16h36 - quinta, 05/07/2018

Qual é o papel do Estado?


Carlos Pinto
Maria de Belém Roseira, antiga ministra da Saúde e candidata a Presidente da República nas últimas eleições presidenciais, esteve nesta semana em Odemira, para a assinatura do protocolo entre a autarquia e a Associação Dignitude que permite que os agregados familiares mais carenciados do concelho beneficiem do programa ABEM – Rede Solidária do Medicamento [ver texto na página 7]. E foi durante a cerimónia realizada na Biblioteca Municipal que disse o seguinte: "Sabemos que o Estado nunca consegue fazer tudo aquilo que é necessário", daí ser preciso que a sociedade civil também dê o seu "contributo" para as causas que devem ser todos.
Com toda a sua experiência de vida e política, Maria de Belém Roseira sabe bem do que fala. E quando diz que o Estado não pode chegar a todo lado tem toda a razão. É impossível haver repartições, delegações ou pólos em todas as vilas e aldeias. Daí haver sectores e áreas onde todos, enquanto comunidade, também temos de ajudar e fazer por nós próprios, não estando apenas à espera que sejam os "eleitos" a decidir e a concretizar.
Mas não é menos verdade que o Estado também não pode (nem deve), à luz desta visão, demitir-se de todas as suas responsabilidades perante os cidadãos. E muitas vezes é isso que constatamos no terreno, sobretudo no Interior, quando vamos noticiando ou comentando o encerramento de agências bancárias, de estações dos CTT e de outros serviços essenciais às pessoas que devem servir.
Posto isto, fica a questão: qual deve ser, afinal, o papel do Estado? Quanto a nós, nem omnipresente… nem ausente! É por isso que, ultrapassados os dias negros trazidos pela "troika", entendemos ser urgente uma reflexão sobre onde pode e deve estar o Estado. Sem dogmatismos ou ideologias inflexíveis. Mas também sem interesses camuflados e sempre com uma visão global do território. Exige-se uma reforma consciente da realidade do país, justa perante os anseios das comunidades e que valorize todos os cidadãos, sejam eles residentes na Avenida da Liberdade, em Lisboa, ou moradores na rua da Feira, no Cavaleiro.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 21/11/2018
PSA Sines investe em novos
equipamentos no Terminal XXI
A empresa PSA Sines, concessionária do Terminal XXI, investiu na aquisição de novos equipamentos de movimentação de cargas para melhoria das condições operacionais do terminal de contentores do Porto de Sines.
07h00 - quarta, 21/11/2018
Grândola requalifica
campos de futebol
A Câmara de Grândola iniciou esta semana a empreitada de reabilitação dos dois campos de futebol existentes no Parque Desportivo Municipal, num investimento avaliado em cerca de 290 mil euros.
07h00 - quarta, 21/11/2018
"Milfontes não tem
condições para subir"
Apesar de ter sido segundo classificado em 2015-2016 e em 2017-2018, o Praia não é candidato ao título distrital nesta temporada, garante o treinador da equipa de Vila Nova de Milfontes, Fernando Candeias, em entrevista ao "SW".
07h00 - terça, 20/11/2018
Grupo Selina quer
abrir hotel em Milfontes
O grupo hoteleiro Selina pretende instalar-se no Alentejo Litoral, com a abertura de uma unidade de alojamento em Vila Nova de Milfontes, projecto já confirmado pela presidente da marca em Portugal.
07h00 - terça, 20/11/2018
Federação de Canoagem
divulga ranking nacional
O Clube Náutico do Litoral Alentejano (CNLA), de Vila Nova de Milfontes, garantiu a 10ª posição no Ranking Nacional de Clubes/ Troféu Jogos Santa Casa, divulgado recentemente pela Federação Portuguesa de Canoagem (FPC).

Data: 16/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial