. Daí haver sectores e áreas onde todos, enquanto comunidade, também temos de ajudar e fazer por nós próprios, não estando apenas à espera que sejam os "eleitos" a decidir e a concretizar.
Mas não é menos verdade que o Estado também não pode (nem deve), à luz desta visão, demitir-se de todas as suas responsabilidades perante os cidadãos. E muitas vezes é isso que constatamos no terreno, sobretudo no Interior, quando vamos noticiando ou comentando o encerramento de agências bancárias, de estações dos CTT e de outros serviços essenciais às pessoas que devem servir.
Posto isto, fica a questão: qual deve ser, afinal, o papel do Estado? Quanto a nós, nem omnipresente… nem ausente! É por isso que, ultrapassados os dias negros trazidos pela "troika", entendemos ser urgente uma reflexão sobre onde pode e deve estar o Estado. Sem dogmatismos ou ideologias inflexíveis. Mas também sem interesses camuflados e sempre com uma visão global do território. Exige-se uma reforma consciente da realidade do país, justa perante os anseios das comunidades e que valorize todos os cidadãos, sejam eles residentes na Avenida da Liberdade, em Lisboa, ou moradores na rua da Feira, no Cavaleiro.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 19/02/2019
Marca "Escalabardo"
apresentada em S. Luís
Depois de muitos meses de trabalho no atelier instalado no Cerro do Moinho, a Junta de Freguesia de São Luís apresenta nesta terça-feira, 19 de Fevereiro, a marca "Escalabardo", resultado do projecto de cariz ambiental, social e comunitário que tem o mesmo nome.
07h00 - terça, 19/02/2019
EB 1 do Cercal
com bons resultados
A Escola Básica nº 1 do Cercal do Alentejo, no concelho de Santiago do Cacém, surge no topo do ranking das escolas públicas, divulgado no último sábado, 16 de Fevereiro.
07h00 - terça, 19/02/2019
Luís Bernardo Freitas
reeleito no PSD Odemira
O empresário Luís Bernardo Freitas foi reeleito no último sábado, 16 de Fevereiro, presidente da comissão política da Secção de Odemira do PSD, cargo que vai continuar a desempenhar nos próximos dois anos.
07h00 - segunda, 18/02/2019
Obra do Parque Urbano
avança em Alcácer do Sal
A Câmara de Alcácer do Sal ajudicou no final da passada semana, em reunião do executivo municipal, a obra do Parque Urbano da cidade, avaliada em cerca de 3,1 milhões de euros, à empresa António Saraiva e Filhos, Lda.
07h00 - segunda, 18/02/2019
Atletas de Sines são
esperanças olímpicas
A nadadora Ana Sofia Sousa e o ginasta Rúben Tavares entram nas contas para os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris, tendo participado no final de Janeiro no Encontro Nacional de Esperanças Olímpicas.

Data: 15/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial